Barcos sofrem para completar etapa brasileira da Volvo Ocean Race

Os últimos dias da sétima etapa da Volvo Ocean Race 2017-18 estão se mostrando longos, lentos e dolorosos para os dois barcos que seguem na disputa da perna até Itajaí, em Santa Catarina.

Turn The Tide on Plastic e MAPFRE navegam com velocidade reduzida depois de apresentarem problemas em suas velas durante a prova, que tem ao todo 7.600 milhas náuticas. Não apenas o problema técnico reduz a velocidade dos veleiros! Os ventos seguem com intensidade fraca na costa sul brasileira.

A previsão é que o Turn The Tide on Plastic, que mal consegue andar a 5 nós de vento, chegue neste sábado (7) e os espanhóis do MAPFRE no dia seguinte.

“Não é como os mares do sul! Lá poderíamos fazer essas milhas finais em poucas horas”, disse o navegador Brian Thompson do Turn The Tide on Plastic.

O Turn the Tide on Plastic está mais próximo da linha de chegada em Itajaí, no Brasil, com pouco mais de 120 milhas para andar na medição desta sexta-feira (7). Continuar lendo “Barcos sofrem para completar etapa brasileira da Volvo Ocean Race”

Samuel Albrecht e Bruna Martinelli são confirmados na Equipe Olímpica

SamucaBrunaS.jpg

A velejadora pernambucana Bruna Martinelli (TimePE/Marinha do Brasil/ CBvela-Bradesco/VDS),  juntamente com Samuel Albrecht (Samuca), foram confirmados nesta sexta-feira como titulares da Equipe Brasileira de Vela, pela classe olímpica Nacra 17.

A seletiva para a vaga ocorreu no Troféu Princesa Sofia, em Palma de Maiorca, na Espanha, conforme definido pela CBVela, a Confederação Brasileira de Vela. A dupla brasileira melhor colocada no referido campeonato ficaria com a vaga na equipe para a temporada 2018.

Bruna e Samuca terminaram o campeonato em 14º lugar, com 139 pontos perdidos, 35 de diferença para a dupla João Bulhões/Gabriela Nicolino. Continuar lendo “Samuel Albrecht e Bruna Martinelli são confirmados na Equipe Olímpica”

Leonardo Almeida e Sofia Hutzler vencem o Norte e Nordeste de Dingue

WhatsApp Image 2018-04-02 at 10.10.51 PM

O campeonato Norte e Nordeste da classe Dingue foi disputado no Iate Clube de Aracaju por 13 duplas de Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe. Foram realizadas seis regatas na raia em frente a Coroa do Meio, com vento bastante rondado e correnteza. O nível do campeonato estava alto, com a presença dos dois últimos campeões brasileiros Hans Hutzler , que velejou ao lado de Karina Hutzler, e Leonardo Almeida, que ao lado de Sofia Hutzler ficou com o título da competição por antecipação.

Confira o resultado

Bruno Bethlem e Rodrigo Lins são campeões sul-americanos de Snipe

1º LUGAR.JPG

Depois de três dias de competição chegou ao fim no último sábado (31) o Sul-americano da Classe Snipe 2018. O campeonato reuniu no Clube dos Jangadeiros, em Porto Alegre, mais de 100 atletas da Argentina, Brasil, Cuba, Chile, Guatemala, Peru, Porto Rico e Uruguai. Para o último dia, estavam previstas mais duas regatas que foram canceladas pela inconstância do vento, somando um total de oito regatas disputadas. 

O carioca Bruno Bethlem conquistou o seu segundo título no Sul-americano, o primeiro foi em 2000. “Foi uma semana bastante difícil, com vento fraco e inconstante. A gente fez uma boa preparação e chegamos bem tranquilos. Estávamos há um bom tempo sem vencer no Snipe depois que eu voltei das Olímpiadas, então teve um sabor especial”, diz Bethlem, que em seu longo currículo de vitórias, constam dois títulos mundiais (2009/ 2013), nove brasileiros e Medalha de Ouro nos Jogos Pan-Americanos em 2003.

 O título de vice-campeão ficou com uma nova dupla formada no Jangadeiros por Rodrigo Linck Duarte, o Leiteiro, e Lucas Mazim, com uma diferença de sete pontos do 1º lugar. Velejador com duas Olimpíadas no currículo, Atenas (2004) e Pequim (2008), duas vezes campeão brasileiro e vice-campeão mundial, entre outros títulos, Leiteiro comenta a conquista: “Eu e o Lucas (campeão brasileiro em 2017/2018) estamos muito felizes com o resultado. Foi a primeira vez que velejamos juntos e já deu para ver que a gente se acertou bem. Vamos ver se seguimos tendo bons resultados em outros campeonatos e quem sabe vamos competir no Hemisfério, em Buenos Aires”.

O 3° lugar do pódio ficou com o argentino René Hormazabal e Sidney Bloch, da Escola de Vela de Ilhabela. “Foi um campeonato muito difícil para a gente, de alto nível. Chegamos sem expectativas e fizemos uma média boa nos primeiros dias e acabamos com um ótimo resultado”,comenta René.

Em 4º lugar no Open ficou Alexandre Paradeda e Ana Júlia Tenório, dupla campeã no Misto, que representou a Escola de Vela de Ilhabela e garantiu para o Brasil vaga nos Jogos Pan-Americanos de 2019, em Lima. O 5º lugar é do Uruguai, conquistado pelo multicampeão Ricardo Fabini e a sua dupla Florencia Panizari. Relembrando os títulos: Fabini foi campeão mundial em 1989, do Hemisfério Ocidental em 1991, três vezes campeão no Sul-americano e Medalha de Prata no Pan-Americano.

Na categoria Júnior, o 1° lugar é da dupla atual campeã brasileira na categoria, Felipe Rondina e Christian Shaw, do Iate Clube de Brasília. Os vices-campeões são Philipp Rump e Luis Eduardo Pejnovic, do Jangadeiros, e o 3° lugar foi conquistado por Matheus Oliveira e Rafael Carpallo, da Escola de Vela de Ilhabela.

No Feminino, o título são das gêmeas Amanda e Geórgia Rodrigues, também do Jangadeiros, campeãs brasileiras do Snipe na categoria.

Da assessoria