Com vento fraco, 102 barcos largam de Sydney rumo a Hobart

2017-rolex-sydney-hobart-yacht-race-start-credit-rolex-carlo-borlenghi

O céu cinza não tirou o entusiasmo dos 102 barcos que largaram neste dia 26 em Sydney, na Austrália, rumo à Hobart, em uma das regatas oceânicas mais tradicionais do mundo. O vento estava bastante fraco, entre 5 e 8 nós, bem diferente dos últimos anos quando ele aparecia bastante forte. Na disputa entre os maxis, o Wild Oats XI, de vela a direita, cambrou bem próximo ao LDV Comanche, que estava de vela a esquerda, quase causando uma colisão e deixando claro que a disputa seria acirrada nas próximas 628 milhas da regata.

Confira o vídeo do momento do incidente aqui.

Foto de Carlo Borlenghi

 

Volvo Ocean Race: Mapfre vence etapa que levou equipes à Austrália

m109675_13-03-171224-asv-01814-7454.jpg
O barco MAPFRE foi o vencedor da terceira etapa da Volvo Ocean Race. A equipe comandada pelo campeão olímpico Xabi Fernández cruzou a linha de chegada na tarde deste domingo (24), já dia de Natal em Melbourne, na Austrália, destino final das 6.500 milhas náuticas de prova.
Os espanhóis fizeram o percurso, que saiu da Cidade do Cabo, na África do Sul, em 14 dias, 4 horas e 7 minutos. O resultado dá 14 pontos ao MAPFRE e mais um de bônus pela vitória na perna pelos mares do sul. O MAPFRE já liderava o campeonato e agora abre, no mínimo, seis pontos para o Dongfeng Race Team, que foi o segundo a chegar, quatro horas depois. Vestas 11th Hour Racing, Team Brunel, Team Sun Hing Kai/Scallywag e Turn The Tide On Plastic também chegaram nesta ordem, entre o dia 24 e 26. O Team AkzoNobel, de Martine Grael, que teve problemas a bordo, deverá chegar ainda nesta quarta-feira.

Continuar lendo “Volvo Ocean Race: Mapfre vence etapa que levou equipes à Austrália”

Em Miami, Guilherme Perez disputa o Orange Bowl Internacional Youth Regatta

unnamed (51)

O atleta do Jangadeiros, Guilherme Perez, vai representar o Brasil na Orange Bowl Internacional Youth Regatta, maior regata juvenil dos Estados Unidos, que acontece no Coral Reef Yacht Club, em Miami. O campeonato reúne de 26 a 30 dezembro, jovens com menos de 18 anos de diferentes países. “É como se fosse uma Copa da Juventude americana, com mais de 100 velejadores na minha classe, a Laser Radial”, diz Guilherme. “Eu treinei bastante nos últimos três meses. Dei um intensivo. Acho que vou ir bem”, finaliza.

Em 2016, participaram 750 velejadores de mais de 20 países e de 28 estados dos Estados Unidos.

Retrospecto da vela master em 2017 (por Manfred Kaufmann Jr)

WhatsApp Image 2017-09-23 at 4.08.28 PM

O esporte Master cresce mundialmente e nacionalmente com os respectivos órgãos atuando intensamente para fomentar a categoria em diversas modalidades. A International Masters Games Organization (www.imga.ch / FB: @IMGAmastersgames) realizou os World Master Games 2017 em Auckland, Nova Zelândia em abril passado com a participação de mais de 25.000 atletas em 28 modalidades. O Brasil estreou na vela dos WMGs com a participação de Manfred Kaufmann Jr. do YCP na classe Laser STD. Os WMGs são realizados a cada 4 anos e os próximos serão no Japão em 2021 (www.wmg2021.jp / FB: @wmg2021).

No Brasil, o CBEM (Comitê Brasileiro do Esporte Master / https://www.facebook.com/Comit%C3%AA-Brasileiro-do-Esporte-Master-159159718001850/ ) trabalha intensamente para desenvolver a categoria e conseguiu confirmar, em abril passado, a realização dos Jogos Panamericanos Master 2020 no Rio de Janeiro. Continuar lendo “Retrospecto da vela master em 2017 (por Manfred Kaufmann Jr)”

AkzoNobel volta a velejar rápido na VOR; tripulante do Team Brunel se machuca

O barco team AkzoNobel, que tem com integrante a campeã olímpica Martine Grael, tenta se recuperar na terceira etapa da Volvo Ocean Race 2017-18. A equipe teve duas quebras importantes na semana passada e passou quase três dias tentando arrumar o problema. Agora com 100% em modo regata, a equipe continua em sétimo e último lugar. Apesar de estar quase 300 milhas dos líderes, a tripulação não perde as esperanças. A terceira etapa da Volvo Ocean Race deve ser concluída até dia 25 de dezembro. Os barcos partiram da Cidade do Cabo, na África do Sul, com destino à cidade australiana de Melbourne para 6.500 milhas náuticas pelos mares do sul.

”Agora está tudo certo. A gente está consertando uma tala que quebrou’’, disse Martine Grael. ”Foi bem frustrante não subir o grande por três dias. A gente navegou devagar sabendo que os outros barcos estavam bem mais rápidos’’.  Continuar lendo “AkzoNobel volta a velejar rápido na VOR; tripulante do Team Brunel se machuca”

François Gabar quebra o recorde de volta ao mundo em solitário

Ele conseguiu! François Gabart é homem mais rápido a dar a volta ao mundo sozinho em um barco a vela. Ele levou 42 dias, 16 horas e 40 minutos para percorrer 27.859,68 milhas ao redor do globo, com uma velocidade média de 27,2 nós e máxima de 39,2 nós. O recorde anterior era de 49 dias, 3 horas, 4 minutos e 28 segundos e havia sido estabelecido por Thomas Coville.

Gabart velejou o tempo todo à frente da marca anterior e chegou a quebrar outros recordes neste último trecho entre o Horn e a linha de chegada. A marca atual ainda vai ser ratificada pela WSSRC.

Em Ilhabela, final da Copa Brasil define Equipe Brasileira de Vela Olímpica

Jorge Zarif_Credito Ana Catarina

O fim da Copa Brasil 2017, neste sábado, dia 16, marca a virada do calendário para a vela brasileira. Os campeões da principal competição do país, que foi disputada ao longo da última semana em Ilhabela, garantiram vaga na equipe nacional para 2018. Nas classes olímpicas, os vencedores foram: Fernanda Oliveira e Ana Barbachan (470 feminina), Geison Mendes e Gustavo Thiesen (470 masculina), Jorge Zarif (Finn), Gabriella Kidd (Laser Radial), Bruno Fontes (Laser), Carlos Robles e Marco Grael (49er), Patrícia Freitas (RS:X feminina) e Gabriel Pereira (RS:X masculina).

“Venho treinando desde 2014 com esse objetivo em mente, de ser o número um do Brasil. Esse resultado foi fruto de muito treino”, explica Gabriel, de 23 anos, o único velejador que é estreante no time este ano. “É o sonho de todo atleta entrar na Equipe Brasileira de Vela. Espero ter oportunidade de competir no exterior, já pensando no Mundial da Dinamarca do próximo ano, que vai ser uma seletiva de classificação para o país para os Jogos de Tóquio 2020.” Continuar lendo “Em Ilhabela, final da Copa Brasil define Equipe Brasileira de Vela Olímpica”

Francês que tentava recorde de volta ao mundo de leste a oeste é resgatado no Horn

O francês Yves le Blevec teve que ser resgatado pela Marinha Chilena nesta quinta-feira após capotar o maxitrimarã Nigel Irens, de 31 metros, no Cabo Horn. Yves estava tentando quebrar o recorde de volta ao mundo de leste a oeste quando ventos de 30 a 40 nós, com ondas de mais de 6 metros o surpreenderam. Ele estava no mar desde o dia 24 de novembro. O tempo a ser batido é de 122 dias, 14h, 3 min e 49s e foi estabelecido em 2004 por Jean Luc Van Den Heede em um monocasco de 85 pés.

Confira o vídeo do resgate: http://bit.ly/2ARqwHl

 

 

AkzoNobel quebra, mas segue velejando na Volvo Ocean Race

Esta quinta-feira, ao dar um jibe nos mares do sul, o barco do Team Akzonobel, que tem Martine Grael a bordo, acabou quebrando o trilho que prende a vela grande ao mastro. O velejador Brad Farrand rapidamente foi içado e resolveu o problema de forma que eles pudessem seguir velejando um pouco mais a norte da flotilha, com ventos mais brandos que os 60 nós de onde estavam mais ao sul.

A etapa partiu da África do Sul e tem como destino a Austrália. A flotilha ainda tem pela frente cerca de 4 mil milhas a serem navegadas.

 

Brasil encerra Mundial da Juventude com dois barcos no top 10

Olivia Belda e Marina Arndt 01_Crédito Jesus Renedo_Sailing Energy.jpg

O Brasil encerrou nesta sexta-feira a participação no Mundial da Juventude em Sanya, na China, com dois barcos no top 10. Na classe Laser Radial masculina, Tiago Quevedo terminou na sétima colocação, com 81 pontos perdidos. Na 420 feminina, Olivia Belda e Marina Arndt acabaram na décima posição (85 p.p.). Com uma média de idade relativamente baixa até mesmo para os padrões de um campeonato de Vela Jovem, a delegação brasileira terminou o evento com uma projeção positiva de evolução no futuro.

“As condições aqui em Sanya estavam difíceis, com ventos muito rondados. Mais do que o resultado, a experiência de viver um campeonato como esse é muito importante para os atletas jovens. Foi bom para eles terem a dimensão de um evento neste nível, que é uma versão miniatura da competição de vela dos Jogos Olímpicos, com só um barco por país em cada classe”, analisou o técnico Alexandre Saldanha, chefe da Equipe Brasileira na China.  Continuar lendo “Brasil encerra Mundial da Juventude com dois barcos no top 10”