Semana de Vela de São Paulo terá premiação em dinheiro

WhatsApp Image 2018-04-28 at 11.44.39 PM (2)

Em uma iniciativa inédita a Fevesp, com o apoio do Paraná Banco, vai distribuir R$ 5 mil em prêmios para os participantes da Semana de Vela de São Paulo. O evento será disputado nas três raias da Guarapiranga entre os dias 31 de maio e 3 de junho e será aberta a todas as classes. As inscrições seguem abertas pelo aplicativo APVela e até o momento 90 embarcações já confirmaram a presença. Não são cobradas taxas de inscrição, porém os velejadores devem estar filiados à Fevesp. A filiação também pode ser feita via aplicativo. Além das regatas, o YCP, sede do evento e o YCSA irão promover Happy Hours, com sorteio de prêmios da North Sails.

Juliana Duque e Rafael Rizzato levam o ouro nos Jogos Sul-Americanos

Rafael Rizzatto e Juliana Duque 01_Crédito Walter Böddener_CBVela

Fiel à sua tradição, a vela brasileira garantiu lugar no topo do pódio na primeira oportunidade que teve nos Jogos Sul-Americanos Cochabamba 2018. Juliana Duque e Rafael Rizzato conquistaram nesta segunda-feira, dia 28, a medalha de ouro na classe Snipe. A dupla venceu três das oito regatas que disputou e nem precisou ir para a água na última prova. Com 14 pontos perdidos, os brasileiros ficaram com o título na Represa Corani-La Barca, no município de Colomi.

“A gente ficou muito feliz com o resultado e com a chance de defender o Time Brasil. Só temos a agradecer à CBVela e ao COB. O campeonato começou com vento mais forte, a gente não foi bem no primeiro dia e voltou da água em terceiro lugar. Mas no segundo dia fomos muito bem e hoje a gente conseguiu segurar (a liderança)”, afirmou Juliana Duque, que também tem no currículo o título mundial feminino da Snipe, ao lado de Amanda Sento-Sé.

A medalha de prata ficou com Matias Seguel e Maria Jesus Seguel, do Chile (17 p.p.). O bronze foi para Daniel Verdier e Daniela Cardozo, da Argentina (25 p.p.). A cerimônia de entrega das medalhas está prevista para a próxima quinta-feira, dia 31.

“É muito importante porque aqui não tem só vela, são vários esportes. A gente vê todo mundo se esforçando por uma medalha. E nós conseguimos”, afirmou Rafael Rizzato. Continuar lendo “Juliana Duque e Rafael Rizzato levam o ouro nos Jogos Sul-Americanos”

Outremer Week, por Karina Hutzler

Aqui no site vira e mexe chega mensagem de gente que quer contar a sua experiência na vela de cruzeiro e hoje nós vamos abrir este espaço oficialmente.  Aproveitamos a ida do casal Hutzler para a Europa para a Outremer Week e Outremer Cup e pedimos para a Karina dar algumas dicas do que ela aprender por lá nos cursos promovidos pelo estaleiro francês de mesmo nome. Karina e Hans são bastante conhecidos dentre os velejadores de catamarã e também da classe Dingue e se preparam para conhecer o mundo a bordo de um veleiro.

Confira as dicas da Karina:

“Atendendo ao convite da nossa amiga Mari Peccicacco, vou contar para vocês um pouco do que vivi nos últimos dias em La Grande Motte, no sul da França. Viemos eu  e meu marido Hans Hutzler para a Outremer Week e Outremer Cup, promovidas pelo estaleiro de veleiros catamarãs Outremer.

A Outremer é parte do grupo Grand Large que tem mais os estaleiros Allure e Garcia Yachting (barcos em alumínio) e agora também fabrica os catamarãs de regata Gunboat em carbono. O Grand Large atua ainda no mercado de embarcações profissionais com três marcas e no mercado de serviços e cursos.

Pela primeira vez a Outremer reuniu diversos cursos no formato de uma semana de aulas teóricas e práticas, antes das regatas da Outremer Cup que já está na sua vigésima primeira edição. Participei de cinco cursos e meu marido de sete.  Os cursos foram em francês e em inglês nos seguintes temas:

  • Manutenção de motores diesel (2 dias)
  • Preparação para partida
  • Manobrando seu barco no mar (turmas mistas e turma só para mulheres)
  • Manobras no porto/marina
  • Técnicas de pesca (teoria e prática)
  • Comunicações offshore e equipamentos de navegação
  • Segurança e resgate
  • Trabalho em cabos (marinharia)
  • Mesas redondas sobre homescholling, bluewater cruising e financiamento de barcos

Além das aulas, foi muito interessante trocar experiências com velejadores de muitos lugares mundo afora, além dos  franceses, claro. Conhecemos americanos, suíços, alemães, australianos, espanhóis, belgas, neozelandeses. Muitos já tinham catamarãs, como nós, e alguns estavam ou esperando seu primeiro cat ou namorando um.

Depois das palavras do CEO Outremer, Xavier Desmarest, o primeiro curso em inglês foi Preparação para partida, com Jan Cuistra.

Fiz muita questão de fazer o curso de segurança e resgate pois morando em Recife – Pernambuco nunca tinha tido chance de fazer um. Foi excelente. Num primeiro momento fomos para a água (gelada!) para o treinamento de lançamento e uso da balsa salva-vidas. A tarde embarcamos num catamarã, claro, e seguimos para fazer a parte de resgate de homem ao mar. Cada dupla teve um que pulou na água e o outro que manobrou sozinho jogando a boia de marcação, enrolando a genoa, descendo a vela mestra, manobrando a motor de volta ao ponto do homem ao mar e içando-o para bordo com a boia apropriada e a adriça do balão.   Continuar lendo “Outremer Week, por Karina Hutzler”

Com recorde, time de Martine Grael é o segundo a completar a nona perna da VOR

O Team Brunel venceu, no fim da noite desta segunda-feira (28), a nona etapa da Volvo Ocean Race com apenas 4 minutos de vantagem para team AkzoNobel, da brasileira Martine Grael.

A prova foi uma das mais rápidas da história da regata de Volta ao Mundo e teve ao todo 3.300 milhas de Newport (Estados Unidos) a Cardiff (País de Gales).

”Foi muito bom vencer a etapa e chegar na frente dos barcos vermelhos (MAPFRE e Dongfeng) que estão na liderança. Foi uma disputa forte e decidida no fim contra o AkzoNobel”, disse Bouwe Bekking, comandante do Team Brunel.

A equipe holandesa do Brunel fez o percurso em 8 dias, 8 horas e 39 minutos. Os compatriotas do AkzoNobel em 8 dias, 8 horas e 43 minutos. ”A gente gostaria da vitória, ficamos um pouco frustrados de não ter vencido, mas o segundo lugar é um ótimo resultado”, explicou a brasileira Martine Grael, integrante do AkzoNobel.   Continuar lendo “Com recorde, time de Martine Grael é o segundo a completar a nona perna da VOR”

Equipe brasileira Onda estreia em 5º no campeonato de TP52

A imagem pode conter: céu, oceano, atividades ao ar livre, natureza e água

No último domingo, 27, chegou ao fim a 1ª etapa do Campeonato de TP52, realizado nas águas claras de Sibenik – Croácia. Com 12 barcos na raia de 8 diferentes nações, a disputa teve a estreia da bandeira brasileira com veleiro Onda, liderado por Eduardo Souza-Ramos e que levou as feras da vela nacional, incluindo Jorginho Zarif, Marcos Grael, André Fonseca “Bochecha” e Robert Scheidt como tático.

Após 5 dias de disputa e 9 regatas, o time brasileiro, que veleja com a bandeira do Iate Clube de Santos, fechou a 1ª fase na quinta colocação.
Cinco etapas estão previstas para o Super Series e a próxima acontece de 19 a 24 de junho em Zadar, também na Croácia.

Resultado geral:
1. Quantum Racing (USA) (Doug DeVos) (4,1,8,1,4,1,3,7) 29 p.
2. Platoon (GER) (Harm Müller-Spreer) (1,4,3,5,7,3,10,1) 34 p.
3. Sled (USA) (Takashi Okura) (12,3,1,8,3,2,2,10) 41 p.
4. Azzurra (ARG/ITA) (Alberto Roemmers) (3,10,10,4,2,7,4,6) 46 p.
5. Onda (BRA) (Eduardo de Souza Ramos) (2,7,5,3,10,6,8,5) 46 p.
6. Luna Rossa (ITA) (Patrizio Bertelli) (7,5,9,9,5,4,7,3) 49 p.
7. Alegre (USA/GBR) (Andrés Soriano) (9,8,6,2,8,8,6,4) 51 p.
8. Phoenix (RSA) (Hasso/Tina Plattner) (8,6,11,6,6,11,5,2) 55 p.
9. Provezza (TUR) (Ergin Imre) (5,9,4,7,12,9,1,9) 56 p.
10. Paprec Recyclage (FRA) (Jean Luc Petithuguenin) (6,12,2,12,1,10,9,12) 64 p.
11. Gladiator (GBR) (Tony Langley) (10(+2 PEN),2,7,11,9,5,12,8) 66 p.
12. XIO Hurakan (ITA) (Marco Serafini) (11,11,12,10,11,12,11,11) 89 p.

Da assessoria do ICS / foto: Nico Martinez / 52 SUPER SERIES

André Mirsky é o melhor brasileiro no Mundial Master de Finn

33114660_1969780943093604_5273295510986293248_o.jpg

Trezentos e cinquenta e dois. Esta foi a quantidade de inscritos no Mundial Master de Finn, disputado entre os dias 18 e 25 de maio em El Balís, na Espanha. Apenas cinco regatas foram disputadas por conta da falta de vento. Dos cinco dias de regatas, em três ele não apareceu. André Mirsky foi o melhor brasileiro, terminando na 13ª colocação geral. O vencedor foi o espanhol José Luiz Doreste.

“Campeonato muito disputado e ao mesmo tempo difícil em funções das condições climáticas adversas e do alto número de participantes. A flotilha foi dividida em 4 grupos de aproximadamente 90 barcos por regata. No último dia de regatas tivemos a entrada de um vento mais firme do quadrante leste de intensidade média, que propiciou 2 Regatas muito técnicas”, disse Pedro Lodovici, 35º colocado.

Além de André e de Pedro, representaram o Brasil:
71. Cristiano Ruschmann
114. Robert Rittscher
148. Paulo Picchetti
171. Luis Felipe G. Mosquera
189. Ricardo Santos
235. Ricardo Valerio
328. Fabiano Vivacqua Jr

Os resultados completos podem ser vistos em: http://sailing.org.es/ao/results/fwm2018/rWhite_5.html?k5

Barcos holandeses dividem liderança de etapa até País de Gales

A nona etapa da Volvo Ocean Race 2017-18 registra uma disputa milha a milha pela liderança entre dois barcos da Holanda. O team AkzoNobel, que conta com a brasileira Martine Grael, tem vantagem mínima para o Team Brunel. ”Dá pra ver o Brunel aqui do lado. O desafio agora será cruzar as zonas de alta pressão. Não sei se chagamos dia 29 em Cardiff”, explicou Martine Grael em conversa com o pai Torben Grael promovida pela Volvo Ocean Race.

A perna transatlântica tem ao todo 3.300 milhas náuticas entre Newport (Estados Unidos) e Cardiff (País de Gales). A pontuação é dobrada. As equipes holandesas foram as que melhor aproveitaram os fortes ventos do Atlântico. O AkzoNobel bateu o recorde histórico de milhas percorridas em 24 horas da Volvo Ocean Race com 602,5 nesta sexta-feira (25).

”Conseguimos quebrar o recorde com mar forte, parecia que tinha uma mangueira de bombeiro ligada o tempo todo. Média de velocidade bem alta e o vento estava bastante constante”, completou Martine.

O cenário no fim de semana faltando três dias para a conclusão da etapa é mais calmo e menos agitado, já que os ventos deram uma trégua. Infelizmente, o team AkzoNobel não pode perder muito tempo com a comemoração. Os efeitos de um anticiclone que fica entre os barcos e a linha de chegada está trazendo os que estavam atrás. Dongfeng Race Team e Vestas 11th Hour Racing estão menos de 20 milhas atrás dos líderes holandeses.

“Há uma enorme área de calmaria à nossa frente”, disse Charlles Caudrelier, comandante do Dongfeng Race Team. “Infelizmente para o líder há uma parede, sem vento. Imagino que haverá uma grande compressão”.

O atual ETA (tempo estimado de chegada) prevê que o líder terminará a prova em Cardiff na terça-feira (29).

Yacht Club Paulista homenageia Joerg Bruder no Classic Sailing Festival

Entre barcos antigos e históricos, a segunda edição do Classic Sailing Festival homenageará neste fim de semana, 26 e 27 de maio, o tricampeão mundial da classe Finn, Joerg Bruder. O lendário velejador é uma das bandeiras do Yacht Club Paulista (YCP), sede do evento, que terá como atração, o segundo Campeonato Brasileiro de Clássicos, na Represa Guarapiranga.

O Classic Sailing Festival terá entrada franca, com estacionamento pago, e ficará aberto das 10h às 17h30, nos dois dias. São esperados cerca de 50 barcos. Alguns, ficarão expostos na sede do YCP, mas a maioria deverá velejar nas regatas de sábado e domingo. “As largadas às 14h, e chegadas, serão em frente à varanda panorâmica do clube para que os visitantes possam acompanhar o espetáculo das embarcações sem terem de ir para a água”, ressalta o diretor de Vela do YCP, Alonso Lopez. Continuar lendo “Yacht Club Paulista homenageia Joerg Bruder no Classic Sailing Festival”

Equipe de Martine Grael bate novo recorde de milhas percorridas em 24 horas

A quinta-feira (24) entrou para a história da Volvo Ocean Race com seguidas quebras de recorde de milhas percorridas em um intervalo de 24 horas a bordo de um modelo VO65.

O primeiro a bater a marca de 2015 – que era do Abu Dhabi Ocean Racing – foi o Team Brunel. Mas não durou muito!

O também holandês team AkzoNobel quebrou a marca com 579,12 milhas náuticas na tarde desta quinta-feira. Horas depois mais um recorde: 585 milhas náuticas.

Os barcos estão aproveitando as condições de vento no Atlântico durante a nona etapa da regata de Volta ao Mundo. A tendência é que novos recordes sejam quebrados pelos barcos nas próximas horas.

A melhor marca história da regata de Volta ao Mundo é do Ericsson 4, de Torben Grael, que fez na edição 2008/09 apenas 11.4 milhas a mais do que o AkzoNobel. O barco era um Volvo Open 70, 5 pés maior do que o atual.

A etapa é a antepenúltima do campeonato e liga Newport ( EUA) a Cardiff (País de Gales). O líder é o recordista do dia, o AkzoNobel, da brasileira Martine Grael. São ao todo 3.300 milhas náuticas até o Reino Unido.

​Refeno: Iate Clube da PB confirma Travessia Noronha/Cabedelo

Camiranga (1)

O retorno das embarcações participantes da 30ª Refeno 2018 ao continente será especial. Este ano, o Iate Clube da Paraíba, com o apoio do Cabanga, anunciou a terceira edição da Travessia Noronha/Cabedelo, visando facilitar uma volta com segurança para todas as embarcações participantes da Refeno.

A partida dos veleiros está programada para a sexta-feira (05 de outubro), a partir das 9h, com dinâmica parecida com a da Refeno. Primeiro os barcos mais lentos, em seguida, largam as embarcações intermediárias. Por último, possivelmente no início da tarde, partem os veleiros mais rápidos.

O valor da travessia, por tripulante, é de R$ 100,00. O pagamento deste valor inclui a confraternização com direito a uma feijoada e 30 dias de estadia da embarcação no Iate Clube da Paraíba ou na Marina de Peter. É importante destacar que no ato da inscrição da Refeno, caso você opte por participar da Travessia, o valor cobrado será acrescido no boleto bancário. Continuar lendo “​Refeno: Iate Clube da PB confirma Travessia Noronha/Cabedelo”