Às vésperas das Olimpíadas, Robert Scheidt vence Semana Internacional do Rio

Terminou na última segunda-feira no Iate Clube do Rio de Janeiro a segunda fase da Semana Internacional de Vela do Rio de Janeiro. Quatro classes estiveram na água, incluindo a Laser Standard, que teve Robert Scheidt como campeão, e a Finn, que viu Jorginho Zarif ficar com a prata.

A partir do dia 8 Robert estará nas águas da Guanabara para a disputa da sua sexta e última olimpíada e a SIVRio serviu como um treino, dando mais confiança para o atleta, que brigará pela sua sexta medalha. A classe Laser Standard contou com 34 inscritos, de 24 países e mesmo vencendo apenas uma das oito regatas, Scheidt abriu 24 pontos de vantagem sobre o canadense Lee Parkhill.

Já Jorginho chegou a liderar a competição, porém uma desclassificação por conta de uma bandeira preta na sétima regata fez com que ele caísse para a segunda colocação, encerrando com a prata. O ouro ficou com o neozelandês Joel Junior.

Na Nacra 17, Samuel Albrecht e Isabel Swan acabaram não completando ou não largando em duas das 11 regatas disputadas e encerraram a participação em 9º lugar. O título ficou com o time dinamarquês comandado por Allan Norregaard.

Já na Laser Radial, Annalise Murphy, quarto lugar em Londres 2012, foi a grande vencedora. Fernanda Decnop, que também não largou ou não terminou três das oito regatas, ficou com a nona colocação.

Desde esta terça-feira quem está na água é a turma do 470 masculino e feminino. A competição termina na sexta-feira, dia 22. O resultado completo pode ser visto aqui.

 

Mundial Master de Finn tem recorde de participantes

13178880_247347942293324_3311718542444718103_n

Mais de 350 velejadores, de 32 países, começam nesta segunda-feira em Torbole, na Itália, a disputa do Mundial Master de Finn. Este é o maior número de inscritos na história da competição. O último recorde havia sido de 273 velejadores, em 2015. O Brasil estará representado por Ricardo Carvalo, Ricardo Valerio e Paulo Pichetti na categoria Grand Master, para velejadores com idade entre 50 e 59 anos; Luis Mosquera na Master, com idade entre 40 e 49 anos; e Colin Reed, que vai competir na Legend, para quem tem mais de 70 anos.

Além dos brasileiros, muitos campeões olímpicos e campeões mundiais estão no Lago de Garda esperando ansiosos para o início da competição. Na regata treino deste domingo, o vento apareceu entre 14 e 18 nós, com sol, o que deixou o pessoal animado.

 

Finn: Zarif é 17º no Mundial da classe

Jorge Zarif_Crédito Robert_Deaves.jpg

O velejador Jorge Zarif encerrou nesta sexta-feira (dia 13) a sua participação no Campeonato Mundial da classe Finn, em Gaeta, na Itália. Classificado para disputar os Jogos Olímpicos pela segunda vez, ele terminou a competição na 17ª posição, com 120 pontos perdidos. O título mais uma vez ficou com o britânico Giles Scott, com 23 pontos perdidos. Foi a terceira conquista consecutiva do velejador, a quarta na carreira. A prata ficou com o dinamarquês Jonas Hogh-Christensen, com 40 pontos perdidos, e o bronze com o holandês Pieter-Jan Postma, com 62.

“Uma bandeira preta na terceira regata, em que tinha acabado em quarto, me atrapalhou. Depois de disputar cinco regatas da medalha seguidas, ficar fora (dos dez primeiros lugares) é um pouco frustrante, principalmente depois de começar bem o campeonato”, disse Zarif, campeão mundial em Tallinn, na Estônia, em 2013.

Na atual temporada, o velejador brasileiro vem acumulando resultados consistentes. Começou 2016 com a medalha de ouro na etapa de Miami (EUA) da Copa do Mundo da Federação Internacional de Vela (World Sailing). No Campeonato Europeu, em Barcelona (ESP), ficou em sétimo. No tradicional Troféu Princesa Sofia, em Palma de Mallorca (ESP), terminou em nono. E na etapa de Hyères (FRA) da Copa do Mundo fechou a disputa na sétima colocação.

O resultado completo pode ser visto aqui.

Mundial de Finn: Vento reaparece e três regatas são disputadas

lineup

Três regatas foram realizadas nesta quinta-feira em Gaeta, na Itália. Finalmente o vento pareceu querer colaborar e começou o dia na casa dos 15 nós, com rajadas que chegaram a 25 nós. Jorginho Zarif teve resultados medianos (10, 15 e 25) e subiu uma posição, terminando o dia em 18º. O líder é o britânico Giles Scott, que venceu as duas últimas regatas do dia.

Para esta sexta estão programadas a regata final e a medal race, regata com pontuação dobrada e que participam apenas os dez melhores colocados.

O resultado completo pode ser visto aqui.

 

Falta de vento atrapalha Mundial de Finn na Itália

Finn_Gold_Cup_2016_Day_3_Photo_Robert_Deaves-1-2.jpg

O Mundial de Finn segue complicado em Gaeta, na Itália. A competição começou com duas regatas no domingo, depois o vento fraco permitiu a realização de apenas uma regata na segunda e ontem, terça-feira, o vento não apareceu de jeito algum e nenhuma regata foi disputada. Nesta quarta-feira, no entanto, quem deu as caras foi a chuva. O vento até apareceu lá pelas 11h (horário local) variando entre 14 e 18 nós, mas bem na hora da largada ele caiu para 6 nós e, depois de duas horas esperando ele voltar, os velejadores foram mandados de volta para terra.

Meia hora mais tarde, de volta à água, apenas uma regata foi disputada. O alemão Phillip Kasueske assumiu a liderança e Jorginho Zarif ocupa a 29ª colocação, contando a bandeira preta que ele levou na terceira regata.

Com quatro dias de competições apenas quatro regatas foram disputadas. Se o vento permitir, para esta quinta-feira estão programadas mais três regatas.

 

 

Zarif tem boa estreia no Mundial de Finn

Começou neste domingo em Gaeta, na Itália, a edição 2016 da Finn Gold Cup, ou o Mundial da classe Finn. Único representante brasileiro na competição, Jorginho Zarif estreou na quinta colocação dentre 73 competidores após duas regatas.  O dia foi marcado por ventos fracos e rondados, que não passaram da casa dos 10 nós.

Neste segundo dia, mais uma vez o vento esteve fraco, o que permitiu a realização de apenas uma regata. Zarif escapou e foi desclassificado. A segunda regata acabou sendo cancelada.

Os resultados completos podem ser vistos aqui.

 

Finn Gold Cup deverá ter disputa acirrada com brasileiro favorito ao título

Finn

Começa nesta sexta-feira em Gaeta, na Itália, a Finn Gold Cup, o campeonato mundial da classe Finn, com cinco dias de regatas, entre 8 e 13 de maio. E a disputa pelo título promete ser acirrada, uma vez que quatro velejadores diferentes venceram os quatro maiores eventos da classe até agora no ano.

O primeiro da lista foi Jorginho Zarif, que venceu a Copa do Mundo de Miami. Pieter-Jan Postma (NED) venceu o Europeu em Barcelona, Josh Junior (NZL) Venceu a Copa do Mundo em Palma e Jake LiIley (AUS) venceu a etapa francesa da Copa do Mundo em Hyères.

Jorginho será o representante brasileiro nas Olimpíadas e tem em seu currículo os títulos do Mundial e do Mundial Jr conquistados em 2013. O mundial deste ano dará a ele um bom parâmetro do que encontrará nas águas cariocas em agosto.

 

 

Meninas do Brasil conquistam duas pratas em Hyères

13123268_10154303507060757_9060415577084694762_o

A Equipe Brasileira de Vela conquistou duas medalhas de prata na última competição antes dos Jogos Olímpicos Rio 2016 em que o time esteve reunido. Neste domingo (dia 1º), Fernanda Oliveira e Ana Luiza Barbachan, na 470 feminina, e Martine Grael e Kahena Kunze, na 49erFX, garantiram o lugar no pódio após a disputa das regatas da medalha na tradicional etapa de Hyères (França) da Copa do Mundo da Federação Internacional de Vela (ISAF). Dos 15 velejadores brasileiros classificados para o maior evento esportivo do planeta, 12 competiram na cidade francesa.

Com o resultado em Hyères, a Equipe Brasileira de Vela agora soma 39 medalhas em etapas da Copa do Mundo desde o início do circuito, em 2009. São 19 de ouro, 11 de prata e nove de bronze.

Campeãs em Hyères em 2013 e 2015, Fernanda e Ana ficaram com a prata após o segundo lugar na regata da medalha. Elas encerraram a competição com 42 pontos perdidos, apenas um ponto atrás das campeãs, as britânicas Hannah Mills e Saskia Clark. As francesas Camille Lecointre e Hélène Defrance ficaram com o bronze, também com 42 pontos perdidos, mas perderam o segundo lugar para as brasileiras por terem chegado atrás na regata da medalha.

“Encerramos as competições internacionais este ano muito felizes, pois conseguimos ir ao pódio em cinco dos seis campeonatos que disputamos. Fizemos o nosso melhor nestes quatro meses e agora partimos para os ajustes finais para os Jogos Olímpicos do Rio”, afirmou Fernanda, dona de uma medalha olímpica de bronze em Pequim-2008, na classe 470 feminina ao lado de Isabel Swan.

Martine e Kahena repetiram a prata do ano passado. Campeãs em Hyères em 2014, as brasileiras ficaram em oitavo na regata da medalha, terminando na segunda posição geral com 74 pontos perdidos, apenas dois pontos atrás das campeãs, as suecas Lisa Ericson e Hanna Klinga. O bronze foi para as dinamarquesas Jena Mai Hansen e Katja Salskov-Iversen, com 75.

A Equipe Brasileira de Vela ainda disputou mais três regatas da medalha neste domingo. Jorge Zarif, na Finn, chegou em sexto, encerrando sua participação na sétima posição no geral, com 55 pontos perdidos. O campeão foi o australiano Jake Lilley, com 42.

Na RS:X feminina, Patricia Freitas chegou em quinto na regata da medalha, terminando a competição em oitavo, com 116 pontos perdidos. O ouro ficou com a polonesa Zofia Noceti-Klepacka, com 39. Na Nacra 17, Samuel Albrecht e Isabel Swan ficaram em nono na regata final, repetindo a colocação no geral, com 136 pontos perdidos. Os campeões foram os espanhóis Fernando Echávarri e Tara Pacheco van Rijnsoeve, com 77.

Não disputaram a regata da medalha Marco Grael e Gabriel Borges, que terminaram a 49er em 13º, com 153.20 pontos perdidos; Ricardo Winicki, o Bimba, que ficou em 14º na RS:X masculina, com 118 pontos perdidos; Fernanda Decnop, 28ª colocada na Laser Radial, com 159 pontos perdidos; e Bruna Martinelli, que terminou em 40ª na RS:X feminina, com 293 pontos perdidos.

Bicampeão olímpico, Robert Scheidt optou por não disputar a etapa de Hyères para focar na preparação para o Mundial de Laser, entre os dias 12 e 18 de maio, no México. Na 470 masculina, Henrique Haddad e Bruno Bethlem também não competiram. A dupla preferiu ficar no Rio de Janeiro treinando na Baía de Guanabara, palco da vela nos Jogos Olímpicos.