ABVO promove eleição online para nova diretoria

logo_alta_fundo transparente.png

No próximo dia 3 de novembro uma nova diretoria assumirá a ABVO e, pela primeira vez na história, as eleições poderão ser feitas via internet, o que possibilitará uma maior participação dos associados, uma vez que a entidade está sediada no Rio de Janeiro.

As inscrições das chapas/candidatos já podem ser feitas por escrito ao Comodoro ou à Secretaria da ABVO até o dia 26/10, na forma do art. 30, inciso VII, parágrafo 1º, do Estatuto. Na inscrição deverá constar:

  1. Nome da chapa;
  2. Nomes completos, endereço, contato (e-mail e telefones), e qualificação dos sócios candidatos aos seguintes cargos eletivos: Comodoro, 1º Vice-Comodoro, 2º Vice-Comodoro, 03 (três) Membros efetivos para o Conselho Fiscal e 02 (dois) Membros suplentes para o Conselho Fiscal;
  3. Carta de anuência aos cargos pleiteados, assinada por todos os integrantes da chapa.

A votação eletrônica terá início às 12h dia 27/10, ficando aberta até às 10h do dia 3/11. Só poderão participar os associados que estejam quites com a tesouraria. As instruções serão enviadas por e-mail para estes associados.

Também no dia 3/11 haverá uma Assembleia Geral Ordinária na sede da ABVO, a partir das 19h. Quem não participar da votação eletrônica poderá votar presencialmente nesta data.

Confira a convocação clicando aqui.

Sudeste Brasileiro de Laser será disputado na Guarapiranga no feriado

323618_739317_318406_721240_img_9082_copy_edit_4_web_

Os velejadores da classe Laser vão aproveitar o fim de semana prolongado pelo feriado de Nossa Senhora Aparecida para disputar o Campeonato Sudeste Brasileiro de 12 a 15 de outubro na Represa Guarapiranga. Organizada pelo Yacht Club Paulista (YCP), a competição deve reunir mais de 30 velejadores de São Paulo, Santos e Ilhabela, incluindo-se a maioria dos clubes do em torno da represa. O programa prevê oito regatas, com duas largadas por dia a partir das 13h00.

Além dos atletas da nova geração, a Guarapiranga contará com o talento dos mais experientes velejadores, responsáveis pela evolução da vela no País, como Manfred Kaufmann, o Fips, representante brasileiro da classe Laser no World Master Games da Nova Zelândia, em abril. Acostumado a competir também na classe HPE 25 em Ilhabela, Fips idealizou recentemente o grupo Vela Master Brasil, dedicado aos interesses dos velejadores veteranos, e já observa a receptividade dos colegas. “Um campeonato regional é sempre muito importante para a classe. A categoria máster terá com certeza um número expressivo de inscrições. Só precisamos ser mais racionais com o calendário nacional”, recomenda Fips. Neste mesmo fim de semana, por exemplo, será realizada ainda a Semana Internacional de Vela do Rio de Janeiro.

 

Informações: assessoria de imprensa

Fotos: Douglas Moreira / Fisheye Images

Definidos os campeões do Catarinense de Oceano

unnamed-18.jpg

O Itajaí Sailing Team fez história nesse sábado ao quebrar o recorde de percurso na 14ª Regata Marejada, válida como sétima etapa da Copa Veleiros de Oceano, e conquistar o troféu Fita Azul, premiação concedida a primeira embarcação a cruzar a linha de chegada. Confirmando todas as previsões, o vento sul soprou com força, passando dos 20 nós, e a tripulação itajaiense completou o percurso de 32 milhas náuticas em 2h52m29s, mais de 20 minutos mais rápido do que a marca anterior, de 3h13m feita em 2016.

“O velejo foi incrível. Foi muito especial poder quebrar o recorde em uma competição que chega em Itajaí comandando a embarcação que leva o nome da cidade. Nunca baixamos de 16, 17 nós e nossa maior velocidade foi de 23. Bater esse recorde foi muito gratificante”, comemorou o comandante Marcelo Gusmão. “Metade da nossa tripulação é formada pelo projeto do Itajaí Sailing Team e posso dizer que a cada regata temos evolução. Nossa tripulação conhece muito bem o barco”, completou Gusmão. Continuar lendo “Definidos os campeões do Catarinense de Oceano”

Camiranga quebra mais uma vez o recorde da REFENO

A embarcação Camiranga escreveu, mais uma vez, o seu nome na historia da Regata Internacional Recife/Fernando de Noronha (Refeno). Neste domingo (1º de outubro), o veleiro do Rio Grande do Sul conquistou o Troféu Fita Azul da Refeno pelo quarto ano consecutivo, com direito a quebra do próprio recorde entre os barcos monocasco. Do Marco Zero do Recife até a praia do Boldró, o barco comandado por Samuel Albrecht completou a travessia de 292 milhas náuticas  em 19h03min18s.

Assim como previsto, o barco do Rio Grande do Sul liderou a prova de ponta a ponta. A travessia até Noronha foi com ventos variando de 15 a 20 nós e ondas de até 2,5 metros. O Patoruzu,  embarcação que compete na classe Mocra, encerrou o percurso entre o Marco Zero do Recife até a Praia de Boldró, em Noronha, em 25h45min05s e foi o segundo barco a cruzar a linha e primeiro da classe MOCRA. Comandado por Higinio Luis Marinsalta, o trimarã repetiu a colocação de 2015, mas concluiu o percurso em um tempo bem menor, já que quando foi segundo lugar geral da prova, naquela ocasião, o período de travessia durou 29h0min25s. Continuar lendo “Camiranga quebra mais uma vez o recorde da REFENO”

Tripulação gaúcha é vice-campeã mundial da classe Soling

Mundial Soling final.jpg

A tripulação Equilibrium com Nelson Ilha, Manfredo Flöricke e Carlo De Leo terminou em segundo lugar no Mundial da classe Soling encerrado nesta sexta em Muiden, Holanda. O trio do Veleiros do Sul lutou pelo título mundial, mas não conseguiu superar os húngaros Farkas Litkey, Karoly Vezer e Gabor Oroszlan. O comandante Nelson Ilha comentou o resultado ao final do mundial.

“O vice-campeonato foi gratificante, apesar de não alcançarmos o título mundial. O fato de estarmos entre os top três nos últimos três anos, faz com que nos respeitem muito na classe Soling internacional. Isso é o reflexo da flotilha do Veleiros. Nosso objetivo foi parcialmente alcançado que era estar no pódio, mas seguimos buscando o título mundial”.

O outro time representante do VDS, o El Demolidor, com Kadu Berghental, Eduardo Cavalli e Renan Abraham terminou em 8º lugar. Comandante Kadu também falou sobre o desempenho da sua tripulação.

“Conseguimos melhorar nosso resultado com relação aos nossos últimos mundiais, semana com vento fracos e bem rondados, conseguimos ganhar uma regata durante o campeonato, que era um dos nossos objetivos”.

O Brasil ainda contou com uma terceira equipe, representante do Rio Grande Yacht Club, com Henrique Ilha, Fernando Ilha e Marcelo Azevedo que ficou em 11º. O Mundial teve a participação de 34 barcos de 13 países.

San Chico vence o Circuito Cone Sul

CircuitoConesul3.jpg

O 26º Circuito Conesul de Vela de Oceano terminou neste fim de semana no Veleiros do Sul, em Porto Alegre. Foram quatro dias de competições de percursos variados e culminou com a disputa das regatas de longas distâncias, o 47º Troféu Seival e a 28ª Regata Farroupilha, concluídas na noite deste sábado.

O título na classe ORC Internacional ficou com o barco San Chico, comandado por Francisco Freitas e em segundo lugar ficou o Hobart, de Airton Schneider. Na classe RGS a vitória no Circuito foi do barco Drakkar, de Leonardo Sant’anna, em vice ficou o Pelayo, de Joaquim Fonseca. Na Microtoner 19, o Batucada, de José Eduardo Araújo foi o campeão e em segundo o Vewaga, de Ronald Kunrath.

O tradicional Troféu Seival, é a maior regata em água doce do Brasil e há 47 anos é realizado ininterruptamente. Nessa edição a distância foi de 66.5 milhas de distância, com percurso pelo rio Guaíba e Lagoa dos Patos. A largada foi em frente ao Veleiros do Sul às 11h05min de sábado sob intensa garoa.

No tempo corrigido o vencedor do Troféu Seival – somente para classe ORC –  foi o Hobart e o San Chico levou a Taça Xodó – Bico de proa – por ter sido o primeiro a cruzar a linha de chegada, próxima a ilha das Pedras Brancas às 20h50min20s. Os barcos da classe RGS competiram na Regata Farroupilha, 42 milhas, e teve como vencedor o Pelayo e na Microtonner 19 o Batucada em primeiro lugar. O vento variou nas direções sul-sudeste de 8 a 15 nós de intensidade.

O 26º Circuito Conesul de Vela de Oceano teve a participação de 22 barcos de clubes de Porto Alegre e Pelotas com início no dia 16 e teve seis regatas realizadas –  barlasotas, percursos médio e longo. A competição contou com o apoio da Delta Yachts e Equinautic.

Súmulas completas do Circuito

Da assessoria do Veleiros do Sul

Martine Grael e Kahena Kunze são indicadas novamente ao prêmio de melhores do ano

Martine Grael e Kahena Kunze 01_Credito Jesus Renedo_Sailing Energy (1).jpg

Campeãs da temporada 2017 da Copa do Mundo com 100% de aproveitamento e vice-campeãs mundiais da classe 49er FX, Martine Grael e Kahena Kunze foram indicadas mais uma vez pela Federação Internacional de Vela (World Sailing) ao Prêmio de Melhores Velejadoras do Ano. Esta é a terceira vez que as brasileiras concorrem ao troféu. Elas venceram a disputa em 2014, quando ganharam o ouro no Mundial de Classes Olímpicas, uma conquista que completa três anos exatamente nesta quinta-feira, dia 21.

O anúncio dos vencedores nas categorias masculina e feminina será feito no dia 7 de novembro, em Puerto Vallarta, no México, sede da Conferência Anual da World Sailing. Os detalhes sobre a votação que definirá os vencedores ainda serão divulgados pela Federação Internacional de Vela.

“Estamos muito felizes com essa indicação. Temos velejadoras incríveis no mundo todo e é uma honra estar entre as quatro melhores. É o reconhecimento do nosso trabalho e isso nos dá ainda mais certeza de que estamos no caminho certo”, afirma Kahena Kunze.

A dupla brasileira teve um desempenho brilhante na temporada 2017. Conquistou de forma incontestável a Copa do Mundo da World Sailing, com três ouros nas três etapas disputadas: Miami, nos Estados Unidos; Hyères, na França; e Santander, na Espanha. Elas também ganharam a medalha de prata no Mundial disputado na cidade do Porto (Portugal), em agosto. Para completar, Martine se prepara agora para tornar-se a primeira velejadora do Brasil a participar da Regata de Volta ao Mundo (Volvo Ocean Race), a partir de outubro.

Na disputa pelo Prêmio de Melhores do Ano, as brasileiras terão como concorrentes na categoria feminina a holandesa Marit Bouwmeester, tricampeã mundial de Laser Radial; Sarah-Quitta Offringa, de Aruba, windsurfista campeã mundial no freestyle e no slalom; e a espanhola Tara Pacheco, vice-campeã mundial da Nacra 17 ao lado de Fernando Echavarri.

No masculino, concorrem ao prêmio o neozelandês Peter Burling, campeão na America’s Cup pelo Emirates Team New Zealand; o australiano Glenn Ashby, velejador que teve papel-chave no desenvolvimento do barco campeão da America’s Cup; o francês Thomas Coville, que estabeleceu o novo recorde para o desafio de dar a volta ao mundo velejando sozinho (em apenas 49 dias, 3 horas, 4 minutos e 28 segundos); e o francês Armel Le Cleac’h, vencedor da icônica regata Vendée Globe.

O Prêmio de Melhor Velejador do Ano é um dos troféus de maior prestígio no mundo da vela. Criado pela Federação Internacional em 1994, já foi conquistado quatro vezes por velejadores brasileiros: Robert Scheidt (2001 e 2004), Torben Grael (2009) e Martine Grael e Kahena Kunze (2014).

Da assessoria

Irmãos Grael estreiam em sexto no Mundial de 6M

21551929_1390362264394398_1047795680232969821_o.jpg

Está rolando em Vancouver, no Canadá, o Mundial da classe 6M. O Brasil está sendo representado por uma equipe de peso, com Lars Grael no comando, Torben e Renata Grael como reforço, além dos amigos Colin Gomm e Markus Temke. O time estreou com um nono e um quarto lugares, o que os deixou na sexta colocação geral entre os clássicos. Detalhe para os concorrentes: o rei da Espanha, que aparece em segundo, e a lenda Dennis Conner, em quarto.

O barco usado pelos brasileiros (KC-19) se chama Saskia e foi projetado por William Fife em 1934. Alguns dos barcos são ainda mais antigos, uma vez que a classe foi olímpica em 1908.

Para ver o resultado completo, clique aqui: http://bit.ly/2xfxMJw

Foto: Divulgação do campeonato

Mundial de RS:X: Patricia Freitas estreia na raia olímpica de 2020 nesta segunda

Patricia Freitas_Credito Robert Hajduk  ShutterSail.jpg

Patrícia Freitas terá uma honra especial nesta madrugada de segunda-feira, dia 18. Ela será a primeira velejadora do Brasil a conhecer a raia dos Jogos Tóquio 2020, durante a disputa do Campeonato Mundial de RS:X. A competição será realizada no Enoshima Yacht Harbor, local que receberá as provas olímpicas daqui a três anos, e, em função do fuso horário, as regatas têm previsão de início ainda na noite deste domingo (17), às 23h (de Brasília).

A previsão do tempo reserva algumas emoções nesta estreia. A passagem de um tufão pelo Japão promete trazer rajadas fortes nos dois primeiros dias de campeonato. Continuar lendo “Mundial de RS:X: Patricia Freitas estreia na raia olímpica de 2020 nesta segunda”