Com vento de volta à represa, Alex Veeren segue liderando o Brasileiro de Standard

dsc_0356

O vento finalmente voltou à Represa de Guarapiranga, onde acontece o 43º Campeonato Brasileiro de Laser, e a Comissão de Regatas realizou mais duas regatas para as classes Laser Standard e 4.7. Mesmo com as disputas, o dia ainda foi marcado por muita espera por causa do vento fraco que diminuiu bastante de intensidade no fim da segunda regata fazendo os velejadores de Laser Standard sofrerem para completar a prova.

A primeira regata largou pouco depois do meio-dia e Antonio Rosa, do Jangadeiros, venceu a regata na Laser Standard; na 4.7, Nicolas Bernal, do Yacht Club de Santo Amaro, sede do campeonato, foi o primeiro a cruzar a linha de chegada. A CR só conseguiu fazer a largada da segunda regata às 17h30 e, Philipp Grochtmann, do Veleiros do Sul, foi o primeiro na Standard, enquanto Andrey Godoy, venceu na 4.7.

A súmula da Laser Standard mudou pouco com os resultados das regatas de hoje e Alex Veeren, do Iate Clube de Santa Catarina, continua na liderança com 13 pontos perdidos, seguido por João Pedro de Oliveira, do Iate Clube do Rio de Janeiro, com 15 pontos perdidos. “Espero que o vento contribua para pelo menos uma regata amanhã. Se eu fizer uma boa prova ainda tenho chances de conquistar o título. Agora só depende de mim”, comenta João Pedro, segundo colocado na disputa do Laser Standard. A disputa também deve ser acirrada pelo terceiro lugar, apenas um ponto separam Philipp Grochtmann (3º) e Felipe Echenique (4º). Ricardo Bittencourt (5º) também tem chances de subir ao pódio. Continuar lendo “Com vento de volta à represa, Alex Veeren segue liderando o Brasileiro de Standard”

Falta de vento cancela mais uma vez as regatas do Brasileiro de Standard e 4.7

img_2984

Sem vento, sem regatas. Esta frase está sendo repetida quase que como um mantra entre os velejadores da classe Laser que disputam o Campeonato Brasileiro de Standard e 4.7 no Yacht Club Santo Amaro, na Guarapiranga, em São Paulo. Pelo segundo dia consecutivo o vento, protagonista da competição, não apareceu e os velejadores ficaram ‘de castigo’ em terra. Às 13h30, a Comissão de Regatas até chegou a baixar a bandeira Recon, que sinaliza o atraso nas provas, mas minutos depois a forte chuva acabou com o vento. O cancelamento das regatas foi confirmado no fim da tarde e, com a notícia, o programa está atrasado em quatro regatas.

“Por um lado, a espera está sendo boa para que eu consiga descansar, pois vim direto de Vitória para cá e não tive nenhum dia bom de velejada ainda, mas por outro, estou bastante ansioso para competir na classe e testar o barco. Com certeza, se eu pudesse escolher, estaria velejando neste momento”, disse Nicolas Bernal, de apenas 14 anos, que venceu, no último final de semana, o Campeonato Brasileiro de Optimist, disputado em Vitória, ES.

E para passar o tempo, cada um inventa uma coisa. Teve gente que jogou pingue-pongue, baralho, colocou o papo em dia e, na hora que a chuva deu uma trégua, os mais experientes aproveitaram para batizar novamente os que participam da competição pela primeira vez.

“O batizado é um evento tradicional da vela brasileira. Todas as classes têm. No Laser existe o batizado da classe e o batizado entre as flotilhas. A classe aproveita um dia sem vento no Brasileiro para fazer atividades como cabo de guerra, campeonato de barrigada na água, pintar a unha e a cara, jogar ovo, etc. É como um trote de faculdade para receber os novatos e descontrair”, disse Juliétty Tesch, que sempre está à frente da organização destas atividades.

Para esta quinta-feira estavam programadas três regatas, as duas do dia, mais uma que ficou em atraso da quarta-feira, quando não houve disputa por falta de vento. Com quatro regatas em atraso, a previsão é de que três sejam realizadas nesta sexta e mais três no sábado. Para que o campeonato seja válido, quatro regatas têm de ser realizadas. Até o momento foram feitas apenas duas.

Entenda a classe 

A classe Laser é dividida em três, Radial, 4.7 e Standard. Todas têm o mesmo casco, porém as velas possuem tamanho diferente. A 4.7 é a menor de todas, com 4,70m² de área, perfeita para um velejador que pese entre 45 e 60 kg. Já a Standard é a maior de todas, com 7m² de área, o que exige um velejador com peso maior, entre 78 e 85 kg. É a classe olímpica para homens.

O 43º Campeonato Brasileiro da Classe Laser é organizado pelo Yacht Club Santo Amaro e pela Classe Laser SP, tem a chancela da CBVela e da Fevesp e conta com o apoio da Vcat, Notícias Náuticas e Sailstation.

Programação do 43º Brasileiro de Laser:  

Laser Standard e 4.7:  

16/01 – Confirmação de inscrição / credenciamento / medição.

17/01 a 21/01 – REGATAS

Site oficial: http://laser2017.sailstation.com/

Fanpage oficial: https://www.facebook.com/BrasileiroDeLaser

Sobre o Yacht Club Santo Amaro:  

O YCSA, como é conhecido o Yacht Club Santo Amaro, foi fundado em 1930 às margens da Guarapiranga por velejadores alemães. Ao longo destes mais de 80 anos de história, revelou grandes nomes do iatismo nacional, como Robert Scheidt, Alex Welter, Cláudio Biekarck, Reinaldo Conrad, Peter Ficker, Gunar Ficker e Marcelo Batista. No seu quadro de medalhas estão diversos títulos mundiais, pan-americanos, sul-americanos e, claro olímpicos.

Confira os melhores classificados após duas regatas:

Laser Standard

1º Alex Veeren, 5 pontos perdidos

2º João Pedro de Oliveira, 5 pp

3º Stephan Kunath, 8 pp

4º Felipe Echenique, 10 pp

5º Phillipp Grochtmann, 13 pp

Laser 4.7

1º Andrey Godoy, 3 pontos perdidos

2º Pedro Bomeisel, 5 pp

3º Luiz Otavio Correia, 8 pp

4º João Pedro Frimm, 10 pp

5º Tiago Monteiro, 12 pp

Falta de vento cancela regatas dos Brasileiros de Standard e 4.7

dsc_0291

Se o primeiro dia dos Campeonatos Brasileiros de Laser Standard e 4.7, que está sendo disputado no Yacht Clube Santo Amaro até o próximo dia 21, foi puxado por conta do vento forte, o segundo foi exatamente o oposto. Apesar da previsão do tempo indicar ventos de 9 a 20 nós, ele demorou muito a aparecer e fez com o que os velejadores passassem o dia no clube à espera de uma possível regata.

Às 16h30 a Comissão de Regatas baixou a bandeira Recon, que indica o atraso nas competições, mandando os 75 velejadores (45 do Standard e 30 do 4.7) para a raia 2 da Guarapiranga, debaixo de chuva. Após uma hora, a CR tentou dar a largada, porém acabou desistindo e as regatas do dia foram canceladas.

“Ficar esperando para velejar faz parte do jogo. Aí cada velejador passa o tempo à sua maneira. Tem uns que gostam de jogar baralho, pingue-pongue, outros ouvem música ou vêm conversar com a gente. Em um dia como hoje, em que tentamos fazer ao menos uma regata, existe muita coisa em jogo. Às vezes um velejador é penalizado por algum motivo e acaba levando esta punição para a regata seguinte, então é importante sempre estar focado”, disse Walter Boddener, da Comissão de Protestos, que foi gerente de esportes da vela na Rio 2016.

Os velejadores mais velhos aproveitaram a folga para batizar os novatos, que participam do Brasileiro pela primeira vez, uma tradição em todas as categorias da vela brasileira. “Sempre fazemos brincadeiras com os mais novos nos dias em que não há regata. É uma forma carinhosa de receber estes velejadores e integrá-los com os mais experientes”, disse Nicolas Garcia, presidente da Associação Brasileira da Classe Laser (ABCL).

A previsão é de que três regatas sejam realizadas nesta quinta-feira e outras três na sexta, para compensar as duas que ficaram em atraso. “Precisamos esperar passar esta instabilidade do tempo para que as condições melhorem. Amanhã o vento deve vir um pouco mais forte, de quadrante sul, que é o mais tradicional da represa”, disse Fabio Pillar, técnico dos velejadores do YCSA e campeão mundial de Laser Radial em 2006.

Entenda a classe 

A classe Laser é dividida em três, Radial, 4.7 e Standard. Todas têm o mesmo casco, porém as velas possuem tamanho diferente. A 4.7 é a menor de todas, com 4,70m² de área, perfeita para um velejador que pese entre 45 e 60 kg. Já a Standard é a maior de todas, com 7m² de área, o que exige um velejador com peso maior, entre 78 e 85 kg. É a classe olímpica para homens.

O 43º Campeonato Brasileiro da Classe Laser é organizado pelo Yacht Club Santo Amaro e pela Classe Laser SP, tem a chancela da CBVela e da Fevesp e conta com o apoio da Vcat, Notícias Náuticas e Sailstation.

Programação do 43º Brasileiro de Laser:  

Laser Standard e 4.7:  

16/01 – Confirmação de inscrição / credenciamento / medição.

17/01 a 21/01 – REGATAS

Site oficial: http://laser2017.sailstation.com/

Fanpage oficial: https://www.facebook.com/BrasileiroDeLaser

Sobre o Yacht Club Santo Amaro:  

O YCSA, como é conhecido o Yacht Club Santo Amaro, foi fundado em 1930 às margens da Guarapiranga por velejadores alemães. Ao longo destes mais de 80 anos de história, revelou grandes nomes do iatismo nacional, como Robert Scheidt, Alex Welter, Cláudio Biekarck, Reinaldo Conrad, Peter Ficker, Gunar Ficker e Marcelo Batista. No seu quadro de medalhas estão diversos títulos mundiais, pan-americanos, sul-americanos e, claro olímpicos.

Confira os melhores classificados após duas regatas:

Laser Standard

1º Alex Veeren, 5 pontos perdidos

2º João Pedro de Oliveira, 5 pp

3º Stephan Kunath, 8 pp

4º Felipe Echenique, 10 pp

5º Phillipp Grochtmann, 13 pp

Laser 4.7

1º Andrey Godoy, 3 pontos perdidos

2º Pedro Bomeisel, 5 pp

3º Luiz Otávio Correia, 8 pp

4º João Pedro Frimm, 10 pp

5º Tiago Monteiro, 12 pp

Alex Veeren e Pedro Bomeisel lideram os Brasileiros de Standard e 4.7

 

O 43º Campeonato Brasileiro de Laser Standard e 4.7 teve seu primeiro dia de disputas válidas marcado por chuva frava e vento forte na represa de Guarapiranga, zona sul da capital paulista. Os velejadores sofreram para terminar as duas regatas desta terça-feia, dia 17, devido às rajadas que chegaram a mais de 20 nós. Diversos barcos viraram nas manobras e perderam importantes posições, como foi o caso de Stephan Kunath, do Yacht Club Santo Amaro, sede da competição, que virou bem na chegada da primeira regata terminando em 3ºlugar. “Cometi um erro técnico na chegada da primeira regata e acabei perdendo duas posições. Na segunda velejei melhor e soube aproveitar bem as rajadas, mas ainda sim venci a regata por muito pouco. Tirando meu erro, estou feliz com o meu desempenho e gostei bastante de velejar no vento forte”, conta Stephan.

Alex Veeren, de Florianópolis, venceu a primeira regata e terminou a segunda na 4ª posição. Com esses resultados, o atleta do Iate de Santa Catarina lidera a classe Standard com 5 pontos perdidos, empatado com João Pedro de Oliveira, do Iate Clube do Rio de Janeiro. “Apesar de não gostar tanto de vento forte, na represa acabo preferindo essas condições. Tive mais facilidade na primeira regata porque conseguia ver melhor de onde vinham as rajadas e isso ajudou me desempenho. Já na segunda regata, a raia tinha muito buracos de vento e acabei me perdendo um pouco”, comenta Alex Veeren.  Continuar lendo “Alex Veeren e Pedro Bomeisel lideram os Brasileiros de Standard e 4.7”

Chuva e raios cancelam regata de abertura do Brasileiro de Laser STD e 4.7

Começaram nesta segunda-feira no Yacht Club Santo Amaro, na Guarapiranga, em São Paulo, os Campeonatos Brasileiros de Laser Standard e 4.7. Cerca de cem velejadores, de seis estados participam da competição, que segue até o próximo sábado, 21.

Neste primeiro dia estava programada a regata de abertura. Os velejadores das duas classes foram para a água e largarm, porém a chuva forte que chegou com muitos raios fez com que a Comissão de Regatas cancelasse a prova e mandasse todos os velejadores em segurança para terra. A regata de abertura é tradicão nos campeonatos brasileiros, porém, reza a lenda que quem cruza a linha de chegada não vai bem na competição.

“Eu não termino uma regata de abertura nem que esteja ganhando”, disse Alex Saldanha, que foi técnico de Robert Scheidt neste último ciclo olímpico. Aos 46 anos o atleta carioca volta a competir na classe após 16 anos afastado. “Meu objetivo é completar as regatas”, disse ele, que está em plena forma e aproveitou o dia para treinar e reconhecer a raia.

A partir desta terça-feira estão programadas duas regatas por dia, com largada sempre às 13h. Caso alguma regata não possa ser realizada, ela fica automaticamente agendada para o dia seguinte.

“A diferença deste Brasileiro para o de Radial, é que agora são duas classes competindo, o que dificulta um pouquinho o gerenciamento, pois são duas largadas. Como a velocidade dos barcos também é diferente, precisamos pensar bem em como fazer a chegada para os 4.7, que são menores”, disse Claudio Buckup, chefe da Comissão de Regatas.

Entenda a classe 

A classe Laser é dividida em três, Radial, 4.7 e Standard. Todas têm o mesmo casco, porém as velas possuem tamanho diferente. A 4.7 é a menor de todas, com 4,70m² de área, perfeita para um velejador que pese entre 45 e 60 kg. Já a Standard é a maior de todas, com 7m² de área, o que exige um velejador com peso maior, entre 78 e 85 kg. É a classe olímpica para homens.

O 43º Campeonato Brasileiro da Classe Laser é organizado pelo Yacht Club Santo Amaro e pela Classe Laser SP, tem a chancela da CBVela e da Fevesp e conta com o apoio da Vcat, Notícias Náuticas e Sailstation.

Programação do 43º Brasileiro de Laser:  

Laser Standard e 4.7:  

16/01 – Confirmação de inscrição / credenciamento / medição.

17/01 a 21/01 – REGATAS

Site oficial: http://laser2017.sailstation.com/

Fanpage oficial: https://www.facebook.com/BrasileiroDeLaser

Sobre o Yacht Club Santo Amaro:  

O YCSA, como é conhecido o Yacht Club Santo Amaro, foi fundado em 1930 às margens da Guarapiranga por velejadores alemães. Ao longo destes mais de 80 anos de história, revelou grandes nomes do iatismo nacional, como Robert Scheidt, Alex Welter, Cláudio Biekarck, Reinaldo Conrad, Peter Ficker, Gunar Ficker e Marcelo Batista. No seu quadro de medalhas estão diversos títulos mundiais, pan-americanos, sul-americanos e, claro olímpicos.

Martin Lowy e Gabriella Kidd são campeões brasileiros de Laser Radial

O domingo na Guarapiranga, sede do 43º Campeonato Brasileiro da classe Laser, foi nublado e com vento fraco. A previsão do tempo acertou mais uma vez e, com isso, os velejadores tiveram que esperar em terra por mais de duas horas até serem liberados pela Comissão de Regata para irem para a raia 2, por volta das 14h30. Das duas regatas que estavam programadas para o dia apenas uma foi realizada, com vento variando entre nove e 12 nós.

Martin Lowy, que levou o título do campeonato com duas regatas de antecipação, venceu também a última regata da série somando dois quartos lugares, dois segundos e cinco primeiros.

“O campeonato foi excelente desde o começo. A organização está de parabéns. O vento ajudou, permitindo a realização de nove das dez regatas programadas. Eventos como este são legais não só para a vela como para a cidade como um todo. Tem muita gente de São Paulo que não conhece a Guarapiranga e que está perto, poderia aproveitar mais. Com gente vindo de todo o lugar do Brasil, a represa passa a figurar como um bom lugar para se velejar”, disse Martin, que se prepara agora para o Brasileiro de Standard, para velejadores um pouco mais pesados. “Não tenho o peso ideal, mas corri o Paulista e vi que dá pra levar, é só fazer um pouco mais de força.” Continuar lendo “Martin Lowy e Gabriella Kidd são campeões brasileiros de Laser Radial”

Martin Lowy é bicampeão brasileiro de Laser Radial por antecipação

Perfeição. Assim foi o dia do paulista Martin Lowy no 43º Campeonato Brasileiro de Laser que está sendo disputado no Yacht Clube Santo Amaro, na represa de Guarapiranga, zona sul da capital paulista. O velejador, que é atleta do clube, venceu as duas regatas do dia e não precisará velejar neste domingo para confirmar o segundo título seguido na classe.

“Fazia tempo que não tinha um dia tão bom quanto este. Tentei fazer as coisas direitinho, como largar bem e tentar acertar as primeiras rajadas. A sensação de ganhar um Brasileiro em casa é indescritível. Já velejei muito aqui na represa e é muito bom finalizar o camépnato com este resultado, ainda mais com tanta gente boa prestigiando a competição”, disse Martin.

O dia foi marcado por muita espera. A previsão do tempo indicava vento muito fraco, insuficiente para a realização das regatas, porém às 16 horas a Comissão de Regatas baixou a bandeira Recon, que sinaliza o retardamento da competição, e uma hora mais tarde deu a largada da primeira regata do dia, com vento entre 10 e 14 nós. A segunda regata começou às 18h30 com vento um pouco mais fraco. Continuar lendo “Martin Lowy é bicampeão brasileiro de Laser Radial por antecipação”

Martin Lowy amplia liderança no Brasileiro de Laser Radial

Parecia que os velejadores da Laser Radial que correm o 43º Campeonato Brasileiro de Laser enfrentariam um dia de calmaria com regatas de vento fraco, mas o fim da tarde reservou uma boa supresa e os ventos finalmente sopraram na represa de Guarapiranga, na capital paulista, variando de 8 a 12 nós. O dia demorou para começar e os velejadores só foram para a água depois das 14 horas com o vento ainda fraco, mas em condições de regata. João Emilio Vasconcellos venceu a primeira disputa e terminou o dia na terceira colocação. Já a segunda regata, com um pouco mais de vento, a francesa Marie Bolou sobrou na raia e venceu com ampla vantagem.

A terceira regata foi vencida por Martin Lowy que, agora, fincou o pé na liderança com 11 pontos perdidos, 12  a menos que o Antonio Rosa, segundo colocado , do Clube dos Jangadeiros. “Conhecer a raia foi essencial para velejar nos ventos fracos de hoje. Acertar os bordos, também foi importante. Acho que daria para arriscar mais, porém os adversários são muito bons e meu foco é defender o título”, comentou Martin Lowy, atleta do Yacht Clube Santo Amaro, sede do evento.

Já entre as mulheres, a melhor do dia foi Gabriella Kidd, do Iate Clube do Rio de Janeiro. Ela tirou um sexto lugar na última regata e, com isso, arrebatou a liderança da categoria feminina. “Este campeonato está sendo imprevísivel e muito dificil, estou apredendo a ficar mais calma e concentrada. Entendi que não posso velejar muito pelo meio da raia, é necessário escolher um lado. Com vento mais fraco o nível entre os velejadores é muito parecido, por isso estou danto o máximo no vento mais forte para ganhar vantagem, mas o crucial mesmo é largar bem”, conta a veleajdora de apenas 19 anos.

O 43º Campeonato Brasileiro de Laser continua neste sábado, dia 14, com mais duas regatas programadas para o dia. A largada da primeira regata será às 13h.  Continuar lendo “Martin Lowy amplia liderança no Brasileiro de Laser Radial”

Paulistano Martin Lowy lidera 43º Campeonato Brasileiro de Laser da classe Radial

imagem_release_846033.jpg

Ao contrário de ontem, que os velejadores enfrentaram ventos fracos e insconstantes, o tempo mudou favorecendo a realização das três primeiras regatas válidas para o 43º Campeonato Brasileiro de Laser que acontece, pela primeira vez, na Capital Paulista. O dia começou com tempo fechado e chuva fraca e o vento começou a entrar na raia antes do meio-dia fazendo os velejadores irem para a água cedo. Às 13h foi dado o tiro de largada da primeira regata e ventos de 10 nós encheram as velas dos mais de 60 atletas que participam da competição.

Destaque para Martin Lowy, velejador do YCSA e atual campeão brasileiro de Laser Radial, que venceu a última regata do dia – após velejar muito bem e com muitos adversários em sua popa – e ficou em 4º e 3º lugares na primeira e segunda regata, respectivamente. “O vento foi bem típico da represa, muito rondado, a diferença foi velejar aqui com tantos barcos na raia. A regata ficou mais técnica e, consequentemente, mais difícil, mas consegui velejar muito bem e fazer ótimos resultados”, comenta o velajdor que lidera a competição após as três primeiras regatas.

Entre as mulheres, Odile Ginaid, lidera com 23 pontos. Ela obteve bons resultados (14º, 4º e 5º) ficando na quarta colocação geral. A velejadora reclamou das plantas flutuantes que se prenderam no leme e afetaram seu desempenho na primeira regata. Apesar de não impedirem as regatas do dia, as plantas flutuantes continuam incomodando os velejadores da competição.

O 43º Campeonato Brasileiro de Laser continua nesta sexta-feira 13 com mais três regatas programadas para o dia. A largada da primeira regata será às 13h. Para conferir os resultados completos clique aqui.

Entenda a classe 

A classe Laser é dividida em três, Radial, 4.7 e Standard, com mesmo casco, o que muda é o tamanho das velas. A Radial usa vela de 5.76 m² e para os velejadores participarem de uma competição oficial precisam pesar até 65 quilos. Apesar de ser o barco olímpico oficial para as mulheres da classe Laser, o barco admite tanto homens como mulheres nas demais competições.

O 43º Campeonato Brasileiro da Classe Laser é organizado pelo Yacht Club Santo Amaro e pela Classe Laser SP, tem a chancela da CBVela e da Fevesp e conta com o apoio da Vcat, Notícias Náuticas e Sailstation.  

Programação do 43º Brasileiro de Laser:  

Laser Radial:  

09/01 e 10/01 – Confirmação de inscrição / credenciamento / medição.  

11/01 a 15/01 – REGATAS  

Laser Standard e 4.7:  

16/01 – Confirmação de inscrição / credenciamento / medição.  

17/01 a 21/01 – REGATAS  

Sobre o Yacht Club Santo Amaro:  

O YCSA, como é conhecido o Yacht Club Santo Amaro, foi fundado em 1930 às margens da Guarapiranga por velejadores alemães. Ao longo destes mais de 80 anos de história, revelou grandes nomes do iatismo nacional, como Robert Scheidt, Alex Welter, Cláudio Biekarck, Reinaldo Conrad, Peter FickerGunar Ficker e Marcelo Batista. No seu quadro de medalhas estão diversos títulos mundiais, pan-americanos, sul-americanos e, claro olímpicos.   

 

Sol e vento rondado marcam segundo dia do 43º Campeonato Brasileiro de Laser

bralaserday1_3
Cerca de 60 barcos participaram da regata de abertura da competição

A tradicional regata de abertura do 43º Campeonato Brasileiro de Laser contou com a participação de cerca de 60 atletas que enfeitaram a raia da Represa de Guarapiranga com suas velas radiais. A corrida não conta pontos para o campeonato e serve de aquecimentos para os atletas que começam a disputa para valer amanhã, dia 11. A represa presenteou os velejadores com ventos que variaram entre 5 e 8 nós e sol entre muitas nuvens. Ir para a água foi um alívio para os competidores que estão enfrentando altas temperaturas na Capital Paulista.

Por não contar pontos, muitos velejadores largaram, mas não chegaram a completar o percurso. Não cruzar a linha também faz parte da superstição de que o vencedor da regata de abertura não ganha o campeonato. Caso da francesa Marie Bolou, que está Brasil para estudar e aproveitou o ano de transição para velejar por aqui. Marie vai disputar a Semana de Miami, mas não perdeu a oportunidade de correr o Brasileiro antes da viagem. “Gosto da represa porque os ventos são mais fracos e consigo relaxar mais no barco”, conta a velejadora que mora no Rio de Janeiro e vai fazer campanha olímpica na classe Laser Radial.

O dia também foi marcado pela cerimônia oficial de abertura da competição que teve a presença de todos os velejadores da classe Laser Radial. Antes do Hino Nacional e o hasteamento das bandeiras, os atletas e organizadores prestaram uma bonita homenagem, com um minuto de silêncio, ao velejador mineiro Pedro Basílio, ativo na classe ele perdeu a vida em um acidente de carro no ano passado.

Com o pontapé inicial dado nesta terça-feira de sol, calor e vento na Represa de Guarapiranga, o organizador da competição Nicolas Garcia, que estava na raia competindo, exaltou a oportunidade de reunir todos os velejadores antes das regatas oficiais. “Foi uma regata muito divertida, fiquei muito satisfeito e feliz em ver tantos barcos na represa”, comentou.

Entenda a classe

A classe Laser é dividida em três, Radial, 4.7 e Standard, com mesmo casco, o que muda é o tamanho das velas. A Radial usa vela de 5.76 m² e para os velejadores participarem de uma competição oficial precisam pesar até 65 quilos. Apesar de ser o barco olímpico oficial para as mulheres da classe Laser, o barco admite tanto homens como mulheres nas demais competições.

O 43º Campeonato Brasileiro da Classe Laser é organizado pelo Yacht Club Santo Amaro e pela Classe Laser SP, tem a chancela da CBVela e da Fevesp e conta com o apoio da Vcat, Notícias Náuticas e Sailstation.

Programação do 43º Brasileiro de Laser: 

Laser Radial: 

09/01 e 10/01 – Confirmação de inscrição / credenciamento / medição.

11/01 a 15/01 – REGATAS

Laser Standard e 4.7: 

16/01 – Confirmação de inscrição / credenciamento / medição.

17/01 a 21/01 – REGATAS

Site oficial: http://laser2017.sailstation.com/

Fanpage oficial: https://www.facebook.com/BrasileiroDeLaser

Sobre o Yacht Club Santo Amaro: 

O YCSA, como é conhecido o Yacht Club Santo Amaro, foi fundado em 1930 às margens da Guarapiranga por velejadores alemães. Ao longo destes mais de 80 anos de história, revelou grandes nomes do iatismo nacional, como Robert Scheidt, Alex Welter, Cláudio Biekarck, Reinaldo Conrad, Peter Ficker, Gunar Ficker e Marcelo Batista. No seu quadro de medalhas estão diversos títulos mundiais, pan-americanos, sul-americanos e, claro olímpicos.