Falta de vento cancela mais uma vez as regatas do Brasileiro de Standard e 4.7

img_2984

Sem vento, sem regatas. Esta frase está sendo repetida quase que como um mantra entre os velejadores da classe Laser que disputam o Campeonato Brasileiro de Standard e 4.7 no Yacht Club Santo Amaro, na Guarapiranga, em São Paulo. Pelo segundo dia consecutivo o vento, protagonista da competição, não apareceu e os velejadores ficaram ‘de castigo’ em terra. Às 13h30, a Comissão de Regatas até chegou a baixar a bandeira Recon, que sinaliza o atraso nas provas, mas minutos depois a forte chuva acabou com o vento. O cancelamento das regatas foi confirmado no fim da tarde e, com a notícia, o programa está atrasado em quatro regatas.

“Por um lado, a espera está sendo boa para que eu consiga descansar, pois vim direto de Vitória para cá e não tive nenhum dia bom de velejada ainda, mas por outro, estou bastante ansioso para competir na classe e testar o barco. Com certeza, se eu pudesse escolher, estaria velejando neste momento”, disse Nicolas Bernal, de apenas 14 anos, que venceu, no último final de semana, o Campeonato Brasileiro de Optimist, disputado em Vitória, ES.

E para passar o tempo, cada um inventa uma coisa. Teve gente que jogou pingue-pongue, baralho, colocou o papo em dia e, na hora que a chuva deu uma trégua, os mais experientes aproveitaram para batizar novamente os que participam da competição pela primeira vez.

“O batizado é um evento tradicional da vela brasileira. Todas as classes têm. No Laser existe o batizado da classe e o batizado entre as flotilhas. A classe aproveita um dia sem vento no Brasileiro para fazer atividades como cabo de guerra, campeonato de barrigada na água, pintar a unha e a cara, jogar ovo, etc. É como um trote de faculdade para receber os novatos e descontrair”, disse Juliétty Tesch, que sempre está à frente da organização destas atividades.

Para esta quinta-feira estavam programadas três regatas, as duas do dia, mais uma que ficou em atraso da quarta-feira, quando não houve disputa por falta de vento. Com quatro regatas em atraso, a previsão é de que três sejam realizadas nesta sexta e mais três no sábado. Para que o campeonato seja válido, quatro regatas têm de ser realizadas. Até o momento foram feitas apenas duas.

Entenda a classe 

A classe Laser é dividida em três, Radial, 4.7 e Standard. Todas têm o mesmo casco, porém as velas possuem tamanho diferente. A 4.7 é a menor de todas, com 4,70m² de área, perfeita para um velejador que pese entre 45 e 60 kg. Já a Standard é a maior de todas, com 7m² de área, o que exige um velejador com peso maior, entre 78 e 85 kg. É a classe olímpica para homens.

O 43º Campeonato Brasileiro da Classe Laser é organizado pelo Yacht Club Santo Amaro e pela Classe Laser SP, tem a chancela da CBVela e da Fevesp e conta com o apoio da Vcat, Notícias Náuticas e Sailstation.

Programação do 43º Brasileiro de Laser:  

Laser Standard e 4.7:  

16/01 – Confirmação de inscrição / credenciamento / medição.

17/01 a 21/01 – REGATAS

Site oficial: http://laser2017.sailstation.com/

Fanpage oficial: https://www.facebook.com/BrasileiroDeLaser

Sobre o Yacht Club Santo Amaro:  

O YCSA, como é conhecido o Yacht Club Santo Amaro, foi fundado em 1930 às margens da Guarapiranga por velejadores alemães. Ao longo destes mais de 80 anos de história, revelou grandes nomes do iatismo nacional, como Robert Scheidt, Alex Welter, Cláudio Biekarck, Reinaldo Conrad, Peter Ficker, Gunar Ficker e Marcelo Batista. No seu quadro de medalhas estão diversos títulos mundiais, pan-americanos, sul-americanos e, claro olímpicos.

Confira os melhores classificados após duas regatas:

Laser Standard

1º Alex Veeren, 5 pontos perdidos

2º João Pedro de Oliveira, 5 pp

3º Stephan Kunath, 8 pp

4º Felipe Echenique, 10 pp

5º Phillipp Grochtmann, 13 pp

Laser 4.7

1º Andrey Godoy, 3 pontos perdidos

2º Pedro Bomeisel, 5 pp

3º Luiz Otavio Correia, 8 pp

4º João Pedro Frimm, 10 pp

5º Tiago Monteiro, 12 pp

BL3 sedia Royal Pyceta Series da classe Star a partir do dia 26

15844393_1337545312953244_6958037017093507270_o.jpg

Entre os dias 26 e 29 de janeiro a BL3 será sede do Royal Pyceta Series – First Round 2017. Todos os velejadores da classe Star estão convidados a participarem do evento. As inscrições podem ser feitas na secretaria da BL3, na praia da Armação, em Ilhabela. Oito regatas estão programadas, sendo no máximo três por dia. Após as regatas haverá confraternização no bar do Dani.

Ventaneiro é o melhor brasileiro no Circuito Atlántico Sur após quatro regatas

15994555_880869212050477_3623590938830025977_o.jpg

Está sendo disputado em Punta del Este, no Uruguai, o Circuito Atlántico Sur para as classes ORC e IRC. O Dufour 500 Ventaneiro é o melhor brasileiro na segunda colocação da classe IRC A e quarto no geral. Até o momento foram disputadas quatro regatas: duas barla-sota, regata Buenos Aires – Punta e regata La Barra. Também representam o Brasil o S40 Pajero,  o BB40 San Chico e o S40 Crioula, 7º, 8º e 10º respectivamente na ORC e o Delta 46 Mahalo, 7º na IRC geral.

Para ver os resultados, clique aqui.

A competição segue até o próximo dia 21.

Armel Le Cleac’h é campeão 2017 da Vendée Globe

chegada-vendee4

Terminou! Armel Le Cleac’h é o campeão da Vendée Globe 2016/17. Depois de 74 dias no mar o velejador francês foi o primeiro a cruzar a linha de chegada da regata em Les Sables d’Olonne sob o aplauso de uma torcida fervorosa de familiares e amigos, além de muitos fãs. Alex Thompson deverá ser o próximo a cruzar a linha. O britânico está a menos de 100 milhas da chegada.

Esta foi a primeira vitória de Le Cleac’h na competição após dois segundos lugares consecutivos. De quebra ele ainda baixou o tempo de referência da regata em 3 dias, 21 horas e 41 minutos ao completar a prova em 74 dias, 3 horas, 35 minutos e 46 segundos. O antigo recorde, de 78 dias, 2 horas e 16 minutos, pertencia a François Gabart e foi estabelecido em 2012/13.

Para acompanhar a chegada de Thompson, clique aqui.

Armel Le Cleac’h está a 60 milhas de uma vitória história da Vendée Globe

Apenas 60 milhas separam o francês Armel Le Cleac’h da linha de chegada da Vendée Globe em Les Sables d’Olonne. A previsão é que ele termine as 23 mil milhas da circum-navegação do globo às 13h30, horário de Brasília. A chegada pode ser acompanhada ao vivo aqui. http://bit.ly/2k4g1Dr

Nas últimas 24 horas ele conseguiu aumentar a vantagem sobre Alex Thompson, segundo colocado. Na tarde desta quarta-feira a distância entre eles era de apenas 35 milhas e agora passa das 100. Se tudo der certo, esta será a primeira vitória de Le Cleac’h na competição, após dois segundos lugares consecutivos.