Tira Teima – Regra 69 no mundial de vela (por Ricardo ‘Blu’ Lobato)

Peça que foi alterada por Íker
Peça que foi alterada por íker

O espanhol Iker Martinez, medalha de ouro em 2004 e prata em 2008, foi considerado culpado em audiência de regra 69. Tudo começou durante a medição dos barcos no dia 2 de agosto, quando o medidor notou que o parafuso que ajusta a bolina (foil) do barco estava com uma amplitude maior que a dos outros barcos. Com uma amplitude de regulagem maior, seria possível alterar mais o ângulo do foil iniciando a planada mais cedo nos ventos fraco.

O difícil é que a regra do Nacra não tem medidas, simplesmente tudo tem que ser comprado do fabricante, assim como o Laser. O medidor teve que consultar o fabricante para descobrir que o máximo de deslocamento deste parafuso seria 75mm. Todos os barcos medidos estavam entre 74.5mm e 75mm, contudo o barco espanhol tinha 79,5mm no casco esquerdo. Este é o casco mais usado na largada e na montagem da marca de barlavento. Nota curiosa é que Iker recebeu vários foils de teste do fabricante no ano passado. O barco foi protestado e penalizado inicialmente com 35 pontos (depois a penalidade virou um DNE). Os espanhóis desistiram de correr o campeonato e retiraram o barco da marina, levando o barco para seu hotel.

O jury então iniciou um processo de regra 69 (má conduta). A regra 69 foi totalmente revista em 2017 e o procedimento ficou bem mais complexo. Primeiramente, foi nomeado um EDIO (Event Disciplinary Investigating Officer), que fica responsável pela investigação e atua como um procurador apresentando o caso ao jury. Isto foi uma exigência do CAS (Tribunal de Arbitragem Esportiva) que criticou a vela por não segregava o papel do juiz com o do investigador. Dentro deste procedimento complexo, Iker pediu mais tempo para chamar seus advogados e preparar a sua defesa e o julgamento foi realizado uma semana depois do incidente.

Na sua defesa, Iker afirmou que não alterou o barco, mas a evidências comprovaram ao contrário. Iker foi declarado culpado em mentir. Não foi possível penalizar mais o barco no campeonato, uma vez que eles desistiram do evento, antes do seu início. A World Sailing poderá suspender o atleta posteriormente. Aguardem as cenas dos próximos capitúlos.

DECISAO 69

Case 061

1. On August 8, 2018, the International Jury heard case 61 submitted by the EDIO of the Aarhus 2018 World Championships against Mr. Iker Martinez for misconduct.

Procedural Comments

2. The EDIO was Alastair Fox, appointed by World Sailing, who was advised by Jon Napier.

3. At the hearing, Mr. Iker Martinez was accompanied by Antonio Otero (representative) and Asier Fernandez (advisor).

4. At the beginning of the hearing and after it had been adjourned, Mr. Iker Martinez asserted on procedure that the International Jury:

I. Does not have jurisdiction over Mr. Iker Martinez because he was not entered in the event.

II. Has not given Mr. Iker Martinez opportunity to find a professional legal interpreter.

III. Has not given Mr. Iker Martinez enough time to prepare.

5. Concerning I: The International Jury was appointed for the event by World Sailing. The event is governed by the Racing Rules of Sailing (RRS). Mr. Iker Martinez tried to enter the event and initiated the process of entering the World Championships as a competitor and completed all required steps up to passing the equipment inspection. Thus he clearly intended to participate in the event and thereby agreed to accept the RRS, cf. RRS 3.1(a). The reason why he did not race was that his entry was rejected by the organizing authority, when his boat did not pass the equipment inspection on Sunday, August 5 before 14:30. Therefore, the International Jury has jurisdiction over this matter.

6. Concerning II: At the beginning of the hearing, Mr. Iker Martinez requested an interpreter.

Although it is not the responsibility of the International Jury to provide interpretation, and Mr. Iker Martinez had the opportunity to contact a local interpreter, the International Jury offered another jury member as interpreter. Mr. Iker Martinez did not object until after the hearing was reconvened, and continued to use the interpreter thereafter.

7. Concerning III: Reasons for not giving additional time to prepare:

1. The alleged misconduct occurred before the first race of the World Championship.

2. The first Notice of Charge dated August 5 was sent at 22:58.

3. During the hearing on August 6 starting at 12:00 Mr. Iker Martinez requested additional time to prepare and he was granted 48 hours.

4. Mr. Iker Martinez received the second Notice of Charge on 7 August at 16:08.

5. The hearing was reconvened on 8 August at 12:00.

6. At the request of Mr. Iker Martinez, the jury provided a Spanish‐speaking jury member as interpreter. He made no objection to the interpreter.

7. The items in the second Notice of Charge for which Mr. Iker Martinez requested more time to prepare are related to items already presented in the first Notice of Charge.

8. Mr. Iker Martinez had 61 hours from the time that the first charge was given until the hearing on August 8.

9. Mr. Iker Martinez argued that resolving this matter is not urgent.

10. World Sailing Misconduct Guidance advises that, “it is unfair and inappropriate to leave serious allegations of misconduct unheard for several days.”

The International Jury Concludes on this:

1. The items in the second Notice of Charge are related to items already presented in the first Notice of Charge and therefore would not require more time.

2. The 61 hours given to Mr. Iker Martinez is reasonable time to prepare for both charges for a hearing under RRS 69 during an event.

Facts

8. Mr. Iker Martinez is the owner and person in charge of ESP 70.

9. ESP 70 was bought by Mr. Iker Martinez new from Nacra Sailing at the beginning of 2018. It had not been used by any other crew and was only raced with him onboard.

10. Between 2 August and 5 August 2018 (inclusive), ESP 70 was inspected by the Technical Committee and the maximum distance that the daggerboard bearing could move (between the back of the bearing and the front of the worm drive) was measured.

11. The building specifications for this measure is 75mm. The Technical Committee measured 74.5mm to 75mm on all other inspected Nacras (in excess of 60) that are competing in the World Championship.

12. On ESP 70, this distance was measured to be 79.5mm on both hulls. In addition, the round holes for the fitting in the stainless steel tracks had been elongated. This could not have been caused by damage or normal wear.

13. Using a builder‐provided daggerboard bearing track, it was not possible to fit all six bolts into the holes in the hull. The back holes were further back compared to building specifications.

14. During manufacturing, all holes in the hull recess for the daggerboard bearing are drilled using a

unique jig. Only one jig set (one tool for producing port hulls and one for starboard hulls) exists at

the hull manufacturer in Thailand. The position of the holes on ESP 70 could not have been the result of using that jig to drill, or have been caused by damage or normal wear.

15. On August 6, 2018 ESP 70 was inspected further by the Technical Committee. This showed that in the aft side of the port side hull recess, the original holes that were in the position defined by the building specification had been filled, and new holes had been drilled further aft. Sikaflex had been applied over the holes concealing the modification.

16. The Nacra 17 is a one design class with closed class rules. This means that changes can only be made if they are specifically permitted by the class rules. Furthermore, repairs cannot be made without approval of the IN17CA Technical Committee or at an event by the event Technical Committee. ESP 70 had received no such approval.

17. On August 4 2018, Mr Iker Martinez was interviewed by the Event Disciplinary Investigating Officer (EDIO) in relation to an investigation about the modifications on ESP 70. At the start of the interview, the EDIO explained to Mr. Iker Martinez that he must tell the truth and he may be subject to disciplinary action if he stated anything false or he did not believe to be true.

18. During the interview Mr. Iker Martinez denied several times that he altered ESP 70. He was asked “Did you alter the boat, as the Jury found in the protest decision?” The answer was “No. I said that to the Jury”. Mr. Iker Martinez signed the interview record as a true and accurate record of what was said.

Conclusion

19. The international jury is comfortably satisfied, bearing in mind the seriousness of the alleged

misconduct, that Mr. Iker Martinez deliberately modified ESP 70 in breach of the class rules and he

concealed the modification. Thereby, Mr. Iker Martinez committed a breach of good sportsmanship

contrary to RRS 69.1(a).

20. The international jury is comfortably satisfied, bearing in mind the seriousness of the alleged

misconduct, that Mr. Iker Martinez did not tell the truth to the EDIO. Thereby, Mr. Iker Martinez

committed a breach of good sportsmanship and unethical behaviour contrary to RRS 69.1(a).

21. The international jury is comfortably satisfied, bearing in mind the seriousness of the alleged

misconduct, that Mr. Iker Martinez did not tell the truth to the International Jury during this hearing.

Thereby, Mr. Iker Martinez committed a breach of good sportsmanship and unethical behaviour

contrary to RRS 69.1(a).

Decision

22. Considering the level of the misconduct, a significant penalty is appropriate. However, given the

severely limited range of penalties available to the jury in this case, the International Jury has

decided the following:

23. The International Jury excludes Mr. Iker Martinez from the venue of the event from Thursday,

August 9 at noon, and directs the organizing authority to revoke his accreditation from that point in

time. Since Mr. Iker Martinez’s entry was rejected by the organizing authority before he sailed any

races in the event, the International Jury cannot impose scoring penalties.

24. This decision will be reported to World Sailing under RRS 69.2(j)(2) and WS Regulation 35.4.7.

August 9, 2018, 00:20

International Jury

Lynne Beal (chair) IJ (CAN), Manuel Ken Gamito IJ (POR), Yoann Peronneau IJ (FRA), Jan Stage IJ (DEN)

and Leo Pieter Stoel IJ (NED

Bruno Bethlem e Rodrigo Lins são campeões sul-americanos de Snipe

1º LUGAR.JPG

Depois de três dias de competição chegou ao fim no último sábado (31) o Sul-americano da Classe Snipe 2018. O campeonato reuniu no Clube dos Jangadeiros, em Porto Alegre, mais de 100 atletas da Argentina, Brasil, Cuba, Chile, Guatemala, Peru, Porto Rico e Uruguai. Para o último dia, estavam previstas mais duas regatas que foram canceladas pela inconstância do vento, somando um total de oito regatas disputadas. 

O carioca Bruno Bethlem conquistou o seu segundo título no Sul-americano, o primeiro foi em 2000. “Foi uma semana bastante difícil, com vento fraco e inconstante. A gente fez uma boa preparação e chegamos bem tranquilos. Estávamos há um bom tempo sem vencer no Snipe depois que eu voltei das Olímpiadas, então teve um sabor especial”, diz Bethlem, que em seu longo currículo de vitórias, constam dois títulos mundiais (2009/ 2013), nove brasileiros e Medalha de Ouro nos Jogos Pan-Americanos em 2003.

 O título de vice-campeão ficou com uma nova dupla formada no Jangadeiros por Rodrigo Linck Duarte, o Leiteiro, e Lucas Mazim, com uma diferença de sete pontos do 1º lugar. Velejador com duas Olimpíadas no currículo, Atenas (2004) e Pequim (2008), duas vezes campeão brasileiro e vice-campeão mundial, entre outros títulos, Leiteiro comenta a conquista: “Eu e o Lucas (campeão brasileiro em 2017/2018) estamos muito felizes com o resultado. Foi a primeira vez que velejamos juntos e já deu para ver que a gente se acertou bem. Vamos ver se seguimos tendo bons resultados em outros campeonatos e quem sabe vamos competir no Hemisfério, em Buenos Aires”.

O 3° lugar do pódio ficou com o argentino René Hormazabal e Sidney Bloch, da Escola de Vela de Ilhabela. “Foi um campeonato muito difícil para a gente, de alto nível. Chegamos sem expectativas e fizemos uma média boa nos primeiros dias e acabamos com um ótimo resultado”,comenta René.

Em 4º lugar no Open ficou Alexandre Paradeda e Ana Júlia Tenório, dupla campeã no Misto, que representou a Escola de Vela de Ilhabela e garantiu para o Brasil vaga nos Jogos Pan-Americanos de 2019, em Lima. O 5º lugar é do Uruguai, conquistado pelo multicampeão Ricardo Fabini e a sua dupla Florencia Panizari. Relembrando os títulos: Fabini foi campeão mundial em 1989, do Hemisfério Ocidental em 1991, três vezes campeão no Sul-americano e Medalha de Prata no Pan-Americano.

Na categoria Júnior, o 1° lugar é da dupla atual campeã brasileira na categoria, Felipe Rondina e Christian Shaw, do Iate Clube de Brasília. Os vices-campeões são Philipp Rump e Luis Eduardo Pejnovic, do Jangadeiros, e o 3° lugar foi conquistado por Matheus Oliveira e Rafael Carpallo, da Escola de Vela de Ilhabela.

No Feminino, o título são das gêmeas Amanda e Geórgia Rodrigues, também do Jangadeiros, campeãs brasileiras do Snipe na categoria.

Da assessoria

Tira-teima: o que pode na VOR que não pode na Santos – Rio?

No dia 28 de outubro de 2017, além da chegada da primeira perna da Volvo, chegou a nossa tradicional regata Santos-Rio. Vendo as imagens da Volvo, é possível ver várias coisas que são proibidas pelas regras de regata, mas permitidas Volvo Ocean Race.

Você sabe o que é permitido na Volvo, mas não é permitido na Santos-Rio? Confira!

Mais um artigo da coluna Tira- Teima em conjunto com Ricardo Lobato, o Blu, do site regras.com.br.

1. Suspender a regata. É como “pedir altos” no pique pega. O barco com a regata suspensa, depois de informar o comando da regata, pode ligar o motor, atracar e içar o barco. Antes de voltar a regata, deve retomar exatamente ao ponto onde a regata foi suspensa. Se a parada for antes das 12 primeiras horas, o barco não pode retomar a regata em menos de 2 horas. Depois de 12 horas de regata a suspensão deve durar ao menos 12 horas. Próximo a chegada ou na última perna, não é permitido suspender a regata.

2. Uso de outriggers. Conhecidas como “muleta”, elas não podem ser usadas se passarem para fora da borda do barco nas regatas normais (regra 50.3). Mas na Volvo, as muletas são permitidas, desde que colocadas num ponto específico na popa para ajudar a dar ponto nas velas code 0.


As muletas para fora do barco a sotavento não são permitidas nas regatas, somente o pau de spi, mas sempre para barlavento.
Foto: Ainhonha Sanchez / Volvo Ocean Race

3. Lastro móvel. A regra 51 é alterada na Volvo para permitir a movimentação do equipamento não lacrado para melhorar a estabilidade do barco. Na Santos-Rio, por exemplo, não é permitido movimentar as velas não utilizadas para barlavento do barco. Esta manobra é conhecida na gíria da Volvo como sail stack. É umas das tarefas mais desgastantes da regata e as mulheres não são dispensadas desta função. O Volvo 65 também tem dois tanques de agua (um na frente e outro atrás) que podem ser utilizados para equilibrar o barco.


Mulheres do Akzo Nobel fazendo força para posicionar as velas a barlavento!
Foto: Conrad Frost / Volvo Ocean Race

4. Abandonar o barco. Calma! Ninguém será deixado para trás. A regra 47.2 é alterada para permitir que os convidados (também conhecido como “jumpers”) possam saltar do barco um pouco depois da largada. Mas, tanto na Santos- Rio quanto na Volvo, não é permitido deixar nenhum tripulante para trás. Mesmo em situações extremas, onde é difícil resgatar alguém com vida, não vale falar coisas do tipo “ele preferiria que continuássemos a regata!”. Nunca um barco pode seguir a regata sem um de seus tripulantes.


Foto: @Turn the tide on Plastic

5. Lixo na água. Esta parece até piada, mas a regra 55 é alterada na Volvo para permitir que as lanzinhas que amarram o balão para facilitar a sua subida possam cair na água. Restos de comida também podem ser jogados no mar. Quero saber se o barco ecológicoTurn the Plastic On está jogando os elásticos e lanzinhas no oceano!

Será que algumas destas inovações não seriam também bem-vindas nas nossas regatas oceânicas como Recife-Fernando de Noronha ou Santos-Rio?

Tira-teima: Entendendo as novidades nas regras da Volvo Ocean Race 2017-2018

 

Na coluna Tira-Teima desta semana, Ricardo Lobato explica as regras da Volvo Ocean Race 2017-18. Confira:

A Regata Volta ao Mundo vai largar neste domingo dia 22 de outubro. Está na hora de entender o que vai acontecer. Temos 3 grandes novidades nas regras da VOR para a regata 2017-2018. A primeira é a nova configuração de tripulantes que incentivou a inclusão de tripulantes femininas. A segunda novidade é um novo sistema de pontuação com pontos ganhos ao invés de pontos perdidos e valorizando as pernas nos Mares do Sul além de prever alguns bônus. A última novidade é o percurso retornou às origens com mais tempo nos mares do sul.

Os barcos continuam os mesmos Volvos 65 da última edição. Eles foram reformados para esta regata e somente um novo barco, AkzonNobel, construído.

Tripulação:

Nesta edição, uma tripulação inteiramente masculina só pode ter 7 tripulantes contra 8 na edição anterior. A novidade é que é permitido levar até mais duas mulheres, em adição a estes 7 homens, num total de 9 tripulantes. Esta será a configuração de todas as equipes com a exceção do Turn The Tide on Plastic que pretende correr com 5 homens e cinco mulheres. Para levar o barco é necessário pelo menos três no deck: O timoneiro, o grinder e o trimer. Os turnos são de quatro horas e normalmente quem está entrando começa no grinder para aquecer antes de ir para o leme ou trimar as velas. O navegador e o comandante não têm turno fixo. Obviamente, em qualquer manobra ou troca de vela a tripulação toda sobe. Continuar lendo “Tira-teima: Entendendo as novidades nas regras da Volvo Ocean Race 2017-2018”

Tira-Teima: Mundial de J/70

Esta é nova coluna Tira-Teima realizada em conjunto com o site regras.com.br e noticiasnauticas.com.br. O objetivo é esclarecer situação reais de eventos recentes ou casos históricos.Para estrear iremos analisar a largada da 4ª regata do Mundial de J/70, realizado ente mês em Porto Cervo, Itália. O campeonato foi marcado pela exclusão do campeonato de sete barcos que alteraram o bulbo da quilha original do barco. As equipes brasileiras foram muito bem, com destaque para o barco “Arriverdeci”, sétimo geral e “Tô Nessa”, décimo segundo.

Toda a análise foi realizada com base nas imagens ao vivo de um drone, disponibilizadas pela organização da regata. Elas mostram o barco ITA buscando um espaço para partir próximo a extremidade de sotavento da linha de partida. A cada instante, é feita uma análise dos direitos e deveres de cada barco.
Ficou alguma dúvida sobre esta situação? Existe outro caso que gostaria de entender melhor? Entre em contato!
Regras.com.br e Noticias Náuticas