Tira-teima: quando uma regata deve ser anulada? (Por Ricardo Lobato)

Quando uma regata deve ser anulada? Entenda as Regras de Condução de Regata da Classe e.

Muitas dúvidas rondam os critérios para abandonar uma regata. Estas dúvidas têm fundamento. Observe o que diz a regra 32, sobre as razões para a Comissão de Regata anular uma regata. http://www.regras.com.br/site/images/Docs/RRV2017_2020.pdf

32 ENCURTANDO OU ANULANDO APÓS A LARGADA

32.1 Após o sinal de largada, a comissão de regata pode encurtar o percurso (bandeira S com dois sinais sonoros) ou anular a regata (bandeira N ou N sobre H ou N sobre A, com três sinais sonoros),

(a) por mau tempo,
(b) por insuficiência de vento que torne improvável a chegada de qualquer barco no limite de tempo estabelecido,
(c) por uma marca ter desgarrado ou desaparecido, ou
(d) por qualquer outra razão que afete diretamente a segurança ou justiça da competição.

O Primeiro problema é que a comissão pode anular a regata por uma ou mais das razões listadas acima. Portanto, como o termo “pode” é permissivo e não mandatório, se a CR anular ou não a regata, ela não estaria cometendo um erro passível de reparação. A regra não a obriga a anular uma regata. O segundo problema está no item (d). Afinal o que significa “qualquer outra razão” que afete a justiça da competição? Uma grande rondada de vento no primeiro contravento de uma regata de um campeonato nacional pode ser motivo para se anular uma regata, enquanto numa regata oceânica é aceitável ficar sem vento por diversas horas. A regra é vaga propositalmente, pois deve atender a todos os tipos de regatas do nosso esporte.

Continuar lendo “Tira-teima: quando uma regata deve ser anulada? (Por Ricardo Lobato)”