Jorge Zarif e Guilherme Almeida são campeões mundiais de Star

A vela brasileira está mais uma vez no topo do pódio. Jorge Zarif e Guilherme de Almeida conquistaram neste sábado, dia 13, em Oxford, nos Estados Unidos, o Campeonato Mundial da classe Star, uma das mais tradicionais e importantes do mundo. Ao fim de seis regatas disputadas ao longo da última semana, a dupla de velejadores terminou com apenas 14 pontos perdidos. 

Elvind Mellby e Joshua Revkin, campeões em 2017, ficaram com a prata, representando a Noruega (19 p.p.). E o brasileiro Arthur Lopes, velejando ao lado do americano Paul Cayard, levou a medalha de bronze (24 p.p.). Também representaram o Brasil Pedro Trouche, que velejou na proa do americano Thomas Hornos, terminando na 7ª colocação, e Bruno Prada, na proa de Augie Diaz, terminando em 13º. Continuar lendo “Jorge Zarif e Guilherme Almeida são campeões mundiais de Star”

Jorge Zarif estreia em segundo no Mundial de Star

43666361_1952060051522638_2160840678462980096_o

Depois de três dias em terra por falta de vento, finalmente as 60 duplas que disputam o Mundial de Star puderam velejar em Maryland, nos EUA. Duas regatas foram realizadas e a dupla brasileira Jorge Zarif /  Guilherme Almeida aparece na segunda colocação. Arthur Lopes, que corre na proa de Paul Cayard, está em segundo.

Na segunda regata do dia, Jorginho e Guilherme chegaram a liderar até o último popa, mas acabaram na terceira colocação. Com o segundo lugar na primeira regata, somam cinco pontos, três a mais que os líderes Eividin Melleby e Joshua Revkin.

Também representam o Brasil no Mundial Bruno Prada, que veleja na proa de Augie Diaz, na 9ª colocação, e Pedro Trouche, que veleja na proa de Thomas Hornos, na 15ª colocação.

Os resultados completos podem ser vistos aqui.

Em 5º na Optimist, Miguel Moura é o melhor brasileiro na SV Buenos Aires

Miguel Moura Machado_Semana de Vela Buenos Aires.jpg

Após dois finais de semana e seis regatas disputadas a Semana de Vela de Buenos Aires, na Argentina, foi encerrada neste domingo, 30, e o velejador do Iate Clube do Espírito Santo, Miguel Machado, de 12 anos, segue escrevendo seu nome na vela brasileira.  O atleta garantiu o 5º lugar geral na competição e foi o brasileiro melhor colocado.

Com 250 velejadores na raia, o capixaba mostrou que pode representar bem o Brasil em competições internacionais. “Fiquei com a sensação de dever cumprido, por ter conseguido ótimos resultados e ser o brasileiro melhor colocado.  A competição foi muito boa, produtiva, e importante para me fortalecer, foi uma experiencia diferente, onde ganhei minha primeira regata internacional. Mesmo já tendo competido fora do Brasil, com atletas de vários países, lá o clima era mais frio, as condições eram diferentes. É gratificante ver que meu esforço com os treinos, faz com que eu esteja evoluindo e possa seguir alcançando meu objetivo que é melhorar sempre”, comenta o velejador. Continuar lendo “Em 5º na Optimist, Miguel Moura é o melhor brasileiro na SV Buenos Aires”

Velejador da Golden Globe Race é resgatado por navio francês

pic

O velejador solitário Abhilash Tomy foi resgatado pelo Osiris, navio pesqueiro francês, nesta segunda-feira a aproximadamente 1900 milhas de Perth, na costa Australiana. O indiano ocupava a terceira colocação da Golden Globe Race, regata de volta ao mundo sem parada e sem assistência, quando foi pego por uma tempestade com ventos de mais de 70 nós e ondas de 15 metros e o mastro do seu veleiro Thuriya veio a baixo. Ele acabou machucando a coluna e aguardou o resgate imóvel em seu beliche, conseguindo apenas enviar mensagens para o HQ da competição informando que não conseguia mexer os pés e nem se alimentar.

A noventa milhas do seu barco, o companheiro de competição Gregor McGuckin também viu o mastro do Hanley Energy Endurance vir a baixo na mesma tempestade, mas teve mais sorte e sofreu apenas pequenos ferimentos. Ele veleja a 3 nós por hora com mastreação de fortuna rumo à ilha Amsterdã. O mesmo navio que resgatou Tomy deverá fazer o seu resgate e vai levar os dois para a ilha, onde eles receberão os primeiros auxílios médicos.

Dos 18 velejadores que largaram em Les Sables d’Olonne, sete desistiram, incluindo o francês Antoine Cousot, que aportou no Rio de Janeiro no início do mês.

Acompanhe o tracking da regata aqui

 

 

Brasileiros são 49º no Mundial de J/24

40275217_2030990576958238_5944800114273943552_o.jpg

Entre os dias 27 e 31 de agosto o lago de Garda, na Itália, foi a sede do Mundial de J/24. Participaram da competição 89 equipes, de 14 países e o Brasil foi representado pela equipe Ginga, de Renato Catallini. Após dez regatas, os vencedores foram os americanos do Kaster, comandados por Will Welles. Os brasileiros ficaram com a 49ª colocação.

Resultados completos aqui.

Velejador da Golden Globe Race desiste aporta no Rio de Janeiro

Após pouco mais de 60 dias no mar, o velejador solitário francês Antoine Cousot, que participava Golden Globe Race 2018 (prova de volta ao mundo em solitário sem paradas), aportou no Rio de Janeiro no último sábado (1/9) após desistir da regata. A largada foi dada em Les Sables D´Olone, na França, no dia 1 de julho, com 18 participantes e apenas 12 seguem velejando. Esta regata em solitário é uma edição comemorativa dos 50 anos da primeira regata volta ao mundo em solitário non stop que aconteceu em 1968, a The Sunday Times Golden Globe Race, cujo o único velejador a terminá-la foi o Sir Robin Knox Johnston.

Cousot desistiu da regata quando estava a cerca de 100 milhas a nordeste da Ilha de Trindade, no meio do oceano Atlântico Sul. Quando ainda estava no Hemisfério Norte, próximo à costa portuguesa, ele machucou o ombro durante uma manobra com o balão, mas optou por seguir velejando. Já no Hemisfério Sul, ele torceu o pé, e, após consultar a equipe médica da regata, acabou desistindo da competição, uma vez que não seria fácil enfrentar os mares do sul nestas condições. O velejador foi recebido fora da baia da Guanabara por Gustavo Pacheco, que tinha planos de disputar a regata, porém foi obrigado a desistir por falta de patrocínio.

Dos 12 barcos que seguem na disputa, metade da flotilha já veleja no paralelo 40º sul entrando no Oceano Índico. O francês Jean-Luc Van Dee Heede lidera a regata com uma grande vantagem de 600 milhas para o segundo colocado, o holandes  Mark Slats.

Texto e fotos por Gustavo Pacheco.

Brasil tem cinco representantes no Mundial de Optimist

40316851_1271592372978157_6380226677586264064_o.jpg

Começou nesta segunda-feira em Limassol, no Chipre, o Mundial de Optimist. O Brasil tem cinco representantes: Leonardo e Mathias Crespo, Bernardo Martins, Erick Carpes e Lorenzo Correa. Nestes dois primeiros dias os 264 velejadores estão ocupados com a medição e com a cerimônia de abertura. As regatas começam para valer nesta quarta-feira.

Foto: Matias Capizzano

Puerto Portals Sailing Week começa com participação brasileira

A Puerto Portals 52 Super Series Sailing Week começou nesta segunda-feira em Maiorca, na Espanha, com a participação da equipe Onda, comandada por Eduardo Souza Ramos. O time, que tem Robert Scheidt como tático, aparece na nona colocação, empatado com o Gadiator, da Inglaterra, e com o Sled, dos EUA. Nesta segunda, o vento não apareceu e até o momento duas regatas foram disputadas, das três estão programadas para esta terça-feira.  A competição segue até o dia 25.

Para acompanhar as regatas ao vivo, clique aqui.

Brasileiras são quarto no Mundial Feminino de Snipe

Mundial Fem Snipe Juliana Duque e Marina Anrdt chegaram em Newport, nos Estados Unidos, como favoritas ao título do Mundial Feminino de Snipe. Juliana ganhou a última edição ao lado de Amanda Sento Sé. Porém, apesar de terem vencido três das nove regatas disputadas, um DSQ e um OCS tiraram a dupla da briga pelo pódio, terminando na quarta colocação. As vencedoras foram as americanas Carol Cronin e Kim Couranz. A outra dupla brasileira, Paola Prada e Georgia Bruder, terminou na 28ª colocação dentre 32 duplas.

Os resultados completos estão aqui.

Brasileiros levam ouro e prata no Europeu de Star

Terminou neste domingo em Flensburger, na Alemanha, o Europeu da classe Star. E mais uma vez o Brasil fez bonito, levando a medalha de ouro com Bruno Prada, que velejou na proa do americano Augie Diaz, e a medalha de prata com Lars Grael e Samuel Gonçalves.

Além de ser uma competição muito acirrada e que contou com cinco campeões mundiais na raia dentre as 71 duplas de 17 países, o clima deixou tudo ainda mais difícil. Na segunda noite de competição uma forte ventania causou um fenômeno climático que fez com que a água do ‘fiorde’ onde fica o clube recuasse, deixando muitos barcos atolados na lama. No sábado, penúltimo dia de regatas, o vento entrou com tanta força, com quase 40 nós, e a CR não cancelou a regata, causando quebras de mastro e deixando muitas velas destruídas.

“O título foi decidido numa disputa acirrada com a dupla Augie Diaz / Bruno Pradaaté a linha de chegada da última regata. Por bico de proa, eles passaram a dupla do atual campeão mundial Eivind Melleby e Guilherme Almeida cruzando em 5º. Nós viemos do outro lado e tivemos que dar água para ambos. Perdemos no critério de desempate. Faz parte e o Vice-título foi um ótimo resultado”, disse Lars.

Os resultados podem ser vistos aqui: http://bit.ly/2ARXJT5