Sem regatas, Rondina/Peiter chegam na final do BRA de Snipe na liderança

A Comissão de Regatas bem que tentou, mas o vento não quis colaborar com os velejadores que disputam o 68° Campeonato Brasileiro de Snipe na Escola de Vela Lars Grael em Ilhabela. No horário previsto para a largada da primeira prova, entrou uma chuva forte que fez com que ele desaparecesse. Enquanto os velejadores aguardavam em terra, mais uma vez a chuva fez o vento sumir e com isto nenhuma das duas regatas programadas para o dia puderam ser realizadas. Os brasilienses Felipe Rondina e João Pedro Peiter lideram com apenas um ponto de vantagem sobre os baianos Mateus Tavares e Gustavo Carvalho,  atuais campeões brasileiros e mundiais, que aparecem em segundo na súmula.

“O campeonato está muito embolado, os cinco primeiros têm chance de vencer e teremos que velejar bem amanhã, sem pensar em marcar ninguém”, disse Mateus.

O interessante deste Campeonato Brasileiro é que, mesmo tendo o nível mais alto dos últimos tempos, com campeões mundiais, pan-americanos, sul-americanos e brasileiros na raia, quem está se destacando é a flotilha junior, de velejadores que têm até 21 anos, como é o caso de Felipe, que tem apenas 19.

“É bom ter essa renovação da classe em alto nível. Dos 11 primeiros somos quatro juniores. Isso mostra a evolução da classe no Brasil. Confesso que não esperava esse resultado tão bom, mas acho que é consequência de muita dedicação.  Eu velejo há 12 anos, sendo seis na classe Snipe. Se tiver regata amanhã vou apenas focar na velejada e no final vemos o resultado”, disse Felipe.

Mateus é um velejador experiente, já fez até campanha olímpica, porém foi com o jovem Gustavo, de 18 anos, que ele conquistou seu primeiro título mundial. “Ele é um excelente atleta, bom velejador, mas o ponto forte é o astral! Com ele não tem tempo ruim. Ele está vindo com essa nova leva de velejadores que está se destacando na classe e tem talento para velejar como timoneiro também”, completou Mateus.

Para esta sexta-feira, último dia de competição, estão previstas até três regatas. No final do dia haverá a cerimônia de premiação no Sea Club.

Para ver os resultados após seis regatas e um descarte, clique aqui.

 

O 68º Campeonato Brasileiro de Snipe tem a organização da Flotilha 455 Ilhabela, E-ventos e CBVela e conta com o apoio da Prefeitura de Ilhabela, Fevesp, Coordenação Classe Snipe SP, PecciCom, Quantum Sails, North Sails e Repelente SBP.

IDEC conquista o Trofeu Julio Verne de barco mais rápido a dar a volta ao mundo

idec3.jpg

E não é que eles conseguiram? O maxitrimarã Idec acaba de conquistar o Trofeu Julio Verne, que premia o barco mais rápido a dar a volta ao mundo. Sob o comando de Francis Joyon, Clément Surtel, Alex Pella, Bernard Stamm, Gwénolé Gahinet e Sébastien Audigane completaram a circum-navegação do globo em 40 dias, 23 horas, 30 minutos e 30 segundos, diminuindo o antigo recorde, que pertencia a Loick Peyron, em 4 dias, 14 horas, 12 minutos e 23 segundos. A velocidade média para percorrer as 26 mil milhas foi de 26,85 nós.

Para conhecer a história do Trofeu, confira esta matéria.