Francês que tentava recorde de volta ao mundo de leste a oeste é resgatado no Horn

O francês Yves le Blevec teve que ser resgatado pela Marinha Chilena nesta quinta-feira após capotar o maxitrimarã Nigel Irens, de 31 metros, no Cabo Horn. Yves estava tentando quebrar o recorde de volta ao mundo de leste a oeste quando ventos de 30 a 40 nós, com ondas de mais de 6 metros o surpreenderam. Ele estava no mar desde o dia 24 de novembro. O tempo a ser batido é de 122 dias, 14h, 3 min e 49s e foi estabelecido em 2004 por Jean Luc Van Den Heede em um monocasco de 85 pés.

Confira o vídeo do resgate: http://bit.ly/2ARqwHl

 

 

AkzoNobel quebra, mas segue velejando na Volvo Ocean Race

Esta quinta-feira, ao dar um jibe nos mares do sul, o barco do Team Akzonobel, que tem Martine Grael a bordo, acabou quebrando o trilho que prende a vela grande ao mastro. O velejador Brad Farrand rapidamente foi içado e resolveu o problema de forma que eles pudessem seguir velejando um pouco mais a norte da flotilha, com ventos mais brandos que os 60 nós de onde estavam mais ao sul.

A etapa partiu da África do Sul e tem como destino a Austrália. A flotilha ainda tem pela frente cerca de 4 mil milhas a serem navegadas.

 

Brasil encerra Mundial da Juventude com dois barcos no top 10

Olivia Belda e Marina Arndt 01_Crédito Jesus Renedo_Sailing Energy.jpg

O Brasil encerrou nesta sexta-feira a participação no Mundial da Juventude em Sanya, na China, com dois barcos no top 10. Na classe Laser Radial masculina, Tiago Quevedo terminou na sétima colocação, com 81 pontos perdidos. Na 420 feminina, Olivia Belda e Marina Arndt acabaram na décima posição (85 p.p.). Com uma média de idade relativamente baixa até mesmo para os padrões de um campeonato de Vela Jovem, a delegação brasileira terminou o evento com uma projeção positiva de evolução no futuro.

“As condições aqui em Sanya estavam difíceis, com ventos muito rondados. Mais do que o resultado, a experiência de viver um campeonato como esse é muito importante para os atletas jovens. Foi bom para eles terem a dimensão de um evento neste nível, que é uma versão miniatura da competição de vela dos Jogos Olímpicos, com só um barco por país em cada classe”, analisou o técnico Alexandre Saldanha, chefe da Equipe Brasileira na China.  Continuar lendo “Brasil encerra Mundial da Juventude com dois barcos no top 10”