Brasileiros são vice-campeões mundiais máster de Lightining

23659411_1592389937493404_7686817299922073_n.jpg

O time formado por Klaus Biekarck, Gunnar Ficker e Marcelo Silva não para de conquistar títulos pelo mundo na classe Lightining. Desta vez os velejadores do YCSA levaram a prata no mundial Master, realizado em Salinas, no Equador com apenas um ponto de diferença. O título ficou com os americanos Ched Proctor, Meredith Killion e Todd Wake. Participaram da competição 23 tripulações de sete países. Confira os resultados.

 

Pódio de másters e junior no Paulsita de Radial

23800058_1633093386747666_2537958212273961234_o.jpg

O Paulista de Radial terminou neste domingo no YCSA após quatro dias de regata. O final de semana foi de vento médio a forte, chegando aos 18 nós no sábado, bastante rondado. No final, após oito regatas, Iago Wately, que é pré-master, ficou com o título, seguido por Carlos Eduardo Wanderley, da categoria máster, em segundo e Nicolas Bernal, que acaba de sair do Optimist, em terceiro.

Confira a súmula completa.

Foto: Volnys Bernal

 

Vela Master: em sua coluna, Manfred Kaufmann Jr fala sobre motivação

Na coluna do Fips desta semana o assunto é Motivação. E aí, o que te motiva?

“Extraído de artigo de Tami Eggleston, PhD da Universidade McKendree em Lebanon, IL, EUA. Ela é consultora para Psicologia aplicada ao esporte.

Às vezes, a maioria dos atletas vivencia períodos com baixa motivação. Para alguns pode significar não treinar. Para outros pode chegar ao ponto de perder interesse nas disputas em geral.Qualquer que seja o caso, há maneiras de sair dessa situação e achar motivação para treinar e competir.

“Habilidade é o que se é capaz de fazer. Motivação determina o que se faz. Atitude determina o quão bem se faz.” – Lou Holtz, jogador, técnico e comentarista de futebol americano

Existem dois tipos de motivação – extrínseca e intrínseca.

Atletas com motivação extrínseca são movidos por fatores externos, como fama, dinheiro ou desafios colocados por outras pessoas. Motivação intrínseca vem ‘de dentro’.Que tipo de motivação um atleta deve buscar para chegar ao próximo nível?

Especialistas acreditam que a motivação intrínseca impulsiona mais fortemente. Essa situação seria a de um atleta que desempenha essencialmente em função de sentimentos internos de conquista, satisfação, desafio, competição ou simplesmente porque amam o esporte.

Muitos atletas competem pelos dois tipos de razões, mas, de acordo com Eggleston, fatores intrínsecos superam os extrínsecos. Um atleta que compete apenas por fama e/ou fortuna está mais propenso a desviar-se porque a preparação para a competição não traz glória. Um atleta motivado pelo amor ao esporte terá mais sucesso porque pode orgulhar-se de pequenas conquistas como um bom treino ou melhorando técnicas.

Alguns podem pensar que fatores externos podem aumentar fatores internos, mas pesquisas sugerem que o oposto é a realidade. Fato é que, para manter-se motivado como atleta, o foco deve estar nos fatores intrínsecos.Seguem abaixo algumas estratégias que podem ajudar.

1.Pelo amor ao esporte

Nada resolve um treino físico sem entusiasmo do que lembrar as razões por estar na academia em primeiro lugar. Todo atleta tem dias ruins; para superá-los, pense sobre as razões que o levam a amar o esporte. Recordar aquelas experiências em seu esporte que o fazem sorrir.

2.Varie suas atividades

Praticar os mesmos exercícios e treinar da mesma forma todos os dias pode solapar sua motivação. Então, misture as coisas, tente treinamentos diferentes que o tirem da academia. Faça seus treinamentos em outros locais ou dê um tempo de seu esporte e pratique outra modalidade em termos recreativos com seus amigos.

3.Divirta-se

O que quer que faça, não se esqueça que esporte é divertimento.

4.Evite comparações

Cada um é cada um. Não se estresse depois de um dia ruim ou porque seus concorrentes foram melhor. Trabalhe constantemente para melhorar, focando nas competências e nos próprios desafios.

5.Vença

Sim, mais fácil dito do que feito. Exatamente porque vencer é tão difícil, é a derradeira fonte de motivação. Nada faz um atleta sentir-se melhor que uma conquista muito disputada. Mas considere também as pequenas conquistas, como desenvolver boa técnica ou obter melhores resultados em situações mais difíceis. Encare isso como vitórias para manter-se motivado em direção ao seu objetivo principal.

Eggleston afirma, “Sucesso verdadeiro é medido por competir consistentemente e permanecer motivado ao longo dos anos”. Uma disputa ou evento não faz ou quebra um atleta.

Bons ventos!

Manfred Kaufmann Jr.”

Mundial Master de Laser encerra com dois brasileiros no top 10

DUJ_4818.jpg

O Mundial Master de Laser terminou no último sábado com bons resultados para os brasileiros. Guilherme Roth foi o melhor colocado, em 4º entre os Aprendizes da classe Standard. Na mesma classe, Alexis Ward ficou com o 12º lugar e Alvaro Bastos com o 13º.

Na Standard Grand Master, classe com o maior número de inscritos, 68 no total, Alcir Cachapuz encerrou sua participação na 56ª colocação.

Na Radial Master, Luiz Evangelista foi o 6º colocado, com Fabio Ramos em 11º.

Na Radial Great Grand Master, Helio Araujo ficou em 23o geral dentre 62 inscritos.

Para ver os resultados completos, clique aqui.

Brasil aparece em top 10 em duas classes do Mundial Master de Laser

22135601_707998512728976_1245819229526930099_o.jpg

Com seis regatas realizadas até agora no Mundial Master de Laser, o Brasil se destaca na categoria Aprendiz da classe Standard, com Guilherme Roth, que aparece em 4º lugar. Na mesma classe, Alvaro Bastos e Alexis Kneipp aparecem em 12º e 13º respectivamente, dentre 15 competidores.

Na Standard Grand Master, a maior flotilha com brasileiro competindo, com 68 inscritos, Alcir Cachapuz aparece em 52º após cinco regatas.

Já na Radial Master, Luiz Evangelista é o 6º colocado, enquanto Fabio Ramos é o 10º, dentre 37 barcos após seis regatas.

Na Radial Great Grand Máster, Helio Araujo aparece em 27º dentre 62 inscritos, com cinco regatas disputadas.

Confira os resultados completos em: http://bit.ly/2xxwM4g

 

 

 

 

Após dois dias sem vento, Mundial Master de Laser começa na Croácia

21951094_706562876205873_6100641825328363234_o.jpg

Depois de dois dias de muita espera, finalmente o vento entrou em Split, na Croácia, e os velejadores puderam disputar as duas primeiras regatas do Mundial Master de Laser.

Na classe Standard Aprendiz Guilherme Roth estreou na quarta colocação, com Alexis Kneip em 11º e Alvaro Bastos em 14º. O líder é o polonês Maciej Grabowski.

Na Standard Grand Master, Alcir Cachapuz aparece em 59º. O líder é o canadense Alan Clark.

Na Radial Master, Luiz Evangelista é o melhor brasileiro, na 5ª colocação. Fabio Ramos aparece em 9º. O líder é o italiano Alessio Marinelli.

Os resultados completos podem ser vistos aqui: http://bit.ly/2xxwM4g

Vela Master Brasil: Brasileiros disputam Mundial Master de Laser

De 21 a 30 de setembro rola o Mundial Master de Laser em Split, Croácia. O time brasileiro participa do campeonato com 7 velejadores com credenciais para fazer bonito. Tradicionalmente, velejadores Master do Brasil tem obtido bons resultados nos Mundiais da categoria. O pioneiro no Mundial Master foi Guilherme Raulino em 1988. Seguiram-se inúmeras participações com resultados relevantes:

STD

Nelson Ilha / 3º AM 1994
Marcelo Fuchs / 3º AM 1997

Radial

Nem Wanderley / 3º AM 2015, Campeão M 2009, Vice-campeão M 2011, Campeão M 2016
João Ramos / 3º M 2009, Vice-campeão M 2010, Vice-campeão M 2013, 3º M 2014, 3º M 2015
Marcelo Fuchs / 3º M 2011
Marcia Pellicano / Campeã M fem 2016

O time brasileiro participa do campeonato com 7 velejadores com credenciais para fazer bonito.

 Alvaro Bastos / CNC / AM – Aprendiz Master / STD
Campeão Centrosulamericano STD AM 2013
Vice-campeão Centrosulamericano STD AM 2015

Alcir Cachapuz / CNC / GM – Grand Master / STD
Campeão Centrosulamericano Radial GM 2008, Radial GM 2009, STD GM 2013

Alexis Ward / CNC / AM / STD 

Guilherme Roth / VDS / AM / STD
Vice-campeão Mundial AM STD 2016
Campeão Sulamericano AM STD 2017

Fabio Suyama Ramos / ICSC-VI / M – Master / Radial
Vice-campeão Mundial Radial AM 2013
5º lugar Camp. Mundial Radial AM 216
Campeão Brasileiro Radial AM 2015
Vice-campeão Brasileiro Radial AM 2014
3º lugar Camp. Brasileiro Radial AM 2016

Helio Araujo / ICRJ / GGM – Great Grand Master / Radial
7º lugar GM 2005 e mais 4 participações no Mundial Master

Luis André Castro / CNC / Grand Master / Radial
3º lugar Camp. Mundial Radial GM 2016
Campeão Centrosulamericano Radial M 2010, M 2011, M 2012, M 2014, M 2015, GM 2016 e GM 2017
Vice-campeão Centrosulamericano Radial M 2013

Ficamos na torcida e bons ventos!

Manfred Kaufmann Jr.

Participe das discussões sobre Vela Master no Brasil!
FB ( https://www.facebook.com/groups/velamasterbrasil/ )
WhatsApp (https://chat.whatsapp.com/BEoKnvk9BYlDAXgmTXM7vL )
Google Groups (https://groups.google.com/d/forum/velamasterbrasil )

Vela Master: Por que razão competimos ou voltamos a competir? Por Manfred Kaufmann Jr

Observa-se que os eventos Master em diversas modalidades multiplicam-se e ocupam atualmente um lugar de destaque no cenário esportivo.

A categoria Master veio para prolongar a vida esportiva de atletas competitivos, possibilitando a participação em disputas de alto nível entre atletas que gostam do desafio competitivo, tendo o benefício da prática esportiva, bem como da camaradagem e convívio social. Continuar lendo “Vela Master: Por que razão competimos ou voltamos a competir? Por Manfred Kaufmann Jr”

Parceria Notícias Náuticas e Vela Master Brasil: Manfred Kauffmann Jr é nosso novo colunista

13501785_10202015511786599_3207090041226791134_n.jpg

Seguindo o objetivo do Notícias Náuticas, que visa divulgar a vela brasileira, fechamos uma parceria com a Vela Master Brasil, um grupo com ideia original de Manfred Kaufmann Jr., o Fips, velejador de Laser da Guarapiranga, que também será nosso colunista, claro, falando sobre o esporte para os mais experientes. A cada quinze dias ele trará as novidades, dicas, calendário e muito mais para quem já passou dos 35 anos mas que, assim como nós, ama velejar.

Confira abaixo a primeira coluna:

“Observa-se que os eventos Master em diversas modalidades multiplicam-se e ocupam atualmente um lugar de destaque no cenário esportivo.

A categoria Master veio para prolongar a vida esportiva de atletas competitivos, possibilitando a participação em disputas de alto nível entre atletas que gostam do desafio competitivo, tendo o benefício da prática esportiva, bem como da camaradagem e convívio social.

Pude testemunhar recentemente como o esporte Master e a vela Master em particular estão sendo desenvolvidos no exterior. Participei dos World Masters Games 2017 (WMG) realizados em Auckland, Nova Zelândia em abril passado. Trata-se de uma Olimpíada Master que teve, nesta edição, a participação de 25.000 atletas em 28 modalidades. A título de comparação, a Rio 2016 teve aproximadamente 12.000 atletas. O World Masters Games acontecem a cada quatro anos e a próxima edição será no Japão em 2021. Em 2020 acontecerão os Panamerican Masters Games no Rio.

A vela nos WMG 2017 foi disputada em três classes: Laser STD, Laser Radial e Weta. A classe Weta é um trimarã com 4,5 m, mestra+buja+assimétrico e mastreação de carbono (http://www.wetamarine.com/the-boat/ ). Havia mais de 200 velejadores(as) na classe Laser, divididos em 4 flotilhas, duas de STD (AM+M e GM+GGM) e duas de Radial (AM+M, masc. e fem. e GM+GGM+75+, masc. e fem.). Tive a oportunidade de reencontrar diversos concorrentes da época em que inicialmente me dediquei à classe Laser e constatei que levam a disputa Master muito a sério! Muitos não pararam de velejar de Laser desde aquela época.

Existem atualmente duas associações Master regularmente constituídas em nível nacional: natação e atletismo. Há também o Comitê Brasileiro de Esporte Master (CBEM). Acreditamos que a vela Master no Brasil é expressiva e crescerá ainda mais se concentrarmos os esforços para atender os anseios dos velejadores Master no âmbito de um grupo/associação nacional. Divulgamos a iniciativa junto aos velejadores Master das classes Laser, Snipe, Finn e Star, que têm uma boa representatividade dentro da vela no Brasil e que contemplam categorias Master nos respectivos regulamentos. A receptividade da ideia foi excelente!

O objetivo do grupo será fomentar e desenvolver a vela Master no Brasil, cadastrando os participantes, organizando eventos com características próprias, buscando apoio das respectivas associações de classe, da CBVela, das federações estaduais e dos clubes, bem como reconhecendo as atividades de seus membros. O grupo está planejando criar um circuito brasileiro de eventos Master em 2018.

Já foram criados grupos no FB (https://www.facebook.com/groups/velamasterbrasil/ ), no WhatsApp (https://chat.whatsapp.com/BEoKnvk9BYlDAXgmTXM7vL ) e no Google Groups (https://groups.google.com/d/forum/velamasterbrasil ). Participe!

Abraço,

Manfred Kaufmann Jr.”

Foto: Luhan Grolla