Scheidt/Lopes vencem o Sul-Americano de Star no Rio de Janeiro

350286_842093_robert3_web_

Robert Scheidt é campeão sul-americano da classe Star 2018. E foi com emoção. Em parceria com o proeiro Arthur Lopes, o bicampeão olímpico venceu a primeira regata deste domingo (11), no Iate Clube do Rio de Janeiro, para, na sequência, cruzar em segundo na última prova da competição. Com isso, saiu do quarto lugar na classificação geral, com 20 pontos perdidos, para a liderança, com 14, após os descartes. Contudo, a dupla Lars Grael/Samuel Gonçalves obteve os mesmos resultados no último dia da competição, mas invertidos – segundo e primeiro lugares – e chegou a mesma pontuação. O título foi decidido apenas no terceiro critério de desempate. Estavam iguais em número de vitórias (duas) e segundos lugares (um). A terceira posição obtida no sábado (10), deu a taça a Scheidt/Lopes.

“Foi um domingo bom no Rio de Janeiro, com vento forte e sol. Honestamente, para mim é inacreditável conquistar esse título. Começamos o dia distantes do primeiro lugar e eu acreditava mais na possibilidade de um pódio. Mas foi um dia bem velejado. Estou feliz e  surpreso por virar o jogo nas últimas regatas. E foi a primeira vitória importante com o Arthur Lopes. Havíamos ganho o Campeonato Paulista, mas vencer o Sul-Americano é importante para a gente”, comentou o maior medalhista olímpico do Brasil, com cinco pódios, e que tem patrocínio do Banco do Brasil e Rolex e apoio do COB e CBVela. Continuar lendo “Scheidt/Lopes vencem o Sul-Americano de Star no Rio de Janeiro”

Sul-Americano de Star começa nesta quarta no Rio de Janeiro

349916_840416_sslfinals_cb17_85055_web_ (1).jpg

O Iate Clube do Rio de Janeiro vai ser a sede, a partir desta quarta-feira, do Sul-Americano da classe Star. Está prevista para este primeiro dia apenas a cerimônia de abertura, com regatas valendo pontos na quinta-feira (8). Grandes nomes da vela brasileira e internacional, como Robert Scheidt, que veleja ao lado de Arthur Lopes, e Lars Grael, que veleja com Samuel Gonçalves, confirmaram a presença na competição.

“Estou animado. É sempre bom voltar a velejar de Star, uma classe que gosto muito, e no Rio de Janeiro, que é um lugar muito agradável. Além disso, a competição ajudará na preparação para a SSL Finals, nas Bahamas, em dezembro”, explica. Continuar lendo “Sul-Americano de Star começa nesta quarta no Rio de Janeiro”

Juliana Duque e Rafael Martins são vice-campeões do Hemisfério de Snipe

unnamed (39).jpg

A classe Snipe brasileira segue fazendo bonito nos eventos internacionais. Desta vez a medalha veio com o casal baiano Juliana Duque e Rafael Martins, que, após liderar os três primeiros dias de regatas na Argentina, acabou a competição na segunda colocação, atrás apenas dois pontos dos americanos Ernesto Rodriguez e Kathleen Tocke, primeiros colocados.  Completaram o pódio os argentinos Lucho Pesci e Barbara “Barbie” Brotons. Juliana, que é campeã mundial feminina, tem conquistado excelentes resultados na classe ao lado do marido e os dois buscam agora a vaga para os Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru.

Além dos dois, o Brasil também foi representado por Tiago Brito e Antonio Rosa (7), Bruno Bethlem e Rodrigo Lins (9), Juninho e Binho (10), Rafael Gagliotti e Henrique Winsniewski (11), Rodrigo de Almeida e Flavio Castro (14), Alex Juk e Piero Furlan (21), Gabriel Kielling e Giovanni Pistorello (24), Ralph Rosa e Alexandre (26), Adriano Santos e Cristian Franzen (29).

Os resultados completos podem ser vistos aqui

Foto: Matias Capizzano

Spindrift pronto para mais uma tentativa de recorde de volta ao mundo

Os tripulantes do maxitrimarã Spindrift estão se preparando mais uma tentativa de conquista do Troféu Julio Verne de barco mais rápido a dar a volta ao mundo. O início da espera oficial está marcado para dia 5 de novembro, só dependendo das condições perfeitas do tempo para a partida de Brest, na França. O tempo a ser batido é de 40 dias, 23 horas, 30 minutos e 30 segundos e foi estabelecido por Francis Joyon em 2017.

Fazem parte da tripulação do Spindrift: Dona Bertarelli, Yann Guichard (skipper), Christophe Espagnon, François Morvan, Xavier Revil, Jacques Guichard, Erwan Israël, Thierry Chabagny, Sam Goodchild, Erwan Le Roux, Benjamin Schwartz, Jackson Bouttell e Duncan Späth, além de Thierry Duprey Du Vorsent e Morgan Lagravière, que estarão na reserva.

Jorge Zarif e Guilherme Almeida são campeões mundiais de Star

A vela brasileira está mais uma vez no topo do pódio. Jorge Zarif e Guilherme de Almeida conquistaram neste sábado, dia 13, em Oxford, nos Estados Unidos, o Campeonato Mundial da classe Star, uma das mais tradicionais e importantes do mundo. Ao fim de seis regatas disputadas ao longo da última semana, a dupla de velejadores terminou com apenas 14 pontos perdidos. 

Elvind Mellby e Joshua Revkin, campeões em 2017, ficaram com a prata, representando a Noruega (19 p.p.). E o brasileiro Arthur Lopes, velejando ao lado do americano Paul Cayard, levou a medalha de bronze (24 p.p.). Também representaram o Brasil Pedro Trouche, que velejou na proa do americano Thomas Hornos, terminando na 7ª colocação, e Bruno Prada, na proa de Augie Diaz, terminando em 13º. Continuar lendo “Jorge Zarif e Guilherme Almeida são campeões mundiais de Star”

Jorge Zarif estreia em segundo no Mundial de Star

43666361_1952060051522638_2160840678462980096_o

Depois de três dias em terra por falta de vento, finalmente as 60 duplas que disputam o Mundial de Star puderam velejar em Maryland, nos EUA. Duas regatas foram realizadas e a dupla brasileira Jorge Zarif /  Guilherme Almeida aparece na segunda colocação. Arthur Lopes, que corre na proa de Paul Cayard, está em segundo.

Na segunda regata do dia, Jorginho e Guilherme chegaram a liderar até o último popa, mas acabaram na terceira colocação. Com o segundo lugar na primeira regata, somam cinco pontos, três a mais que os líderes Eividin Melleby e Joshua Revkin.

Também representam o Brasil no Mundial Bruno Prada, que veleja na proa de Augie Diaz, na 9ª colocação, e Pedro Trouche, que veleja na proa de Thomas Hornos, na 15ª colocação.

Os resultados completos podem ser vistos aqui.

Em 5º na Optimist, Miguel Moura é o melhor brasileiro na SV Buenos Aires

Miguel Moura Machado_Semana de Vela Buenos Aires.jpg

Após dois finais de semana e seis regatas disputadas a Semana de Vela de Buenos Aires, na Argentina, foi encerrada neste domingo, 30, e o velejador do Iate Clube do Espírito Santo, Miguel Machado, de 12 anos, segue escrevendo seu nome na vela brasileira.  O atleta garantiu o 5º lugar geral na competição e foi o brasileiro melhor colocado.

Com 250 velejadores na raia, o capixaba mostrou que pode representar bem o Brasil em competições internacionais. “Fiquei com a sensação de dever cumprido, por ter conseguido ótimos resultados e ser o brasileiro melhor colocado.  A competição foi muito boa, produtiva, e importante para me fortalecer, foi uma experiencia diferente, onde ganhei minha primeira regata internacional. Mesmo já tendo competido fora do Brasil, com atletas de vários países, lá o clima era mais frio, as condições eram diferentes. É gratificante ver que meu esforço com os treinos, faz com que eu esteja evoluindo e possa seguir alcançando meu objetivo que é melhorar sempre”, comenta o velejador. Continuar lendo “Em 5º na Optimist, Miguel Moura é o melhor brasileiro na SV Buenos Aires”

Velejador da Golden Globe Race é resgatado por navio francês

pic

O velejador solitário Abhilash Tomy foi resgatado pelo Osiris, navio pesqueiro francês, nesta segunda-feira a aproximadamente 1900 milhas de Perth, na costa Australiana. O indiano ocupava a terceira colocação da Golden Globe Race, regata de volta ao mundo sem parada e sem assistência, quando foi pego por uma tempestade com ventos de mais de 70 nós e ondas de 15 metros e o mastro do seu veleiro Thuriya veio a baixo. Ele acabou machucando a coluna e aguardou o resgate imóvel em seu beliche, conseguindo apenas enviar mensagens para o HQ da competição informando que não conseguia mexer os pés e nem se alimentar.

A noventa milhas do seu barco, o companheiro de competição Gregor McGuckin também viu o mastro do Hanley Energy Endurance vir a baixo na mesma tempestade, mas teve mais sorte e sofreu apenas pequenos ferimentos. Ele veleja a 3 nós por hora com mastreação de fortuna rumo à ilha Amsterdã. O mesmo navio que resgatou Tomy deverá fazer o seu resgate e vai levar os dois para a ilha, onde eles receberão os primeiros auxílios médicos.

Dos 18 velejadores que largaram em Les Sables d’Olonne, sete desistiram, incluindo o francês Antoine Cousot, que aportou no Rio de Janeiro no início do mês.

Acompanhe o tracking da regata aqui

 

 

Brasileiros são 49º no Mundial de J/24

40275217_2030990576958238_5944800114273943552_o.jpg

Entre os dias 27 e 31 de agosto o lago de Garda, na Itália, foi a sede do Mundial de J/24. Participaram da competição 89 equipes, de 14 países e o Brasil foi representado pela equipe Ginga, de Renato Catallini. Após dez regatas, os vencedores foram os americanos do Kaster, comandados por Will Welles. Os brasileiros ficaram com a 49ª colocação.

Resultados completos aqui.

Velejador da Golden Globe Race desiste aporta no Rio de Janeiro

Após pouco mais de 60 dias no mar, o velejador solitário francês Antoine Cousot, que participava Golden Globe Race 2018 (prova de volta ao mundo em solitário sem paradas), aportou no Rio de Janeiro no último sábado (1/9) após desistir da regata. A largada foi dada em Les Sables D´Olone, na França, no dia 1 de julho, com 18 participantes e apenas 12 seguem velejando. Esta regata em solitário é uma edição comemorativa dos 50 anos da primeira regata volta ao mundo em solitário non stop que aconteceu em 1968, a The Sunday Times Golden Globe Race, cujo o único velejador a terminá-la foi o Sir Robin Knox Johnston.

Cousot desistiu da regata quando estava a cerca de 100 milhas a nordeste da Ilha de Trindade, no meio do oceano Atlântico Sul. Quando ainda estava no Hemisfério Norte, próximo à costa portuguesa, ele machucou o ombro durante uma manobra com o balão, mas optou por seguir velejando. Já no Hemisfério Sul, ele torceu o pé, e, após consultar a equipe médica da regata, acabou desistindo da competição, uma vez que não seria fácil enfrentar os mares do sul nestas condições. O velejador foi recebido fora da baia da Guanabara por Gustavo Pacheco, que tinha planos de disputar a regata, porém foi obrigado a desistir por falta de patrocínio.

Dos 12 barcos que seguem na disputa, metade da flotilha já veleja no paralelo 40º sul entrando no Oceano Índico. O francês Jean-Luc Van Dee Heede lidera a regata com uma grande vantagem de 600 milhas para o segundo colocado, o holandes  Mark Slats.

Texto e fotos por Gustavo Pacheco.