Armel Le Cleac’h está a 60 milhas de uma vitória história da Vendée Globe

Apenas 60 milhas separam o francês Armel Le Cleac’h da linha de chegada da Vendée Globe em Les Sables d’Olonne. A previsão é que ele termine as 23 mil milhas da circum-navegação do globo às 13h30, horário de Brasília. A chegada pode ser acompanhada ao vivo aqui. http://bit.ly/2k4g1Dr

Nas últimas 24 horas ele conseguiu aumentar a vantagem sobre Alex Thompson, segundo colocado. Na tarde desta quarta-feira a distância entre eles era de apenas 35 milhas e agora passa das 100. Se tudo der certo, esta será a primeira vitória de Le Cleac’h na competição, após dois segundos lugares consecutivos.

 

Trinta e quatro milhas separam os líderes da Vendée Globe no Sprint final

unnamed (19).jpg

A Vendée Globe, regata de volta ao mundo em solitário, sem paradas e sem assistência está quase chegando ao fim. Menos de 300 milhas separam Armel Le Cleac’h da vitória, após dois segundos lugares consecutivos. Porém, como a regata só acaba quando termina, isso pode mudar. Alex Thompson, segundo colocado, está a apenas 34 milhas de Le Cleac’h, metade da distância de ontem.

“Não sei se consigo pegar o Armel. A rota está clara, vamos passar perto da Sicília, esperar pela rondada da esquerda e cambar. Não existe muita opção para mim. Acho que minhas opções acabaram. Posso até diminuir algumas milhas, mas está difícil para mim”, disse Thompson, que revelou estar com problema nos instrumentos há alguns dias, inclusive no piloto automático.

“No momento estou tentando me segurar na liderança, mas as últimas 24 horas serão muito difíceis, pois tenho que ser bem cuidadoso uma vez que existem muitos perigos na região. Temos vistos muitos pescadores e navios cargueiros desde ontem”, disse Le Cleac’h, que está sem dormir há mais de um dia.

Quando os velejadores chegarem na marca de 100 milhas para a chegada, o tracking da regata será atualizado de hora em hora e não mais de quatro em quatro horas, como é agora. Para acompanhar tudo, clique aqui.

Apenas 69 milhas separam os líderes da Vendée Globe a um dia da chegada

unnamed (18).jpg

Apenas 62 milhas separam os dois primeiros colocados da Vendée Globe, faltando pouco menos de 500 milhas par aa chegada. Armel Le Cleach’ lidera a competição desde o dia 5 de dezembro, mas o inglês Alex Thompson não quer deixar barato e segue buscando a vitória. Há dois dias ele bateu o recorde de singradura, fazendo nada menos que 536,8 milhas em 24 horas, o que dá uma média de 22,4 nós.

A tensão vai ser o combustível noturno para a dupla, que está sendo esperada em Les Sables d’Olonne, na França, nesta quarta-feira. Thompson espera ser o primeiro britânico a vencer a competição, enquanto Le Cleac’h espera vencer após dois segundos lugares consecutivos. Tudo pode acontecer nestas últimas milhas, visto a edição 2004/05, quando o britânico Mike Golding perdeu a quilha – e a liderança – a 50 milhas da chegada, terminando na terceira colocação. Façam suas apostas.

Para acompanhar o tracking da regata, clique aqui.

 

Flotilha da Vendée Globe começa a cruzar o Cabo Horn

Hugo Boss, skipper Alex Thomson (GBR) at start of the Vendee Globe, in Les Sables d'Olonne, France, on November 6th, 2016 - Photo Jean-Marie Liot / DPPI / Vendee GlobeHugo Boss, skipper Alex Thomson (GBR) au départ du Vendée Globe, aux Sables d'Olonne l

Armel Le Cleac’h e Alex Thompson já estão navegando no Atlântico. Os dois cruzaram o Cabo Horn e seguem o rumo de volta para casa. O primeiro a passar pelo temido cabo foi Le Cleac’h, na sexta-feira. O mar estava pouco agitado e com o início da subida do Atlântico ele conseguiu abrir mais de 400 milhas de vantagem sobre Alex.

Já para Thompson a coisa não foi assim tão fácil. Primeiro velejador na história da competição a cruzar o Cabo Hon no dia do natal, ele enfrentou rajadas de até 50 nós, mas pôde passar a 1.5 de terra, o que deu a ele um bom motivo para celebrar a data. “Comi o bolo de natal entre uma rajada e outra”, disse ele.

Já no Atlântico, ele está velejando um pouco mais rápido que Le Cleac’h, o que significa que a distância entre eles começou a diminuir.

Para acompanhar a regata em tempo real, clique aqui.

Sistema de alta pressão diminui a velocidade dos líderes da Vendée Globe

Trinta e sete dias já se passaram e tanto Armel Le Cleac’h, quanto Alex Thomson seguem abrindo vantagem na liderança da Vendée Globe. Quase 1400 milhas separam o líder Le Cleac’h do terceiro colocado Paul Meilhat, o que não quer dizer que a vida no front esteja fácil. Os dois passaram por um sistema de alta pressão que diminuiu a velocidade dos barcos a quase 0. Como Le Cleac’h conseguiu acelerar antes, a vantagem dele para Thompson quase que dobrou e na manhã desta terça-feira está em 188 milhas. Pouco mais de 800 milhas separam o líder do temido Cabo Horn.

Enquanto isso, Yann Elies, Jean-Pierre Dick e Jean Le Camestão fugindo de um sistema de baixa pressão, que pode ocasionar ventos de até 55 nós. Dick informou sua equipe que seguirá para o norte e cruzará o estreito de Bass para evitar a tempestade.

Para ver o tracking da regata, clique aqui.

Disputa pela liderança da Vendée Globe segue acirrada; Thompson reassume a ponta

phoca_thumb_l_2mm7k2m8hxne.jpg

Depois de 25 dias no mar, você pensa que a flotilha da Vendée Globe está espalhada, cada um na sua rota, tentando completar a volta ao mundo o mais rápido possível. Pois não é bem assim. A briga pela liderança segue acirrada e, depois de quatro dias em segundo lugar, o inglês Alex Thomson reassumiu a liderança da competição. Tanto ele quanto Armel Le Cleac’h seguem velejando muito rápido e deverão quebrar o recorde da regata. Os dois estão separados por apenas 14 milhas. Já Seb Josse, terceiro colocado, está a mais de 560 milhas de distância da dupla. Para acompanhar o tracking da regata, clique aqui.

Veleiro Hugo Boss é encontrado na Patagônia após 10 anos

Uma expedição de caiaque pela Patagônia encontrou no último dia 31 o veleiro Hugos Boss, de Alex Thomson. O Open 60, usado pelo skipper britânico durante a Velux 5 Oceans de 2006, teve problemas na quilha e capotou a aproximadamente mil milhas ao sul da África do Sul. Na ocasião, o barco navegava com três rizos na mestra e Thomson brigava pela liderança da competição com Mike Golding. Thomson acabou deixando o barco e foi resgatado justamente por Golding, que, por ser o barco mais próximo, deu meia volta e salvou o companheiro de competição (eles sempre foram rivais e não se davam tão bem assim). O barco derivou por cerca de 20 mil milhas até chegar na Patagônia, cruzando os oceanos Índico e Pacífico ao sul de países como Indonésia, Austrália e Nova Zelândia.

Abaixo, um vídeo do salvamento de Thomson.