Sorsa é fita-azul da Ilha de Caras/Náutica

ArQ9R5zCQA6xYI6ypIQ-EcHvDJ4yjl4jL9B8Qfi_7J2i

No último sábado foi disputada em Angra dos Reis a regata Ilha de Caras Revista Náutica. O evento, um dos mais festivos do calendário nacional, reuniu quase 100 barcos e 900 tripulantes na regata e na feijoada pós regata. A previsão era de que ventos vindo do Sul tomassem conta da raia, na frente da Ilha de Caras, na baía da Ribeira, em Angra dos Reis. Mas, momentos antes da largada, prevista para as 13h, choveu forte na serra e os ventos passaram a soprar do Norte, produzindo rajadas de 15 a 18 nós. No final, melhor para o Sorsa, de Celso Quintela, que se sagrou fita-azul.

Além deles, ss melhores de cada categoria e os vencedores dos concursos realizados pelos organizadores durante a feijoada foram convidados para um almoço na Ilha de Caras no domingo.

Confira os vencedores:

Classe Cruzeiro
1. Arjuna 3
2. Charlie Bravo I
3. Tha-rado

Classe APS
1. SILENE 2
2. CAÇÃO
3. Sinergia

Classe IRC
1. Maestrale-LogSub
2. Capim Canela
3. Vesper IV

Classe ORC
1. Maximus
2.  SORSA
3. Lexus / Chroma

Classe RGS
1. Nativo
2. Cangrejo
3. Tangará II

Classe Multicasco
1. Salina 50
2. Viamar
3. Trilegal 1

Classe Feminina
1. Marisco Rio Mar / Sailabout
2. Miss Cuca        Feminino

 

 

Brasil termina o Mundial de RS:X no top 20

12764572_10156641626505694_6382740628375724137_o
Foto de JP Tobin

Neste sábado foram realizadas em Eilat, Israel, as medal races do Mundial de RS:X. Depois de uma semana difícil, em uma raia com vento muito rondado, o Brasil não se classificou para esta regata final, porém encerrou sua participação entre os 20 melhores do mundo.

Classificada para os Jogos Olímpicos, Patricia Freitas encerrou a competição na 17ª posição, com 124 pontos perdidos. Bruna Martinelli foi a 31ª. A medalha de ouro foi para a polonesa Malgorzata Bialecka; a prata para a britânica Bryony Shaw, agora três vezes vice-campeã mundial; e o bronze para a holandesa Lilian de Geus.

Entre os homens, Ricardo Winicki, o Bimba, também classificado para os Jogos Olímpicos, ficou em 28º, com 158 pontos perdidos. Gabriel Bastos foi o 72º. Assim como no feminino, a disputa masculina também teve a Polônia no topo do pódio, com Piotr Myszka. Campeão olímpico em Londres-2012, o holandês Dorian Van Rijsselberge ficou com a prata. O bronze foi para o também holandês Kiran Badloe.

Os resultados completos estão aqui.

Biblioteca virtual marítima tem download gratuito

 

coffee-apple-iphone-laptop.jpg

Olha que dica legal. O site Libramar é uma biblioteca de livros marítimos. São milhares de livros, divididos em diversas categorias, incluindo engenharia naval, gerenciamento de tripulação, construção, arquitetura naval, equipamentos de navegação, direito e segurança, dentre outras, além de treinamento em vídeo e softwares. E o melhor de tudo não é ele ter tanto conteúdo. É ele ter tanto conteúdo de graça. Gostou? Então acesse agora mesmo clicando aqui.

Velejadora olímpica Adriana Kostiw assume a cozinha gourmet da Wind Charter

 

DSCN0865

O ano começou com mais uma novidade na Wind Charter. Líder no mercado de aluguel de veleiros no Brasil, a empresa agora passa a oferecer o serviço de chef a bordo. A responsável pela cozinha é a suíça Anja von Mühlenen, que tem mais de 15 anos de experiência com cozinha em alto mar.

“A ideia de ter uma chef de cozinha a bordo dos nossos barcos é trazer ainda mais conforto para os nossos clientes. Assim, a única coisa que eles precisaram se preocupar é em curtir ao máximo a estadia conosco”, disse Germano Pestana, sócio da empresa. O cardápio pode ser completo, com café da manhã, almoço e jantar, e varia de acordo com o gosto do cliente.

Outro serviço que também é novidade é o chamado provision, em que o cliente diz o que gostaria de ter a bordo e a empresa se responsabiliza em abastecer o barco, seja com comidas especiais ou bebidas diferentes. A chef Anja pode ajudar na sugestão do que comprar e na harmonização entre os pratos e as bebidas.

Mas Anja não trabalha sozinha. Para ajudá-la a Wind Charter contratou a velejadora olímpica Adriana Kostiw. Além de também saber cozinhar, Adriana atua como skipper e pode levar os clientes aos mais belos lugares de Paraty e região.

DSCN0989

 

Final de semana a bordo custa menos que diária em pousada

Engana-se quem acha que passar o final de semana assim, com toda esta mordomia, está fora de alcance nesta época de crise. A diária de um veleiro para até seis pessoas custa a partir de R$ 1.000,00 na alta temporada, menos que uma pousada na charmosa Paraty, onde a empresa está baseada. Para quem não sabe velejar, a Wind Charter oferece o skipper, que pode dormir a bordo ou desembarcar no final do dia, voltando na manhã do dia seguinte. Para quem já sabe navegar, basta chegar na marina do Engenho, embarcar e zarpar.

Sobre a chef Anja:

Nascida na Suíça, trabalhou como chef a bordo de grandes veleiros na Inglaterra, Escócia e no Caribe. Foi desenvolvedora de saladas para a rede Freshtime, distribuída em grandes supermercados ingleses, e consultora na Betty Bossi, na Suíça. Também atuou como instrutora de windsurfe e kitesurfe viajando pelo mundo.

Sobre a velejadora Adriana:

Velejadora profissional, foi a três Olimpíadas (Atenas, Pequim e Londres). Foi medalha de bronze no Pan do Rio em 2007 e acaba de voltar de uma temporada no Caribe a bordo do maxi veleiro Wally Love. Trabalhou em restaurantes franceses e italianos em São Paulo e como fotógrafa para a Editora Abril.

Sobre a Wind Charter:

Líder no mercado de charter no país, tem sua sede na Marina do Engenho, em Paraty. Possui dez veleiros novos para aluguel, que vão de 36 a 54 pés. Também é a responsável pela operação do Paratii II, veleiro que Amyr Klink foi à Antartida.

 

 

Procura-se barco e capitão para velejada até ilha mais remota do mundo

tristan-de-cunha1

No início desta semana uma mensagem curiosa chegou para um grupo de velejadores: nove outros velejadores estão em busca de um barco e de um capitão para chegar no arquipélago de Tristão da Cunha, distante uma semana da costa brasileira, no Atlântico Sul. Josefina Muñoz, a pessoa que enviou o e-mail, explicou que eles fazem parte de um projeto chamado The Clipperton Project e que todos os velejadores têm noção básica de navegação, além de possuem todos os requisitos para chegar nesta que é a ilha habitada mais remota do planeta.

Gostou da ideia? Gostaria de se arriscar nesta aventura? Então corre pra Búzios que eles estão por lá, esperando o novo capitão!

tristao-da-cunha-05