Vela oceânica carioca encerra ano com regatas tradicionais

No último final de semana de Vela do Oceano na temporada, um tempo lindo e o sol de rachar desafiaram os competidores que caíram na água para as disputas da 23ª edição da Preben Schmidt, no Rio Yacht Club, em Niterói (RJ), e a 24ª edição da Neptunus, no Rio de Janeiro, com largada na Escola Naval e premiação no Iate Clube do Rio de Janeiro. Lars Grael, com duas medalhas de Bronze em Olimpíadas, brilhou e faturou títulos nas duas competições. Kiko Pelicano, medalhista olímpico com Lars, ganhou uma das categorias na Neptunus. André Mirsky e o caratinense Ricardo Tolentino levaram títulos em Niterói e no Rio de Janeiro.

O grande destaque foi Lars Grael. Bronze nos Jogos de Seul, na Coreia do Sul, em 1988, e Atlanta, nos EUA, en 1996, ele superou o irmão Torben Grael usando o barco Marga, de 1933, na disputa da 23ª da Preben Schmidt, na categoria Clássicos. Torben, que vinha do título no ano anterior e tem duas Medalhas de Ouro em Olimpíadas, competiu com o Aileen, barco de 1912 de seu avô, Preben Schmidt, o homenageado da regata, barco medalha de prata na Olimpíada de Estocolmo em 1912. No domingo, na categoria Cruzeiro, a RGS, Lars voltou à Baía de Guanabara na 24ª edição da Neptunus, levando o troféu na categoria com o barco Tangará II, deixando o Xequemat, de César de Oliveira na segunda colocação com três minutos de vantagem.

Continuar lendo “Vela oceânica carioca encerra ano com regatas tradicionais”