Equipe brasileira Onda estreia em 5º no campeonato de TP52

A imagem pode conter: céu, oceano, atividades ao ar livre, natureza e água

No último domingo, 27, chegou ao fim a 1ª etapa do Campeonato de TP52, realizado nas águas claras de Sibenik – Croácia. Com 12 barcos na raia de 8 diferentes nações, a disputa teve a estreia da bandeira brasileira com veleiro Onda, liderado por Eduardo Souza-Ramos e que levou as feras da vela nacional, incluindo Jorginho Zarif, Marcos Grael, André Fonseca “Bochecha” e Robert Scheidt como tático.

Após 5 dias de disputa e 9 regatas, o time brasileiro, que veleja com a bandeira do Iate Clube de Santos, fechou a 1ª fase na quinta colocação.
Cinco etapas estão previstas para o Super Series e a próxima acontece de 19 a 24 de junho em Zadar, também na Croácia.

Resultado geral:
1. Quantum Racing (USA) (Doug DeVos) (4,1,8,1,4,1,3,7) 29 p.
2. Platoon (GER) (Harm Müller-Spreer) (1,4,3,5,7,3,10,1) 34 p.
3. Sled (USA) (Takashi Okura) (12,3,1,8,3,2,2,10) 41 p.
4. Azzurra (ARG/ITA) (Alberto Roemmers) (3,10,10,4,2,7,4,6) 46 p.
5. Onda (BRA) (Eduardo de Souza Ramos) (2,7,5,3,10,6,8,5) 46 p.
6. Luna Rossa (ITA) (Patrizio Bertelli) (7,5,9,9,5,4,7,3) 49 p.
7. Alegre (USA/GBR) (Andrés Soriano) (9,8,6,2,8,8,6,4) 51 p.
8. Phoenix (RSA) (Hasso/Tina Plattner) (8,6,11,6,6,11,5,2) 55 p.
9. Provezza (TUR) (Ergin Imre) (5,9,4,7,12,9,1,9) 56 p.
10. Paprec Recyclage (FRA) (Jean Luc Petithuguenin) (6,12,2,12,1,10,9,12) 64 p.
11. Gladiator (GBR) (Tony Langley) (10(+2 PEN),2,7,11,9,5,12,8) 66 p.
12. XIO Hurakan (ITA) (Marco Serafini) (11,11,12,10,11,12,11,11) 89 p.

Da assessoria do ICS / foto: Nico Martinez / 52 SUPER SERIES

André Mirsky é o melhor brasileiro no Mundial Master de Finn

33114660_1969780943093604_5273295510986293248_o.jpg

Trezentos e cinquenta e dois. Esta foi a quantidade de inscritos no Mundial Master de Finn, disputado entre os dias 18 e 25 de maio em El Balís, na Espanha. Apenas cinco regatas foram disputadas por conta da falta de vento. Dos cinco dias de regatas, em três ele não apareceu. André Mirsky foi o melhor brasileiro, terminando na 13ª colocação geral. O vencedor foi o espanhol José Luiz Doreste.

“Campeonato muito disputado e ao mesmo tempo difícil em funções das condições climáticas adversas e do alto número de participantes. A flotilha foi dividida em 4 grupos de aproximadamente 90 barcos por regata. No último dia de regatas tivemos a entrada de um vento mais firme do quadrante leste de intensidade média, que propiciou 2 Regatas muito técnicas”, disse Pedro Lodovici, 35º colocado.

Além de André e de Pedro, representaram o Brasil:
71. Cristiano Ruschmann
114. Robert Rittscher
148. Paulo Picchetti
171. Luis Felipe G. Mosquera
189. Ricardo Santos
235. Ricardo Valerio
328. Fabiano Vivacqua Jr

Os resultados completos podem ser vistos em: http://sailing.org.es/ao/results/fwm2018/rWhite_5.html?k5

Barcos holandeses dividem liderança de etapa até País de Gales

A nona etapa da Volvo Ocean Race 2017-18 registra uma disputa milha a milha pela liderança entre dois barcos da Holanda. O team AkzoNobel, que conta com a brasileira Martine Grael, tem vantagem mínima para o Team Brunel. ”Dá pra ver o Brunel aqui do lado. O desafio agora será cruzar as zonas de alta pressão. Não sei se chagamos dia 29 em Cardiff”, explicou Martine Grael em conversa com o pai Torben Grael promovida pela Volvo Ocean Race.

A perna transatlântica tem ao todo 3.300 milhas náuticas entre Newport (Estados Unidos) e Cardiff (País de Gales). A pontuação é dobrada. As equipes holandesas foram as que melhor aproveitaram os fortes ventos do Atlântico. O AkzoNobel bateu o recorde histórico de milhas percorridas em 24 horas da Volvo Ocean Race com 602,5 nesta sexta-feira (25).

”Conseguimos quebrar o recorde com mar forte, parecia que tinha uma mangueira de bombeiro ligada o tempo todo. Média de velocidade bem alta e o vento estava bastante constante”, completou Martine.

O cenário no fim de semana faltando três dias para a conclusão da etapa é mais calmo e menos agitado, já que os ventos deram uma trégua. Infelizmente, o team AkzoNobel não pode perder muito tempo com a comemoração. Os efeitos de um anticiclone que fica entre os barcos e a linha de chegada está trazendo os que estavam atrás. Dongfeng Race Team e Vestas 11th Hour Racing estão menos de 20 milhas atrás dos líderes holandeses.

“Há uma enorme área de calmaria à nossa frente”, disse Charlles Caudrelier, comandante do Dongfeng Race Team. “Infelizmente para o líder há uma parede, sem vento. Imagino que haverá uma grande compressão”.

O atual ETA (tempo estimado de chegada) prevê que o líder terminará a prova em Cardiff na terça-feira (29).