J/70 Challenge reúne 16 times no Rio de Janeiro

IMG_20161203_133716.jpg

Dezesseis equipes disputaram no último final de semana o J/70 Challenge, organizado pelo ICRJ. Cada equipe correu três regatas no sábado e mais duas no domingo e após a soma das cinco regatas, o campeão foi o time de Marcos Soares, que venceu o time de Haroldo Solberg no desempate. Na classe Prata, o título ficou com a equipe de Chico Vianna, seguida pelo time de Norman MacPherson em segundo lugar.

O campeonato se assemelhou a um match race, com a troca de barco pelas tripulações. Quem não estava velejando, pôde acompanhar as regatas em outros barcos e lanchas. Duas tripulações 100% femininas estiveram presentes, sob o comando de Camila e Kadja Brandão.

“Acho que a vela está muito parada no Brasil .Um evento deste mostra que o esporte ainda pode voltar a ser da moda,  bastante disputado por amigos de todas as idades. Claro que o J/70 ajuda por estar em alta no mundo. É uma classe na qual os velejadores podem correr um evento internacional de alto nível, além de ter um bom custo para a realidade brasileira”, disse Maurício Santa Cruz, responsável pela classe no país.

 

Última etapa do Extreme Sailing Series começa em Sydney com festival de capotagens

Começou nesta quarta-feira em Sydney, na Austrália, a última etapa do Extreme Sailing Series. E começou do jeito que o público gosta, mas os velejadores nem tanto: com um festival de capotagens. O vento ficou na casa dos 22 nós, o que permitiu belas disputas entre os oito times participantes. Com velocidades de até 36 nós, já era de se esperar que incidentes acontecessem. O primeiro a capotar de frente foi o Land Rover BAR Academy. Minutos depois foi a vez do Visit Madeira repetir a cena. Por sorte o pessoal da salvatagem estava a postos e correu para ajudar os dois barcos.

O primeiro dia terminou com o seguinte resultado:

  1. Alinghi
  2. Oman Air
  3. Red Bull
  4. SAP Extreme
  5. RNZYS
  6. Land Rover BAR Academy
  7. Visit Madeira
  8. Team Australia

 

Itajaí Sailing Team recepciona a Família Schurmann na chegada ao Brasil

Itajaí Sailing Team_02.jpg

O veleiro Itajaí Sailing Team – espécie de embaixada flutuante de Itajaí e que representa a cidade em competições oficiais – encerra a programação de 2016 com a participação na recepção da Família Schurmann, que retorna ao Brasil às 15h deste sábado, dia 10 de dezembro. Depois de navegar por mais de dois anos na Expedição Oriente para investigar a teoria polêmica de que teriam sido os chineses os primeiros grandes navegadores do mundo, a família conclui outra volta ao mundo, desta vez a bordo do veleiro Kat, em Itajaí, de onde partiu em 21 de setembro de 2014.

Desde o inicio da viagem, a Família Schurmann navegou cerca de 55 mil quilômetros pelos lugares por onde os chineses teriam passado. Foram 29 países de cinco continentes até voltar ao Porto de Itajaí. Para o capitão Vilfredo Schurmann, o momento mais marcante, até agora, foi a chegada em Xangai, na China, entrando no maior porto do mundo, onde passam mais de 1 mil embarcações todos os dias. “Histórico! O veleiro Kat foi o primeiro veleiro brasileiro a aportar na China”, comemora Vilfredo.

“Estamos muito contentes de encerrar as atividades recepcionando a Família Schurmann, principalmente por este ter sido um ano que velejamos bem, conquistamos títulos, evoluímos e mostramos entrosamento”, acrescenta Alexandre dos Santos, coordenador do projeto Itajaí Sailing Team.

Morre aos 88 anos a lenda Paul Elvstrom

A vela mundial acordou de luto nesta quinta-feira ao saber da morte de Paul Elvstrom na noite de ontem. Paul faleceu em sua casa, em Hellerup, na Dinamarca, aos 88 anos. Lenda da vela, ele venceu quatro olimpíadas e 13 mundiais em 8 classes distintas. Projetou barcos, velas, peças, mastreação e roupas. Deu dicas de regras nos livros “Elvstrom Explain”.

Foi inspiração para toda uma geração.

“Tive o prazer de velejar com e contra ele. Águia dos mares, humilde em terra. A honra não foi em superá-lo na classe Tornado, em poucas ocasiões, mas ter sido Vice em seu último título na vida. Semana de Kiel de 1988”, disse Lars Grael.

“Paul foi meu grande ídolo e provavelmente de muitos outros velejadores de toda uma geração”, disse Torben Grael.

“Uma verdadeira lenda. Um grande exemplo que foi referência que marcou época no nosso amado esporte. A vela está de luto”, disse Santiago Lange (ARG).