153ª Regata Batalha Naval do Riachuelo tem primeiros vencedores

Snipe_Fotos_Tsuey_lan_Bizzocchi-17

No último final de semana, a 153ª edição da Regata Batalha Naval do Riachuelo, promovida pela Capitania dos Portos de Pernambuco e o Cabanga Iate Clube de Pernambuco, conheceu os primeiros vencedores. A competição iniciou com regatas das classes Dingue, Day Sailer, Optmist, e Snipe.

Na manhã de sábado (02), as disputas começaram com o as regatas de Optimist, na sede do Cabanga, no Recife. Ao final, Júlia Ollivier terminou em primeiro lugar, Júlio César Avelar em segundo e Antônio da Fonte ficou na terceira posição.

Na sede de Maria Farinha do Cabanga, no domingo (3) à tarde, os velejadores disputaram a classe Dingue. E o grande vencedor foi a embarcação Gudino com José Araújo e Edna Silva. Em segundo lugar, René Hutzler e Marcelo Amorim, com o barco Aichach, e o Sopra Vento, com José Maria e Jairo Vale, fecharam o pódio.

Já no Day Sailer, o Odisseu foi o campeão ao somar cinco pontos ao final das duas regatas. Varamundo terminou com o vice-campeonato com seis pontos e o Coragio ficou na terceira colocação. Na classe Snipe, o título ficou com Júnior e Mateus, seguido por Bebeto e Gustavo, no segundo lugar, e Ítalo Silva e Roberto, em terceiro. Continuar lendo “153ª Regata Batalha Naval do Riachuelo tem primeiros vencedores”

João Pedro Souto de Oliveira é ouro nos Jogos Sul-Americanos

Joao Pedro Souto de Oliveira_Crédito Walter Böddener_CBVela.jpeg

A vela brasileira encerrou da melhor forma possível sua participação nos Jogos Sul-Americanos Cochabamba 2018. Nesta quinta-feira, dia 31, João Pedro Souto de Oliveira venceu a disputa da classe Laser, na Represa Corani-La Barca, no município de Colomi. Desta forma, o Brasil encerrou sua participação na modalidade com 100% de aproveitamento: foram duas medalhas de ouro conquistadas nas duas classes com presença verde-amarela.

João Pedro liderou a competição do começo ao fim, com uma performance incontestável. O brasileiro ganhou cinco das nove regatas disputadas, fechando o campeonato com 14 pontos perdidos.

“O campeonato aqui, por incrível que pareça, foi de vento forte. Foram sete regatas de 15 nós ou mais, e eu estava bem rápido, me sentindo bem (nos dois primeiros dias). Consegui fazer logo uma boa vantagem para administrar no final, no vento fraco”, afirmou o velejador brasileiro.

Na segunda-feira, o Brasil já tinha garantido lugar no topo do pódio da classe Snipe, com Juliana Duque e Rafael Rizzato. As cerimônias de premiação da vela foram realizadas nesta quinta-feira. Na Laser, a medalha de prata ficou com Francisco Guaragna, da Argentina (22 p.p.). O bronze foi para Ignacio Rodriguez, do Uruguai (também com 22 p.p., superado pelo argentino no desempate).

“É uma missão do COB (Comitê Olímpico do Brasil), um grande evento. Ganhar o ouro aqui a gente sente que está contribuindo para o Brasil ganhar no quadro de medalhas. É uma felicidade enorme”, disse João Pedro.

Os Jogos Sul-Americanos Cochambamba 2018 reuniram 35 atletas de nove países na disputa da vela: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela.

Circuito Oceânico de Niterói agita a vela carioca no feriado prolongado

34441750_1668598299902724_7957832963578658816_o.jpg

O feriado de Corpus Christi foi animado em Niterói com a realização do Circuito Oceânico pelo Clube Naval Charitas. Foram quatro dias de regatas, com 43 barcos inscritos nas classes ORC, IRC, RGS e Bico de Proa.

Apesar de três dias lindos, com muito sol, o vento não ajudou muito. Quinta, sexta e sábado as regatas foram disputadas com vento bastante fraco. Na quinta os barcos encararam um percurso longo para Maricás, com apenas 8 nós de vento fora da baía, mas quando os primeiros estavam se aproximando da linha de chegada, o vento deu uma merrecada e os menores acabaram encostando nos maiores, deixando a disputa ainda mais acirrada.

Na sexta e no sábado o vento terral muito fraco permitiu a realização de apenas uma regata por dia, dentro da baía de Guanabara, com os barcos chegando no limite do tempo máximo permitido pela regra.

No domingo, a previsão era de mais vento e muita chuva. A primeira regata do dia foi uma barla-sota, com vento bom, mas, com a entrada da chuva e rajada de 25 a 30 nós, a visibilidade ficou ruim, o que acabou causando o cancelamento da segunda regata do dia.

Vencedores do Circuito Oceânico de Niterói:

ORC:
1. Bravíssimo, Skipper 30, Luciano Secchin
2. Santa Fé V, Dufour 36, Nelson Thomé Jr
3. Miragem, BB40, Paulo Freire

IRC:
1. Aileen, 6M, Torben Grael
2. Esculacho, Delta 36, Walcles Osório
3. Super Pimpo 2, Malbec 36, Claudio Gomes

RGS:
1. Sem Crise, J/24, Luiz José Correia Jr
2. Dorf, Delta 26, Roberto Schnardorf
3. Mano’s Chopp, Velamar 34, Guilherme Winter