250 velejadores são esperados na Semana de Vela de São Paulo

WhatsApp Image 2018-04-24 at 3.56.34 PM
Entre os dias 31 de maio e 3 de junho a Represa de Guarapiranga vai receber o maior evento náutico da capital: a Semana de Vela de São Paulo. A competição será organizada por todos os clubes da represa e, conforme rodízio estabelecido pela Fevesp, o Yacht Club Paulista será a sede de 2018. A competição é aberta a todas as classes e as regatas serão disputadas nas três raias. São esperados mais de 250 velejadores, que, em breve, poderão fazer a inscrição através do app APVela (disponível para Android e iOS).

Zarif vence regata e é destaque no primeiro dia em Hyères

No primeiro dia de competição na etapa de Hyères da Copa do Mundo da World Sailing (Federação Internacional de Vela), Jorge Zarif foi o principal destaque da delegação brasileira. Após um quinto lugar na regata de abertura, o velejador paulista venceu a segunda prova desta terça-feira, dia 24. Com seis pontos perdidos, aparece em segundo lugar na tabela da classe Finn, atrás apenas do francês Jonathan Lobert (5 p.p.).

A disputa continua até o próximo fim de semana, com as regatas da medalha do campeonato marcadas para sábado (28) e domingo (29).

“Não queria que tivesse a segunda regata, mas deu certo e consegui ganhar. É só o começo, tem muito campeonato pela frente. Mas foi um bom primeiro dia”, afirmou Jorginho, depois de uma tarde de ventos inconstantes na cidade francesa.

O Brasil tem ao todo 13 velejadores competindo em Hyères, em seis classes diferentes. Na Nacra 17, Samuel Albrecht/Bruna Martinelli e João Bulhões/Gabriela Nicolino terminaram o dia no top 20, em 12º e 17º lugares, respectivamente, à frente dos campeões olímpicos Santiago Lange/ Cecilia Carranza, da Argentina, que não completaram a prova.

Um dos palcos mais tradicionais das classes olímpicas, Hyères este ano recebe cerca de 670 atletas de 46 países em mais de 400 barcos. Será a última etapa antes da Final da Copa do Mundo, que reunirá os melhores velejadores da temporada em Marselha (França), de 3 a 10 de junho.

Resultados completos: http://sailing.org/worldcup/results/index.php

Mais informações sobre a Copa do Mundo de Hyères:
http://swc.ffvoile.fr/

Volvo Ocean Race: Tudo embolado na subida para a Bahia

vor

A oitava etapa da Volvo Ocean Race segue equilibrada em seu terceiro dia de regata pelo Oceano Atlântico. Os sete barcos, que saíram no domingo (22) de Itajaí (SC), estão espalhados, mas a diferença entre eles em relação à liderança é pequena.

No relatório enviado pela organização na tarde desta quarta-feira (25), o Vestas 11th Hour Racing tinha vantagem de apenas 10 milhas náuticas para o team AkzoNobel, o sétimo colocado. A etapa tem como destino Newport (Estados Unidos) e tem ao todo 5.700 milhas náuticas.

Os barcos passam pelas refinarias de petróleo na costa brasileira, principalmente entre São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo. Há uma zona de exclusão nesse trecho e por isso os times estão mais a leste do Atlântico. Apenas o Sun Hung Kai | Scallywag está apontado para norte.

“É muito importante conseguir uma boa posição nas próximas 24 horas antes de entrarmos nos ventos alísios. A partir daí será mais lento”, disse Kyle Langford, do Team Brunel.

Nesta quinta-feira (26), os barcos devem entrar nos chamados ventos alísios, já na costa nordestina.

”Estamos navegando pelo lado de fora de uma área de exclusão, outro campo de petróleo. Os ventos são leves e o estado do mar é plano. Ainda estamos com o Vestas no visor e os outros parecem estar atrás de nós. Tenho que estar feliz com isso”, disse Dee Caffari, da Turn on Tide on Plastic.

A competição tem o Dongfeng Race Team como líder da classificação geral, um ponto de vantagem para o MAPFRE. Faltam ainda mais quatro etapas para o fim do campeonato.

Lars e Samuca vencem o Hemisfério de Star com pódio brasileiro

Em uma disputa acirrada nas duas últimas regatas do dia, Lars Grael e Samuel Gonçalves venceram o Hemisfério da classe Star, disputado em Miami entre os dias 12 e 15 de abril. Paul Cayard, que velejou com Tutu Lopes, acabou na segunda colocação, enquanto Jorge Zarif e Guilherme Almeida ficaram com o terceiro posto. Bruno Prada, na proa de Augie Diaz, ficou com a quarta colocação. Lars e Samuca lideraram a competição de ponta a ponta, vencendo duas das oito regatas disputadas.

“Foi uma disputa acirrada com o Paul e nos dias de vento forte, estamos contentes com o resultado. Foi meu sétimo título continental e o segundo Hemisfério”, disse Lars, que completa o currículo com cinco títulos sul-americanos.