Brasileiros são top 10 no Mundial de Lightining

Terminou neste sábado em Salinas, no Equador, o Mundial da classe Lightining. O evento reuniu 56 tripulações de 11 países, incluindo uma do Brasil. Klaus Biekarck, Gunnar Ficker e Marcelo Silva. O trio ficou com a 10ª colocação. Os vencedores foram os argentinos Javier Conte, Julio Alsogaray e Paula Salerno. A equipe, que começou com um 57 na primeira regata, venceu nada menos que seis das nove regatas disputadas, terminando o campeonato com 12 pontos perdidos. O segundo colocado ficou com 40 pontos perdidos. Desde 1961 uma equipe não vencia no mesmo ano o Mundial, o Norte Americano e o Sul-Americano.

Confira os resultados: http://bit.ly/2Bq7DHS

Jangadeiros recebe 1º Campeonato Brasileiro da Juventude

23215419_10208836011212159_6544106476530170216_o

Um novo capítulo na história das categorias de base da vela no Brasil começa a ser escrito a partir desta terça-feira, dia 14, em Porto Alegre. O 1º Campeonato Brasileiro da Juventude terá início no tradicional Clube dos Jangadeiros, com regatas a partir das 14h, nas raias do Guaíba. A competição reunirá meninos e meninas de até 19 anos, com disputa nas seguintes classes: RS:X (Masc. e Fem.), Laser Radial (Masc. e Fem.), 420 (Masc. e Fem.), 29er (Masc. e Fem.), Nacra 15 (Aberto), Optimist (Masc. e Fem.) e Hobie Cat.

O Brasileiro Interclubes da Juventude entra em 2017 na programação anual da modalidade neste ciclo olímpico dos Jogos Tóquio-2020. O campeonato serve como preparação para os velejadores que vão disputar o Mundial da Juventude, em Sanya, na China, em dezembro.

Em sua edição 2017, o Brasileiro Interclubes será organizado em conjunto pela Confederação Brasileira de Vela (CBVela); o Comitê Brasileiro de Clubes (CBC); e o Clube dos Jangadeiros, que será sede do evento.

 

Hans e Karina Hutzler vencem o Brasileiro de Dingue em Ilhabela

WhatsApp Image 2017-11-06 at 10.13.32 AM.jpeg

Terminou em Ilhabela no último domingo o Campeonato Brasileiro da classe Dingue. O evento reuniu 47 duplas em três dias com sete regatas disputadas. Hans e Karina Hutzler, do Cabanga Iate Clube, souberam ler melhor as duas raias usadas na competição (no baixio do canal de São Sebastião e próximo à ponta das Canas) e levou o troféu para casa. Bruno dos Reis e Ana Carolina Varoni, de Ilhabela, ficaram em segundo, enquanto Leonardo Almeida e Sofia Hutzler completaram o pódio na terceira colocação.

“Foi um campeonato bem difícil, com vento forte no primeiro dia, chegando a 25 nós, no segundo ele diminuiu um pouco e no terceiro e último dia ele ficou bem fraco e rondado. Tivemos velejadores vindo de outras classes, como Star, Laser, Hobie Cat, o que elevou o nível da classe. No último dia os sete primeiros chegaram com chance e tivemos muitas trocas de posições na água. A classe Dingue é uma classe que agrega famílias, casais e isso é muito legal”, disse Hans.

Resultados:

  1. Hans e Karina Hutzler
  2. Bruno dos Reis e Ana Carolina Varoni
  3. Leonardo Almeida e Sofia Hutzler
  4. David Backer e Lucas Miranda
  5. Luis Otávio Correia e Isaias Menezes
  6. Luis José Correia Jr e Anisio Correia
  7. Alvaro Bastos e Guilherme de Souza
  8. Eugênio e Regina Gerth
  9. Giancarlo Canalli e Patreze Luan
  10. Fabio e Luca Bruggioni

Definidos os campeões do Circuito Rio

23231277_1717906634917312_4212102749924942678_n

Entre os dias 2 e 6 de novembro o ICRJ promoveu o Circuito Rio, que reuniu as classes ORC, IRC e BRA-RGS, além da Mini Transat. IRC e BRA-RGS disputaram seis regatas, enquanto a ORC fez uma a mais. As três classes tiveram provas de percurso e barla-sota.

O primeiro dia teve regata para Maricás para as classes ORC e IRC, com 32 milhas, e ilhas Rasa, Pai e Mãe com chegada na Laje para a BRA-RGS. O vento estava forte, soprando de leste-sueste com rajadas de 20 nós, permitindo que o primeiro barco completasse a regata em pouco mais de 4 horas. No segundo dia, o vento estava da mesma direção e duas regatas barla-sota foram realizadas para a ORC dentro da baía de Guanabara. IRC e BRA-RGS fizeram regata de percurso para as ilhas do Pai e da Mãe, chegando na Laje. O terceiro dia de regatas teve um vento bastante rondado que demorou a entrar e a CR acabou conseguindo fazer uma regata com percurso único para todas as classes montando uma boia no rumo norte e depois as ilhas do Pai e da Mãe. No último dia, já com a entrada da frente-fria, com muita corrente e vento de sudoeste, duas regatas barla-sota foram realizadas pelas três classes dentro da baía de Guanabara.

“Este foi o primeiro campeonato do Inaê na ORC e conseguimos ganhar de barcos que estão na classe há muitos anos. Por ser um barco de cruzeiro totalmente adaptado para regatas , creio que tivemos um ótimo desempenho neste campeonato , mesmo porque também estamos reciclando a equipe e nos acostumando com novas regulagens. Foi um grande desafio medir o barco na ORC e enfrentar grandes barcos e nomes da vela nacional , mas o resultado esta ai e tende a melhorar!”, disse Bayard Umbuzeiro Filho, do Inaê.

Confira os resultados:
ORC
IRC
BRA-RGS

Eleição para melhores do ano é aberta ao público; Martine e Kahena concorrem

13996126_1379329832097130_2277955038524882216_o

A votação para velejador do ano da World Sailing está aberta ao público e mais uma vez o Brasil está concorrendo com as meninas de ouro Martine Grael e Kahena Kunze.

Para votar, basta clicar aqui.

Também estão na disputa:

Feminino:
Marit Bouwmeester (NED) – Campeã Mundial de Laser 2017
Sarah-Quita Offringa (ARU) – Campeã do Mundial Pro Windsurfers Association World Tour Freestyle 2017
Tara Pacheco (proeira de Fernando Echavarri) (ESP) – Campeã da Nacra 17 World Cup Series

Masculino:
Glenn Ashby (AUS) – Skipper vencedor da America’s Cup
Peter Burling (NZL) – Timoneiro vencedor da America’s Cup
Thomas Coville (FRA) – Detentor do recorde de volta ao mundo em solitário
Armel Le Cleac’h (FRA) – Vencedor da Vendée Globe 2016-2017

O Brasil já ganhou o prêmio quatro vezes:

2014 James Spithill (AUS), Martine Grael & Kahena Kunze (BRA)
2009 Torben Grael (BRA), Anna Tunnicliffe (USA)
2004 Robert Scheidt (BRA), Sofia Bekatorou & Emilia Tsoulfa (GRE)
2001 Robert Scheidt (BRA), Ellen MacArthur (GBR)

Segunda perna da Volvo Ocean Race larga com ventos de 30 nós

Domingo também foi dia da largada da segunda perna da Volvo Ocean Race. Desta vez o desafio para as sete equipes é maior e eles terão que chegar na Cidade do Cabo, em um percurso de 7 mil milhas a partir de Lisboa. Única representante do Brasil, Martine Grael segue a bordo do Team AkzoNobel.

Mas, logo na largada, os velejadores puderam sentir que de tranquila a velejada não vai ter nada. Foi só sair da costa de Cascais que o vento passou a soprar na casa dos 30 nós e o mar cresceu, ficando com ondas de mais de 4 metros. O Dongfeng Race Team assumiu a liderança e o recorde de velocidade desta edição com 33 nós.

“Para ser honesto, está muito difícil. Das três pernas que corri na última edição, não vimos nada perto do que estamos vivendo hoje. Uma onda jogou a Bianca [Cook] longe enquanto ela estava amarrada ao cinto de segurança. Ela ficou presa de costas no cockpit enquanto levava centenas de litros de água na cara. Foi assustador de assistir. A Liz [Wardley] chegou rapidamente nela e conseguiu resolver”, contou Sam Greenfield, On Board Reporter do Turn the Tide on Plastic.

Na manhã desta segunda-feira o Team AkzoNobel liderava a flotilha, com um bordo mais ao sul, a uma velocidade de 20,7 nós, com vento de 19,5 nós. Confira o andamento da flotilha clicando aqui.

Fotos Ainhoa Zanchez/VOR

 

Transat Jacques Vabre larga com dupla luso-brasileira

23275489_1486417594760362_1384839821479935463_o.jpg

A Transat Jacques Vabre largou neste domingo de Le Havre, na França, com destino a Salvador. Dos 34 barcos, um é especial: o Mussulo 40 Team Angola Cables, que leva a bordo o baiano Leonardo Chicourel e o português radicado em São Paulo José Guilherme Caldas. Na manhã desta segunda-feira os dois apareciam na 14ª colocação, a 45 milhas dos líderes Louis Duc e Alexis Loison. O líder da competição é o Maxi Edmond de Rothschield, de Seb Josse e Thomas Rouxle.

Acompanhe (e torça!) clicando aqui: http://bit.ly/2zkdZrO

 

Xandi Paradeda e Anna Julia Tenório são campeões paulistas de Snipe

WhatsApp Image 2017-11-04 at 8.41.17 PM

Terminou neste sábado no Yacht Club Santo Amaro o Campeonato Paulista da classe Snipe. Se a sexta-feira foi marcada por vento fraco e apenas uma regata foi disputada, no sábado o vento entrou bastante forte, com rajadas que passaram dos 25 nós, e a flotilha de 49 barcos pode disputar três regatas. Com o vento mais forte, aumentou também a dificuldade da velejada e, no final do dia, o saldo foi de oito mastros quebrados e duas bolinas perdidas.

Xandi Paradeda e Anna Julia Tenório, de Ilhabela, mostraram que estão velejando bem em qualquer condição de vento e levaram para casa o troféu da competição. Rafa Gagliotti e Henrique Gomes, de Santos, ficaram com o segundo lugar e Rique Wanderley e Richard ‘Alemão’ Zietman, de São Paulo, ficaram com o terceiro lugar.

Apesar dos estragos, quem participou do campeonato saiu contente com o alto nível de competição dentro d’água e da festa e da confraternização em terra. O próximo compromisso da classe Snipe de São Paulo será a penúltima etapa da Copa Paulista, nos dias 18, 19 e 20 de novembro, com sede também no YCSA.

Ilhabela receberá o Campeonato Mundial:

Dando continuidade ao bom trabalho que a cidade vem fazendo no esporte, em especial na vela, Ilhabela, no litoral norte de São Paulo, acaba de ser confirmada como sede dos Mundiais Junior e Sênior de 2019. Em 2018, Buenos Aires vai receber o Hemisfério Ocidental. Os dois eventos são realizados a cada dois anos, intercalados.

RESULTADO FINAL

Camiranga é fita-azul da Santos – Rio

22814355_827433884104318_2592198977205202812_n

O veleiro Camiranga (Soto 65) mais uma vez conquistou a fita-azul da regata Santos – Rio. Foram necessárias 24h 57 minutos e 9 segundos para que a equipe de Eduardo Plass completasse o percurso e levasse também o título na classe ORC.

“Foi uma regata um pouco difícil, com as condições mudando bastante. Até Ilhabela o vento foi bastante instável, com algumas variações. Sempre conseguimos avançar um pouco mais que a flotilha, o que nos deu bons ganhos. De Ilhabela para frente conectamos em um vento e conseguimos ganhar bastante terreno com relação à flotilha. Chegamos no Rio no amanhecer e conseguimos aproveitar o terral, até cruzar a linha de chegada, perto do meio dia. O barco aguentou bem, fizemos um contravento duro, chegando a pegar 25-26 nós, em um contra-vento de um bordo só. Agora vamos focar no Circuito Rio, que vamos navegar com o Crioula (S40)”, disse Samuel Albrecht, skipper do barco.

Na classe IRC o vencedor foi o Cherne, enquanto na RGS o título ficou com o Grug.

Confira abaixo os resultados:

ORC
IRC
RGS

Foto: Geison Mendes/Instagram

 

Torben Grael e Tutu Lopes são campeões europeus de Star; Bruno Prada é bronze

WhatsApp Image 2017-10-29 at 2.46.04 PM

Os brasileiros mais uma vez mostraram que, quando se trata da classe Star, eles não estão para brincadeira. Torben Grael e Tutu Lopes conquistaram neste domingo o título do Campeonato Europeu, que foi disputado em Sanremo, na Itália. Bruno Prada, que correu na proa de Augie Diaz, ficou com a terceira colocação, com a mesma quantidade de pontos de Lars Grael e Samuca Gonçalves.

O campeonato começou com vento fraco no primeiro dia. No segundo ele aumentou muito, causando quebras e desistências. No terceiro dia, apenas uma regata foi realizada por conta do vento fraco novamente. No último dia, das duas que estavam programadas, apenas uma foi disputada. Na largada, Prada e Diaz acabaram escapando com bandeira preta e foram desclassificados.

Confira a súmula final aqui.