Volvo Ocean Race: Dongfeng vence Fastnet Race entre os VO65

m45411_13-00-170808-dfg-jrl-00368.jpg

Uma batalha épica. Assim foi a Fastnet Race entre as sete equipes que disputarão a próxima edição da Volvo Ocean Race. Depois de 600 milhas náuticas, o Dongfeng venceu a regata com apenas 56 segundos de vantagem sobre o Mapfre, segundo colocado. O Akzo Nobel, de Martine Grael e Joca Signorini, ficou na quarta colocação, 14 minutos atrás dos vencedores.

Ainda em Cowes, largada do Dongfeng e do Mapfre foi melhor que a dos outros barcos e os dois permaneceram juntos, no visual um do outro, até o final. A regata faz parte da Leg Zero, uma série de quatro provas que não conta ponto para a Volvo Ocean Race, mas que tem extrema importância para que a flotilha possa testar seus barcos e tripulantes e conhecer seus adversários.

Resultados:

1. Dongfeng Race Team: 2 dias 15 horas 38 minutos 10 segundos
2. MAPFRE: 2 dias 15 horas 39 minutos 06 segundos
3. Team Brunel: 2 dias 15 horas 45 minutos 47 segundos
4. team AkzoNobel: 2 dias 15 horas 52 minutos 40 segundos
5. Vestas 11th Hour Racing: 2 dias 16 horas 09 minutos 11 segundos
6. Sun Hung Kai/Scallywag: 2 dias 16 horas 13 minutos 53 segundos
7. Turn the Tide on Plastic: 2 dias 16 horas 17 minutos 32 segundos

Nesta quinta-feira a flotilha parte de Plymouth para Saind-Malo, na França, na disputa da terceira perna da Leg Zero. No sábado haverá uma regata pro-am e a partida para Lisboa na última perna da competição. A largada da VOR será dada em Alicante no dia 22 de outubro.

Terceiro colocado na Vendée Globe, Jeremie Beyou disputará a Volvo Ocean Race

m44497_13-00-170304-dfg-bns-don170304-138.jpg

O francês Jeremie Beyou está acostumado a dar a volta ao mundo a vela. Ele acaba de ser terceiro colocado na Vendée Globe, já venceu três edições da Solitaire du Figaro, sempre sozinho a bordo do seu Open 60 Maitre Coq. Agora, no entanto o desafio será diferente: a volta ao mundo será muito parecida, porém em um barco tripulado.

Beyou fará parte da tripulação do Dongfeng, que corre com bandeira chinesa, e terá como companheiros de equipe o também francês Charles Caudrelier e os neozelandeses Stu Banatyne e Daryl Wislang.

“Terei que me acostumar a fazer parte de uma equipe. Será um desafio muito interessante. Temos grandes expectativas por um bom resultado na regata, uma vez que temos todo o necessário para irmos bem. O Dongfeng é um time interessante, pois tem pessoas de diferentes idades, nacionalidades e backgrounds: velejadores solitários, de monotipos e veteranos da VOR. O espírito a bordo é ótimo e um ajuda o outro”, disse ele.

 

Dongfeng é o primeiro time a receber o barco da Volvo Ocean Race

 

m44228_13-00-170125-dfg-els-00010.jpg

Faltando 10 meses para a largada da próxima edição da Volvo Ocean Race, as equipes começam a receber os barcos que foram reformados da última edição. O primeiro foi o Dongfeng Race Team, que faz a sua segunda campanha na competição.

“Para nós esta foi a melhor marca que atingimos até agora. Foram 15 semanas desde que o Dongfeng nos deu barco para reforma e o prazo para entrega acabava hoje”, disse Neil Cox, responsável pelo programa de reformas do estaleiro da VOR, sediado em Lisboa. “Tivemos três dias de testes na água após três meses e meio de trabalho, o que resultou em mais de 3.500 horas trabalhadas e cerca de 35 pessoas envolvidas”, completou.

A equipe que disputará a regata sob a bandeira chinesa ainda está sendo montada. “Estamos buscando pessoas que sejam competitivas, determinadas ao sucesso e que queiram abraçar a nossa causa”, disse Charles Caudrelier, skipper do barco, que já adianta que o time será novamente um misto de chineses e ocidentais, além de mulheres, como determina a nova regra da regata.