Fernanda Oliveira conduzirá Tocha Olímpica em Porto Alegre

Fernanda Oliveira e Ana Barbachan.jpg

A velejadora Olímpica do Clube dos Jangadeiros Fernanda Oliveira, representante do Brasil na Classe 470 nos Jogos Olímpicos Rio 2016, de 5 à 21 de agosto, no Rio de Janeiro, conduzirá a Tocha Olímpica na sua passagem por Porto Alegre, nesta quinta-feira (7), na Av. Edvaldo Pereira Paiva, 1899, às 18h44min. Fernanda é campeã Brasileira 18 vezes e está em sua quinta Olimpíada (Sydney/2000, Atenas/2004, Pequim/2008 e Londres/2012), sendo que nos Jogos de Pequim/2008 conquistou a inédita medalha da modalidade feminina.

“Já é um sonho poder participar de cinco edições de Jogos Olímpicos, e ainda mais ter sido convidada para conduzir a chama Olímpica em Porto Alegre, cidade onde nasci e comecei minha trajetória de atleta Olímpica, é muita emoção,” diz Fernanda.
Apresentação de Fernanda Oliveira, atleta Olímpica na vela, classe 470
Ø A atleta Olímpica, Fernanda Oliveira, começou a velejar no Clube dos Jangadeiros, em uma colônia de férias aos 11 anos. A partir daí exibe uma coleção de títulos que orgulha o Brasil, o Rio Grande do Sul e o seu clube de origem, o Jangadeiros:

Ø É 18 vezes Campeã Brasileira (1996, 1999 a 2015).

Ø Neste ano, irá comemorar a sua quinta participação em Jogos Olímpicos (Sydney/2000, Atenas/2004, Pequim/2008 e Londres/2012).

Ø Nos Jogos Olímpicos de Pequim, foi a primeira brasileira a conquistar uma medalha (Bronze) na vela na modalidade feminina.

Ø Veleja na classe 470 com a parceira Ana Barbachan desde final de 2009.

Ø Entre janeiro e maio deste ano, das 07 competições internacionais que a dupla participou, estiveram no podio em 05 competições.

– Campeãs do Campeonato Norte-Americano de 470, em Miami;
– Prata no Trofeo Princesa Sofía, em Palma de Mallorca, na Espanha;
– Prata na etapa de Hyères da Copa do Mundo de Vela, na França;
– Bronze da Etapa da Copa do Mundo de Miami;
– Bronze no Campeonato Europeu de 470, em Palma de Mallorca, Espanha;
– 4º lugar no Campeonato Mundial de 470, em San Isidro, na Argentina;
– 6º lugar no Campeonato Sulamericano na Argentina.

Ø Em 2015, as atletas chegaram ao lugar mais alto do pódio na Etapa de Hyàres da Copa do Mundo, na França e, em 2014, foram campeãs no Campeonato Sul-Americano, disputado no Rio de Janeiro, e ainda campeãs da Coach Regatta, na Espanha, entre outros títulos durante o ciclo olímpico (2013 / 2016).

Cinquenta barcos de 20 países já confirmaram participação na Semana Internacional do Rio

11807224_927671600607490_2334678770035344802_o.jpg

Com a proximidade do início da Semana Internacional de Vela do Rio de Janeiro, 20 países já confirmaram a sua participação no evento. Grandes nomes da vela mundial, como a medalhista de ouro em Londres na classe Laser, a britânica Alisson Young, as argentinas Victoria Travascios e Sol Branz, ouro no Pan de Toronto na 49erFX, os espanhóis Fernando Echavarri e Tara Pacheco, ouro em Hyères na Nacra 17 e a britânica Bryony Shaw, bronze em Pequim na RS:X, estão entre os inscritos. O evento, promovido pelo Iate Clube do Rio de Janeiro de 11 a 22 de julho, será uma prévia das Olimpíadas, pois será disputado alguns dias antes do maior evento esportivo mundial, na mesma raia.

“Em 2015 o evento foi disputado logo após o Pan e tivemos a participação de 230 atletas, muitos ainda não classificados para os Jogos. Este ano, com a proximidade das Olimpíadas, talvez este número seja menor, mas a quantidade de atletas olímpicos com certeza vai ser maior”, disse Kadu Baggio, diretor de vela do Iate Clube do Rio de Janeiro.

Por enquanto o número de brasileiros inscritos ainda é pequeno e merecem destaque as duplas Samuel Albrecht e Isabel Swan, e Henrique Haddad e Bruno Bethlem, representantes olímpicos na Rio 2016 nas classes Nacra 17 e 470 respectivamente.

Serão três fases de competição: a primeira, de 11 a 14 de julho, terá as disputas das classes 49er, 49erFX, RS:X masculino e feminino, além de vela jovem; a segunda vai de 15 a 18 de julho com as regatas das classes Nacra 17, Finn, Laser e Laser Radial; a terceira e última terá a presença dos velejadores da classe 470 masculino e feminino.

As inscrições devem ser feitas pelo e-mail vela@icrj.com.br e custam R$ 300,00 por tripulante. Para os velejadores brasileiros filiados às associações de Classe nacionais, será concedido um desconto de 50% na taxa de inscrição.

Para mais informações sobre cada fase da competição, acesse:

De 11 a 14/07 

De 15 a 18/07 

De 19 a 22/07 

Jorginho Zarif disputa Semana de Vela Ilhabela

13458622_1204522386248501_1300398619653586497_o

A organização da Semana de Vela de Ilhabela confirmou a inscrição do atleta olímpico Jorge Zarif, na edição deste ano do maior evento da modalidade da América Latina, que ocorre entre 1 a 9 de julho, no litoral norte paulista. O velejador, que defenderá o Brasil na Rio 2016 na classe Finn, fará um pit-stop na ilha para as regatas da categoria Star ao lado proeiro Arthur Lopes (Tutu). Jorginho, como é carinhosamente chamado pelos amigos, segue a tradição do pai Guga Zarif, que brilhou na semana de vela com o lendário Áries IV e também disputou as olimpíadas de Los Angeles (1984) e Seul (1988), também na Finn.

“Quero aproveitar três ou quatro dias da Semana de Vela para velejar com meu amigo Tutu. Não gosto de perder e vamos para cima. Falar com os amigos será uma rara oportunidade para mim nos últimos tempos. É importante. Durante a preparação olímpica tenho convivido com número reduzido de pessoas. E ao mesmo tempo estarei velejando, o que não deixa de ser um treino na raia de Ilhabela”, disse Jorginho.

Guga Zarif faleceu em 2008, aos 50 anos. Três anos antes conquistou a Semana de Vela de Ilhabela com barco Áries IV, com seu filho Jorginho entre os tripulantes. O garoto cresceu e se tornou uma das esperanças do Brasil na modalidade, sendo campeão mundial senior e junior da classe Finn na Estônia, em 2013.

Ele e Arthur Lopes venceram a Regata dos Campeões em homenagem ao pai de Jorginho no último domingo (19), no inédito Classic Sailing Festival. A classe Star faz parte do calendário de regatas da Semana de Vela de Ilhabela desde 2013. A categoria é a mais vitoriosa da vela nacional em olimpíada, mas não estará no calendário da Rio 2016. Nomes como Torben Grael, Marcelo Ferreira, Robert Scheidt e Bruno Prada medalharam em olimpíadas na classe.

As inscrições continuam abertas

Os tripulantes devem se inscrever no site oficial www.svilhabela.com.br. Até o dia 27 de junho o valor é de R$ 420. As tripulações dos veleiros que ficarem em seus clubes, em amarras próprias ou outros locais fora o Yacht Club de Ilhabela terão 20% de desconto no valor da inscrição.

Fonte: assessoria

“Informação Geral – Olimpíadas Rio 2016 Interdição de Área

 Participo a interdição que ocorrerá na Baia de Guanabara durante as Olimpíadas Rio 2016.  A área a ser interditada é do sul da Ponte Pres. Costa e Silva (Rio-Niterói) até as proximidades da Ilha Rasa:

Em virtude dos Jogos Olímpicos (JO) e Paralímpicos (JPO) RIO2016, cujas atividades de vela ocorrerão na Baía de Guanabara, entre 24 de julho e 21 de agosto e de 31 de agosto a 18 de setembro de 2016, respectivamente, serão necessárias algumas interdições ao sul da Ponte Rio-Niterói, a fim de garantir a segurança da navegação e contribuir para o ordenamento do espaço aquaviário. Estão previstas aproximadamente 700 (setecentas) embarcações navegando nas raias durante o evento.

Em virtude da experiência positiva nos Eventos Testes de 2014 e 2015, que resultaram na manutenção das atividades do porto em paralelo ao atendimento dos requisitos técnicos para a realização das regatas, solicitados pelo Comitê Organizador dos Jogos, encaminho um resumo sobre as áreas e horários dos eventos, que também atenderão aos parâmetros apresentados pela Polícia Federal e Autoridade Portuária para a presença e segurança das Autoridades de Estado e atletas envolvidos:

a) Coordenadas das raias:
1 – Raia Pão de Açúcar (diâmetro 0,9nm) Lat 22º 55′ 55,6″S, Long 043º 09′ 37,7″W
2 – Raia Escola Naval (diâmetro 1.1nm) Lat 22º 55′ 14,4″S, Long 043º 08′ 50,2″W
3 – Raia Aeroporto (diâmetro 0,8nm) Lat 22º 54′ 18″S, Long 043º 08′ 57.59W
4 – Raia Ponte (diâmetro1,2nm) Lat 22º 53′ 03,1”S, Long 043º 09′ 08,9”W
5 – Raia Copacabana (diâmetro 1,2nm) Lat 22º 58′ 33”S, Long 043º 08′ 17,2”W
6 – Raia Niterói (diâmetro 1,5nm) Lat 22º 58′ 37,1”S, Long 043º 06′ 24,5”W
7 – Raia Pai (diâmetro 1.2nm) Lat 22º 59′ 58”S, Long 043º 07′ 23,3”W

b) Interdições ao tráfego marítimo:
        De 24/JUL a 07/AGO (Treinamento Oficial) e 08 a 19/AGO (Competições) – de  11h às 18:00h: interdição ao Sul da Ponte Rio-Niteroi até as proximidades da Ilha Rasa.
        De 31/AGO a 11/SET (Treinamento Oficial) e 12 a 17/SET (Competições) – de 11h às 18:00h: interdição ao Sul do través da Cabeceira nº 02 (Norte) do Aeroporto Santos Dumont até as proximidades da Ilha Rasa.

c) Serão publicados Avisos aos Navegantes com as restrições acima mencionadas.

d) Áreas para Fundeio dos Navios de Estado:

.        Área Navio de Estado (NE -1) ( dentro do Fundeadouro nº4): Para navios com LOA até 110m, H até 7 m e no máximo  dois navios:
1A – LAT 22º52’44,99”S LONG 043º 09’ 53,40”W;e
1B – LAT 22º52’39,59”S LONG 043º 10’ 01,80”W.

     Área NE-2 (próximo a ponta de Santa Cruz): Para navio até 110m, H até 7 m e no máximo um navio:
2 – LAT 22º55’51,11”S LONG 043º 07’ 45,20”W.

     Área NE-3 (próximo a ponta de Santa Cruz): Para navio até 110m, H até 7 m e no máximo um navio:
3 –  LAT 22º56’04,13”S LONG 043º 07’ 51,14”W.

     Área NE-4 (próximo Ilhas Pai e Mãe):  Para navios até 110m, H até 7 m e no máximo quatro navios:
4A – LAT 22º58’23,40”S LONG 043º 04’ 56,39”W;
4B – LAT 22º58’24,60”S LONG 043º 04’ 30”W;
4C – LAT 22º58’48,59”S LONG 043º 04’ 58,79”W;e
4D – LAT 22º58’50,40”S LONG 043º 04’ 29,39”W.

.        Área NE-5 ( dentro do Fundeadouro nº3): Para navios com LOA até 110m, H até 5,2 m (áreas A a D) e LOA até 80m, H até 5,2 m (área E):
5A – LAT 22º52’35,40”S LONG 043º 11’ 04,19”W;
5B – LAT 22º52’47,99”S LONG 043º 10’ 58,20”W;
5C – LAT 22º52’37,80”S LONG 043º 10’ 51,59”W;
5D – LAT 22º52’44,40”S LONG 043º 10’ 40,79”W;e
5E – LAT 22º52’36,11”S LONG 043º 10’ 33,60”W.

        Área NE-6 (Urca): Para navios com LOA até 80m, H até 5,20 m e no máximo um navio:
6 – LAT 22º56’30,84”S LONG 043º 10’ 02,70”W.

e) Canal que as Barcas deverão cumprir durante os Jogos Olímpicos RIO2016:

Coordenadas Geográficas do Trajeto Rio – Cocotá / Paquetá
Latitude
Longitude
WTP. Nº 01
22º 54′ 10″ S
043º 10′ 16.45″ W
WTP. Nº 08
22º 53′ 51″ S
043º 09′ 30″ W
WTP. Nº 09
22º 53′ 18.8″ S
043º 09′ 55.8″W
WTP. Nº 10
22º 52′ 48″ S
043º 09′ 50″ W
WTP. Nº 11
22º 52′ 19″ S
043º 09′ 27″ W
WTP. Nº 12
22º 52′ 09.6″ S
043º 09′ 27″ W
Coordenadas Geográficas do Trajeto Rio – Charitas
Latitude
Longitude
WPT. Nº 1
22º 54′ 10″ S
043º 10′ 16,45″ W
WPT. Nº 2
22º 53′ 45″ S
043º 09′ 14″ W
WPT. Nº 3
22º 53′ 39.6″ S
043º 08′ 37.2″ W
WPT. Nº 5
22º 54′ 38.4″ S
043º 08′ 15″ W
WPT. Nº 6
22º 55′ 4.8″ S
043º 07′ 3″ W
WPT. Nº 7
22º 55′ 45.6″ S
043º 05′ 55.2″ W
Coordenadas Geográficas do Trajeto Rio – Niterói
Latitude
Longitude
WPT. Nº 1
22º 54′ 7.2″ S
043º 10′ 18″ W
WPT. Nº 2
22º 53′ 43.2″ S
043º 09′ 13.2″ W
WPT. Nº 3
22º 53′ 39.6″ S
043º 08′ 37.2″ W
WPT. Nº 4
22º 53.60′ 36″ S
043º 07′ 29.4″ W
f) Desvio das Barcas para os Jogos Paralímpicos RIO2016:

Coordenadas Geográficas do Trajeto Rio – Charitas
Latitude
Longitude
WPT. Nº 1
22º 54′ 7.2” S
043º 10′ 18″ W
WPT. Nº 2
22º 54′ 14.58” S
043º 08′ 43.37″ W
WPT. Nº 3
22º 55′ 02.42” S
043º 07′ 50.15” W
WPT. Nº 4
22º 55′ 06.82” S
043º 07′ 04.30″ W
WPT. Nº 5
22º 55′ 46.35” S
043º 05′ 55.27” W
WPT. Nº 6
22º 55′ 45.6” S
043º 05′ 55.2” W

Dessa forma, temos a certeza que continuaremos contando com as mesmas atitudes colaborativas e alto nível de profissionalismo observados durante os eventos testes em 2014 e 2015, que possibilitaram o nível adequado de segurança da navegação e de ordenamento do espaço aquaviário, aspectos reconhecidos pela comunidade marítima internacional, pela organização desses eventos náuticos e pelos atletas que utilizaram as nossas águas nas atividades preparatórias para os JO e JPO Rio 2016.

Respeitosamente,

Gustavo Seco
Primeiro-Tenente (RM2-T)”

Ouro em Londres, Lijia Xu vence Sudeste de Laser no RJ

13241386_1107039179337397_5472392593178836138_n.jpg

Terminou neste domingo no Rio de Janeiro o Campeonato Sudeste Brasileiro da classe Laser. A competição foi dividida em três classes (Standard, Radial e 4.7) e contou com velejadores do Rio de Janeiro, São Paulo, Niterói, Bahia, Brasília, além dos estrangeiros da Espanha, China, Estados Unidos e Malásia.

O destaque ficou para a chinesa Lijia Xu, medalha de ouro em Londres 2012 na Radial, que também faturou o ouro na competição carioca. “Tivemos quatro dias muito bons de regata, com sol e vento bom. Pude aprender um pouco mais sobre a área de regatas da Olimpíada. Esta é a terceira vez que venho para o Brasil. É lindo, a paisagem é linda, adoro o pôr do sol, o reflexo do sol na água é maravilhoso.Para a olimpíada, acredito que a competição vai ser bem acirrada, acho que vai vencer quem tiver mais consistência. As raias são bem difíceis e podemos esperar de tudo”, disse ela.

Entre os homens da Standard, o título ficou com o espanhol Joel Rodriguez Perez. Na 4.7, o campeão foi Andrei Godoy.

Os resultados completos podem ser vistos abaixo:

Standard
Radial
4.7

 

 

Com apoio da Classe Laser SP​ 4ª etapa da Copa YCP reúne 26 laseres

13237728_1122620127760818_9073043016394040787_n

O final de semana foi recheado a emoções nas águas da raia 2 da represa de Guarapiranga com a disputa da 4ª etapa da Copa YCP. O destaque da etapa foi a classe laser, que, com o apoio e incentivo da Classe Laser SP, colocou 26 barcos na raia.

Na Laser Radial, o título ficou com Stephan Kunath, que se prepara para a disputa do Mundial Jr, que será disputado entre 22 e 30 de julho em Dun Laoghaire, na Irlanda. Na Laser 4.7, o vice-campeão Felipe Fonseca, recém chegado no laser 4.7, gostou da experiência de velejar com outros cinco barcos. Ele começou a velejar de laser há pouco tempo, quando teve que sair do Optimist. No Laser Standard, o títilo da etapa ficou com o lendário Peter Baumgart.

“Estou surpreso como temos conseguido reunir tantos barcos na Guarapiranga. Quando criamos a Classe Laser SP, a meta era chegar em 30 barcos na água e, sinceramente não achei que seria possível passar de 20. Pelo segundo final de semana consecutivo levamos 25 barcos para a água e isso mostra que estamos fazendo um trabalho bom de incentivo aos velejadores, que estamos no caminho certo. Quem sabe na próxima etapa, nos dias 11 e 12 de junho, a gente consegue juntar 30 barcos?”, disse Nicolas Garcia, coordenador da classe.

 

Melhor brasileiro no Mundial de Laser Standard, Scheidt é 10º

283505_604216_mens_standard_day_5_167_web_

Robert Scheidt segue entre os top 10 da Classe Laser. O esperado pódio não veio, mas figurar em 10º lugar em um Campeonato Mundial de alto nível e que reuniu 112 competidores mostra que o brasileiro segue no rumo certo para brigar pelo tricampeonato olímpico nos Jogos do Rio de Janeiro. Nesta quarta-feira (18), em Puerto Vallarta, no México, ele não conseguiu repetir a regularidade da fase classificatória e ficou em 31º e 28º nas duas últimas regatas na competição. “Foi um dia ruim, mas temos que saber aprender com os erros e levantar a cabeça. Tem Olimpíada daqui a três meses e agora é se preparar para velejar bem no Rio de Janeiro”, disse.

O britânico Nick Thompson confirmou o favoritismo e conquistou o título e o bicampeonato (ele venceu o Mundial de 2015, disputado em Kingston, no Canadá). Ele ganhou a medalha de ouro com 61 pontos perdidos, 12 pontos à frente do vice-campeão, o francês Jean-Baptiste Bernaz. O holandês Rutger Van Schaardenburg completou o pódio, surpreendendo os adversários com uma vitória e um terceiro lugar nesta quarta-feira para fechar a disputa com 88 pontos perdidos. Robert Scheidt encerrou sua participação do Campeonato Mundial com 127 pontos perdidos.

Scheidt lamentou o desempenho abaixo do esperado, mas, experiente, não se deixa abater e já mira o próximo e maior desafio da temporada 2016. “Infelizmente hoje (quarta-feira, 18) foi mais um dia difícil. Minha leitura do vento foi sempre errada. Eu fui mais pelo lado esquerdo na primeira regata e deu direito. Na segunda prova, voltei a tentar a esquerda e deu direita de novo. É uma pena, porque eu estava velejando com boa velocidade, mas pequei taticamente em algumas regatas aqui no México. No fim das contas, foi mais uma questão tática do que técnica. Agora é partir para um período de treinamento no Rio em junho e julho e me preparar para os Jogos”, afirmou o bicampeão olímpico, patrocinado pelo Banco do Brasil, Rolex, Deloitte e Audi, com os apoios de COB e CBVela.

Robert Scheidt chegou ao México em busca do 12º título mundial na Classe Laser. Logo na estreia sofreu uma bandeira preta por largar escapado. Porém, na segunda regata do primeiro dia, se recuperou para cruzar em primeiro lugar. Nos dias seguintes, o bicampeão olímpico se manteve entre os líderes e, com a possibilidade de descartar o resultado ruim, terminou a fase de classificação em terceiro lugar. Na etapa decisiva, com a flotilha de ouro, composta pelos 56 melhores velejadores desse Mundial, o brasileiro teve problemas com ventos fracos e irregulares, conseguindo um 25º e um 5º lugares na segunda-feira (16) e 22º e 14º na terça-feira (17). Com isso, foi para a água no último dia ocupando a 5º posição na classificação geral, mas em um dia ruim, fechou em 10º.

Além de Robert Scheidt, o Brasil tem mais um representante na flotilha ouro do Mundial. Bruno Fontes terminou em 28º, com 231 pontos perdidos. Na flotilha prata, Lucas de Bueno finalizou em 46º, com 516 pontos. A fase classificatória do Mundial reuniu 112 velejadores representando 48 países.

Classificação – após 14 regatas e 2 descartes
1- Nick Thompson (ING) – 61 pontos perdidos
2- Jean-Baptiste Bernaz (FRA) – 73 pp
3- Rutger Van Schaardenburg (HOL) – 88 pp
4- Matthew Wearn (AUS) – 90 pp
5- Marco Gallo (ITA) – 93 pp
6- Tom Burton (AUS) – 101 pp
7- Tonci Stipanovic (CRO) – 118 pp
8- Philipp Buhl (ALE) – 123 pp
9- Jesper Stalheim (SUE) – 123 pp
10- Robert Scheidt (BRA) – 127 pp
28- Bruno Fontes (BRA) – 231 pp

Olimpíada do Rio – A programação da temporada 2016 é composta por etapas. Depois do Mundial, o foco agora é o objetivo máximo do ano, a Olimpíada do Rio. O planejamento inclui, ainda, um período de treinamento no Brasil, entre 15 a 25 de junho. Depois, Robert retorna à capital carioca somente em 7 de julho, onde fará duas pequenas competições e entrará na reta final de preparação até o início dos Jogos.

Em 2016, ano de sua sexta Olimpíada, Scheidt soma dois títulos consecutivos. Após vencer, no começo de janeiro, o Brasileiro de Laser, no Rio de Janeiro, o velejador conquistou, no fim do mesmo mês, seu sexto título em Miami da Copa do Mundo de Vela. Mais recentemente, no início de abril, garantiu a prata no Troféu Princesa Sofia, em Palma de Mallorca na Espanha. Na carreira são 175 títulos – 86 internacionais e 89 nacionais – além de cinco medalhas olímpicas (duas de ouro, duas de prata e uma de bronze).

Fonte: Assessoria do velejador

Scheidt se mantém no top 3 do Mundial de Laser após dia mediano

Esta segunda-feira foi o primeiro dia da fase final do Mundial de Laser Standard, que está rolando em Puerto Vallarta, no México. Melhor brasileiro na competição, Robert Scheidt teve um 25º na primeira regata do dia, classificação que acabou entrando como o seu segundo descarte (o primeiro foi a bandeira preta na primeira regata do Mundial). O quinto lugar na segunda regata do dia o manteve na terceira colocação geral. O britânico Nick Thompson segue na liderança.

Bruno Fontes, que também está na flotilha ouro, com a metade melhor colocada dos velejadores, teve um dia ruim e caiu para a 27ª colocação.

Lucas Bueno teve seu melhor resultado em uma regata neste mundial, o 36º na primeira prova do dia. Ele aparece em 47º na flotilha prata. “Hoje o dia foi bem melhor. Estava longe no contra-vento da primeira regata com mais dois velejadores, porém o vento foi de 8 para 18 nós. Se não tivesse subido, teria chegado entre os 10”, disse ele.

O resultado completo pode ser visto aqui.

Scheidt assume a terceira posição no Mundial de Laser

Terminou neste domingo em Puerto Vallarta, nno México, a fase classificatória do Mundial de Laser Standard. A partir de agora a flotilha será dividida em ouro e prata, com os 57 melhores na primeira e os demais, na segunda. Robert Scheidt teve um dia melhor e subiu para a terceira colocação. Nick Thompson, da Inglaterra, segue na liderança. Bruno Fontes, que também ficou na flotilha ouro, teve um 26º na segunda regata, que entrou como seu descarte. Com isso, ele caiu para a 21ª colocação. Lucas Bueno, que ficou na prata, saiu novamente satisfeito da água e encerrou o dia na 106ª colocação.

O resultado completo pode ser visto aqui.