AkzoNobel volta a velejar rápido na VOR; tripulante do Team Brunel se machuca

O barco team AkzoNobel, que tem com integrante a campeã olímpica Martine Grael, tenta se recuperar na terceira etapa da Volvo Ocean Race 2017-18. A equipe teve duas quebras importantes na semana passada e passou quase três dias tentando arrumar o problema. Agora com 100% em modo regata, a equipe continua em sétimo e último lugar. Apesar de estar quase 300 milhas dos líderes, a tripulação não perde as esperanças. A terceira etapa da Volvo Ocean Race deve ser concluída até dia 25 de dezembro. Os barcos partiram da Cidade do Cabo, na África do Sul, com destino à cidade australiana de Melbourne para 6.500 milhas náuticas pelos mares do sul.

”Agora está tudo certo. A gente está consertando uma tala que quebrou’’, disse Martine Grael. ”Foi bem frustrante não subir o grande por três dias. A gente navegou devagar sabendo que os outros barcos estavam bem mais rápidos’’. 

”Desde a largada foi muito duro o primeiro dia, pra variar. Depois pegamos o frio e os ventos do sul. Está sendo muito legal, com muito vento em popa. Era o que eu esperava para essa perna. E vamos que vamos’’, contou a campeã olímpica Martine Grael.

Na quinta-feira (14), o team AkzoNobel teve a quebra da trilha do mastro e de uma vela importante para ventos fortes. O dano ocorreu quando o barco ocupava a quarta colocação na terceira etapa da Volvo Ocean Race 2017-18. A principal dificuldade dos tripulantes foi fazer o reparo em condições de vento forte e ondas grandes.

 ”Na quinta-feira fomos dar um jibe, o segundo da noite, e assim como qualquer barco, algumas manobras não dão certo. Na real foi bem vergonhoso, pois quebramos todas as talas do grande (vela) e descolou calha (trilha) do mastro. Foi muito complicado reparar a calha. A cola não curou. É muito úmido e frio. Não deu certo. Fizemos uma segunda tentativa e também não deu certo’’, explicou Martine Grael.

Enquanto isso, a bordo do Team Brunel, a velejadora Annie Lush sofreu um incidente enquanto estava no grinder com Peter Burling. Uma onda jogou os dois para longe e ela acabou machucando a coluna. Os dois estavam presos ao cinto de segurança. Annie segue deitada no seu beliche e mandando notícias para os médicos a cada 6h.

 Duelo visual nos mares do sul

Os barcos Dongfeng Race Team e MAPFRE se revezam na ponta da terceira etapa da Volvo Ocean Race. Depois de oito dias de regata – a largada da Cidade do Cabo foi no domingo (10) – os dois barcos estão em contato visual. Faltam menos de 2.700 milhas náuticas para cruzar a linha de chegada em Melbourne, na Austrália.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s