André Mirsky e Jorge Zarif disputam o Mundial de Finn

Jorge Zarif_Credito Pedro Martinez_Sailing Energy (1).jpg

O Brasil terá dois representantes na Gold Cup 2017, o Campeonato Mundial da classe Finn, que será disputado na cidade de Balatonföldvár, na Hungria. Jorge Zarif e André Mirsky estarão na disputa em uma raia cheia: ao todo, 124 embarcações estão inscritas. As primeiras regatas estão previstas para a próxima segunda-feira, dia 4, a partir de 6h (de Brasília). A competição vai até o próximo dia 10, data da regata da medalha.

Segundo colocado no ranking mundial e campeão da Gold Cup em 2013, Jorge Zarif chega ao campeonato após quatro meses de intensa preparação. O velejador perdeu 8 quilos em busca de um rendimento mais efetivo nos ventos tradicionalmente fracos e rondados do icônico Lago Balaton, local das provas.

“Vai ser um campeonato de média. Top 10 nas regatas é bom resultado. Quem tiver esta pontuação estará na briga. Cresci velejando na Represa de Guarapiranga, em São Paulo, que é bem parecida. Quero ficar entre os três primeiros”, afirmou Jorginho, titular da Equipe Brasileira de Vela e quarto colocado na classe Finn nos Jogos Rio 2016.

Entre os candidatos a pódio estão o britânico Bem Cornish, líder do ranking mundial; e velejadores que ficaram no top 10 dos Jogos Olímpicos, como o sueco Max Salminen, o argentino Facundo Olezza e o australiano Jake Lilley. Com tantos barcos na disputa, a estratégia nas largadas será um dos fatores mais importantes na competição.

“As largadas serão muito grandes e, por isso, muito decisivas. Pretendo sair um pouco mais no limite do que o normal para tentar ‘limpar’ boa parte da flotilha já no começo”, explicou Jorge Zarif.

Os resultados poderão ser acompanhados por aqui: http://bit.ly/2vII4id

Da assessoria/Foto Pedro Martinez

Vela Master disputa eventos em Minas e em Santa Catarina

 

No final de semana de 19 e 20 de agosto a Vela Master brasileira teve dois eventos da classe Laser:

COPA SUL MASTER

Em Floripa – SC, organizado pelo ICSC (sede de Jurerê) e pela Classe Laser SC, foi realizada a 1ª Copa Sul Master, reunindo 19 velejadores, sendo 9 no Laser STD e 10 no Laser Radial, representando SC, RS e RJ. Foi o primeiro evento de uma série, que será sempre voltada para velejadores Master. A 2ª Copa Sul Master, programada para 2018, será no RS.

TORNEIO PAULO BANDEIRA

Em Juiz de Fora – MG, na represa Dr. João Penido, foi organizado pela Classe Laser MG e com a CR do Iate Clube da Lagoa dos Ingleses de Belo Horizonte, o 3º Torneio Paulo Bandeira. Participaram 10 velejadores Masters, em uma flotilha de 15 Lasers STD, de  MG, SP e RJ. O 4º Torneio também já está programado para 2018.

Texto por Manfred Kauffmann Jr

 

Volvo Ocean Race: Turn The Tide On Plastic anuncia quatro tripulantes

A equipe Turn the Tide on Plastic anunciou quatro novos jovens velejadores para a sua campanha na Volvo Ocean Race: a dupla portuguesa Bernardo Freitas e Frederico Pinheiro de Melo, o galês Bleddyn Mon e o britânico Henry Bomby passam agora a fazer parte da tripulação liderada pela skipper Dee Caffari.

O quarteto multinacional garantiu o seu lugar depois de um intenso período de testes que decorreu em Lisboa e faz agora parte da equipe Turn the Tide on Plastic, que participa na regata à volta do mundo com início no dia 22 de outubro em Alicante. 

“Temos connosco muito talento jovem,” disse Caffari, que está cumprindo a sua promessa de garantir, na linha de largada, uma equipe mista com um gvelejadores jovens.

A equipe passará a mensagem do programa ambiental das Nações Unidas “Clean Seas”. Este projeto conta com o apoio da Fundação Mirpuri, que é o seu principal parceiro, e garantiu com a presença dos velejadores portugueses  Bernardo Freitas e Frederico Pinheiro de Melo, laços estreitos com Portugal.

“Nós testámos oito velejadores portugueses e no final selecionamos o Bernardo e o Frederico,” disse Caffari. “Em Portugal há pouca experiência em vela oceânica, mas há velejadores de elevado nível. Ambos são fisicamente muito fortes e têm um excelente conjunto de competências.”

“Bleddyn Mon é um talentoso velejador, e tinha um dos melhores indices físicos da equipa Land Rover BAR, que participou recentemente na America’s Cup. Como engenheiro é muito analítico, excelente na verificação e validação de informação e muito bom trimmer. Estou muito satisfeita de tê-lo a bordo e espero vê-lo crescer como velejador oceânico.”

“Henry Bomby tem muitas milhas de vela oceânica na classe Figaro, e como todos os bons velejadores pode fazer várias tarefas a bordo. Ele sente-se confortável com altas velocidades e está em grande forma física. Estou muito empenhada em poder provar que estes jovens velejadores podem ser tão competitivos com os experientes “veteranos” que vão participar na regata.”

Além do foco na sustentabilidade, as questões de gênero e idade serão de grande relevância nesta campanha.

Na última semana, a equipe anunciou a velejadora olímpica Francesca Clapcich (29) e  Lucas Chapman (25) como elementos da tripulação que se juntaram à skipper Dee Caffari e à australiana Liz Wardley.

Após dois dias sem vento, Mundial de 49er começa em Portugal

320508_727830_roberto_mundial_porto_web_.jpg

Após dois dias à espera do vento, o Campeonato Mundial de 49er finalmente começou nesta quarta-feira (30), na cidade do Porto, em Portugal. As campeãs olímpicas Martine Grael e Kahena Kunze, são as melhores do time brasileiro e ocupam a 4ª colocação no 49erFX. Na 49er, Robert Scheidt e o proeiro Gabriel Borges são os melhores brasileiros na disputa. Com 8º, 24º e 9º lugares, aparecem na 37ª posição no geral. Os líderes são os alemães Tim Fischer e Fabian Graf, com 3 pontos perdidos. Os demais brasileiros em Portugal, Dante Bianchi/Thomas Low-Beer e Carlos Robles/Marco Grael aparecem em 50º e 66º lugares, respectivamente.  O Mundial segue nesta quinta-feira (31), com expectativa de vento forte.

“Finalmente o campeonato começou. Após uma longa espera de dois dias e do período da manhã desta quarta, fomos para a água por volta das 14h. Começou com vento fraco, entre 5 e 6 nós, e terminou, na última regata, por volta dos 10 nós. Largamos bem nas três provas. Na primeira chegamos a estar em terceiro, mas cometemos alguns erros e terminamos em oitavo. Na segunda também tivemos boas chances, contudo não soubemos ler bem o vento e tomamos decisões equivocadas. Na última corrida novamente conseguimos velejar bem. Estamos felizes e vamos com tudo”, disse o bicampeão olímpico.

Resultados

Da assessoria 

Americano Bora Goulari sofre grave acidente no Nacra 17

13872892_10155092838879746_4523024537185822037_n.jpg

O americano Bora Goulari está hospitalizado após perder três dedos da mão direita durante um treino em La Grande Motte, na França. A cidade será sede do próximo Mundial e ele e sua proeira Helena Scutt estavam treinando, quando, em uma arribada com 18 nós, o barco capotou e ele prendeu os dedos no bordo de fuga do foil. Ele ficou inconsciente e foi resgatado pelo treinador italiano Gabriele Bruni, que estava próximo à  dupla, de bote.

“Eles estavam treinando e em uma arribada o barco entrou com a proa na água, o que é comum. Sua mão, no entanto, acabou no bordo de fuga da bolina de boreste. Eu o puxei para fora d’água, pois percebi que estava meio fraco e, assim que o peguei, vi que estava com a mão cheia de sangue e que seus dedos não estavam ali. Coloquei ele no bote e, pelo rádio, acionei o pessoal em terra, solicitando um carro com urgência. Passei um antisséptico que estava no kit de primeiros socorros do barco, enquanto ele gritava de dor. O pior foi quando ele me pediu que tirasse suas luvas que estavam apertando a ferida”, disse o treinador italiano.

O técnico americano chegou em seguida e ajudou no resgate, assim como o argentino Santiago Lange, que voltou velejando o barco para o clube.

Goulari é campeão mundial de Moth e de Melges 24 e participou dos Jogos do Rio 2016 na classe Nacra 17. a previsão é que ele tenha alta em 4 semanas.

O incidente é só mais um capítulo na classe, que tem estado nas notícias nos últimos dias, por conta de um recall com uma peça que se quebrava facilmente.

Atualizado às 18h36

Barco Talismann é o primeiro a chegar para a Refeno

Refeno Elvis Boaventura

Faltando exatamente um mês para a 29ª edição da Regata Internacional Recife – Fernando de Noronha, marcada para o dia 30 de setembro, com largada no Marco Zero do Recife, a primeira embarcação já chegou ao Cabanga Iate Clube de Pernambuco.

O barco Talismann, do modelo Jeanneau 42 DS, veio de Alagoas e é comandado por Antônio Carlos Kotovicz. A tripulação é composta por Antônio Fernando M. B. Costa, Luiz Phillipe Malta Buyers e Marcel Pontes de Miranda.

No ano passado, velejando pela Classe RGS B, a embarcação alagoana, que já participou mais de 20 vezes da Refeno, foi a segunda colocada, chegando ao Arquipélago de Fernando de Noronha em 37h53min29s.

Até o momento, a Refeno, conhecida como a maior regata oceânica do Brasil, conta com 42 barcos inscritos e mais 19 pré-inscritos. Pernambuco é o Estado, até agora, com o maior número de embarcações, sendo 14 barcos, seguido de perto pelo Rio de Janeiro, que até o momento conta com 13.

As inscrições para a 29ª Refeno seguem abertas e podem ser feitas através do sitewww.refeno.com.br. Estão aptas para participar da Regata Recife – Fernando de Noronha as embarcações das classes ORC, RGS, Mocra, Multucasco, Catamarã, Multicasco Trimarã, Aço, Bico-de-Proa, Aberta e Turismo.

A Refeno 2017 conta com o patrocínio da Empetur, além dos apoios da Administração de Fernando de Noronha, Prefeitura do Recife, Capitania dos Portos de Pernambuco, 3º Distrito Naval, Parque Marinho de Fernando de Noronha, ICMBio, Armazéns do Porto, Porto Novo, Spot, Agemar e Hotel Luzeiros.

Abertura do Mundial de 49er é adiada em mais um dia

21167263_10156596914564972_4989145514703517528_o.jpg

Os barcos continuam em terra na cidade do Porto, em Portugal, à espera de vento para iniciar a disputa do Campeonato Mundial da Classe 49er. Assim como na segunda-feira, neste terça (29) as condições meteorológicas não permitiram a largada das regatas. Para esta quarta-feira (30), a situação deve mudar e apresentar desafios para as quatro duplas brasileiras que participam da comperição: Carlos Robles/Marco Grael, Robert Scheidt/ Gabriel Borges, Dante Bianchi/Thomas Lowbeer e as campeãs olímpicas Marine Grael/Kahena Kuze. Uma frente fria está sendo esperada e deve provocar ventos fortes e ondas grandes.

Scheidt faz sua estreia na maior e mais importante competição na nova classe e está ansioso para colocar seu 49er na água. “Estamos há três dias parados, um de descanso, domingo, e dois por falta de tempo favorável. Nesta terça, não tinha vento nenhum e choveu pela manhã. Mas a expectativa é para a entrada da frente amanhã (quarta), com muito vento e ondas grandes, o que será um desafio para nós. Mas espero mesmo que possamos estrear logo no Mundial”, disse o velejador.

As regatas serão disputadas diariamente e têm início previsto para 6h55 (horário de Brasília). A competição este ano conta com 84 tripulações na 49er. O campeonato vai até este sábado, dia 2 de setembro, data da regata da medalha.

Com informações da assessoria de Scheidt

Snipe Day reúne mais de 20 barcos na Guarapiranga

A flotilha paulista da classe Snipe promoveu no último final de semana o Snipe Day. O objetivo do evento é apresentar a classe para os velejadores mais novos, que estão ou que já saíram do Optimist. O sábado começou com uma palestra, apresentando a classe, e depois, cada criança assumiu o leme de um dos barcos e os donos foram na proa. O evento contou com a participação do Lemão, maior fabricante de Snipes do mundo, que foi o grande vencedor.

“A iniciativa da flotilha paulista em realizar um evento deste é ótima. Foi muito bem organizado e, de repente vender a ideia para outros estados. É importante por que trazemos para a classe uma molecada nova e a classe está carente de renovação. O degrau que existe entre a saída do Op e a aquisição de um novo barco, para o pai, é um investimento muito grande. Se juntar dois pais, por exemplo, para comprar um barco, é uma boa opção. Precisamos desenvolver mais a classe Junior. Creio que, com exceção do Brasileiro, será legal permitir um timoneiro Jr correr com um timoneiro sênior”, disse Lemão.

Para ver mais fotos, clique aqui

fotos Maria Carolina Leal Polidori

 

Falta de vento adia início do Mundial de 49er

320280_726631_robert_porto_web_

A falta de vento impediu a largada das regatas no primeiro dia do Campeonato Mundial de 49er, na cidade do Porto, em Portugal. Participam da competição os brasileiros Carlos Robles/Marco Grael, Robert Scheidt/Gabriel Borges, Dante Bianchi/Thomas Low-beer e Martine Grael/Kahena Kunze. “Ficamos o dia todo na expectativa, mas só tivemos vento girando entre dois a quatro nós, insuficiente para começar a disputa. Com isso, a programação foi cancelada e passa para amanhã(terça)”, Scheidt.

As regatas serão disputadas diariamente e têm início previsto para 6h55 (horário de Brasília). A competição este ano conta com 84 tripulações na 49er. O campeonato vai até o dia 2 de setembro, data da regata da medalha.

Com informações da assessoria de Scheidt

Brasileiros encerram Mundial de Laser Radial entre os 40

Andrey Godoy

O Mundial de Laser Radial terminou no último sábado em Medemblik, na Holanda, sem vento e, por tanto, sem regatas. O Brasil teve dois inscritos. O paranaense Andrey Godoy encerrou sua participação na 34ª colocação geral. Andrey chegou a liderar o evento no primeiro dia com vitória na primeira regata, porém acabou sendo penalizado com duas bandeiras pretas e uma desqualificação. O vencedor entre os homens foi o polonês Marcin Rudawski. Entre as meninas, Gabi Kidd foi 38ª, também com três resultados ruins (DSQ, BFD e RET). Marit Bowmeester, da Holanda, foi a vencedora confirmou que segue em plena forma na classe.

Veja os resultados completos aqui.