Lars Grael e Samuel Gonçalves conquistam o Carioca de Star

Durante o feriado prolongado a Marina da Glória recebeu sua primeira competição pós Rio 2016. Dezoito barcos da classe Star disputaram o Campeonato Carioca, que teve seis regatas no total. Lars Grael e Samuel Gonçalves ficaram com o título, seguidos por Jorge Zarif e Bruno Prada, atual campeão mundial da classe. Completaram o pódio Alan Adler e Arthur Lopes.

Confira a súmula completa em: http://bit.ly/2gihw43

Histórico e Curiosidades do Campeonato Estadual RJ da Classe Star:

Continuar lendo “Lars Grael e Samuel Gonçalves conquistam o Carioca de Star”

Velejadores do ICRJ e CNC lideram o Carioca de Optimist

15027575_1417957128231907_7889964599131964134_n

Começou durante o feriado o Campeonato Carioca de Optimist. O evento tem como sede o Iate Clube Brasileiro e foi dividido em duas etapas, sendo que neste primeiro final de semana também foi disputado o Carioca por Equipes.

Após quatro regatas os líderes são Felipe Szundy Berardo entre os estreantes e Bernardo Maurício M. Martins entre os Veteranos. No evento por equipes o ICRJ se saiu melhor e ficou com o título.

A competição termina no próximo domingo. Para ver os resultados completos, clique aqui.

 

Líderes da Vendée Globe se aproximam da costa brasileira após passagem pelo Equador

photo-sent-from-the-boat-la-mie-caline-on-november-15th-2016-photo-arnaud-boissieresphoto-envoyee-depuis-le-bateau-la-mie-caline-le-15-novembre-2016-photo-arnaud-boissieres1er-a-l-equateur-congrats-al
Arnaud Bossieres parabeniza Alex Thomson, primeiro a cruzar o Equador

Neste 11º dia no mar, os líderes da Vendée Globe já velejam no hemisfério sul. Alex Thomson, primeiro colocado, estabeleceu um novo recorde até o Equador de 9 dias, 7 horas e 2 minutos. Na tarde desta quarta-feira ele estava a 245 milhas da costa brasileira.

Nos próximos dias, os dez primeiros colocados deverão aproveitar uma área de baixa pressão entre o Rio de Janeiro e Itajaí, que deverá fazer com que eles abram mais vantagem sob o resto da flotilha.

Sétimo colocado, Jéremie Beyou tem enfrentado problemas a bordo com o seu piloto automático, o que fez com que ele diminuísse um pouco a velocidade. Enquanto isso, Tanguy de Lamotte segue velejando sem assistência de volta para Les Sables d’Olonne após problemas no topo do mastro que estavam impedindo-o de subir a mestra em sua totalidade bem como colocar as velas de proa.

Para acompanhar a regata em tempo real, clique aqui.

Em entrevista, Scheidt cofirma que poderá mudar de classe para Olimpíada de Tóquio. Gabriel Borges deverá ser seu proeiro na classe 49er

14721757_592180794300496_7804051296684622584_n
O Notícias Náuticas foi o primeiro a divulgar o treino de Scheidt e Gabriel na Guanabara no dia 23 de outubro

Em uma recente entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o multimedalhista Robert Scheidt confirmou o que o Notícias Náuticas já havia sugerido há algumas semanas: a mudança para a classe 49er.

Robert, que foi visto treinando na Guanabara ao lado de Gabriel Borges, também conhecido como Coveiro, deverá disputar a primeira etapa da Copa do Mundo de Vela, em Miami, EUA, em Janeiro, já na nova classe. “[o 49er] é um barco que tem muita velocidade, mas para isso virar uma campanha olímpica dependo de algumas coisas. Tenho acordos com parceiros que terminam no fim do ano e em janeiro. Preciso conversar com eles para ver se sigo em frente para mais um ciclo olímpico. Se virar campanha olímpica, vou sentar na mesa e conversar com ele sobre muitas coisas. O Gabriel seria o nome para ser meu parceiro”, disse Scheidt ao jornalista Paulo Favero.

O velejador de 43 anos possui em seu currículo nada menos que cinco medalhas olímpicas (duas de ouro na Laser em 1996 e 2004; duas de prata na Laser em 2000 e na Star em 2008; e uma de bronze  naStar em 2012), enquanto Gabriel, de apenas 24 anos, acaba de participar da sua primeira Olimpíada, ao lado de Marco Grael, tendo terminado na 11ª colocação na classe 49er.

“O lado da idade eu sempre tenho de cuidar, de lesões e recuperação. Tenho chance de velejar bem na 49er. Claro que tem uma montanha para aprender e evoluir. Acredito que em quatro anos dá para fazer um bom papel. Eu tenho uma família de esportistas, sempre me cuidei na parte de alimentação e nesses últimos anos dosei os treinamentos, fazendo com mais qualidade do que com quantidade. A vela é um esporte que depende da experiência, pois é necessário saber ler o vento e tomar decisões. O lado físico é importante, mas é só um dos aspectos”, disse Scheidt.

A matéria completa do jornal O Estado de S. Paulo pode ser vista aqui.

 

​​Tiago Monteiro é tetracampeão do N.NE de Optimist​​

tiago-monteiro-n-ne-op-2016

A Flotilha de Optimist do Cabanga Iate Clube de Pernambuco deu um show na disputa do 43º Campeonato Norte-Nordeste de Optimist, que terminou nesta terça-feira (15), em Fortaleza. Na disputa Regional, Tiago Monteiro, 15 anos, escreveu, mais uma vez, seu nome na história da vela e conquistou o quarto título consecutivo da competição. No Feminino, a pernambucana Letícia Lira garantiu o primeiro lugar. Para completar de vez a festa do Cabanga em águas cearenses, Marcelo Gabriel Souza, foi campeão Norte-Nordeste Estreante.

O Norte-Nordeste de Optimist foi a última competição de Tiago Monteiro na classe. Os resultados expressivos da carreira do velejador do Cabanga começaram em 2013, quando o velejador terminou o Campeonato Brasileiro de Optimist na quinta colocação. De lá pra cá, o atleta melhorou cada vez mais seu desempenho. Seu maior feito, sem dúvida alguma, foi ter conquistado em janeiro de 2016 o título geral de Campeão Brasileiro da classe em Jurerê/SC. Até então, nenhum outro pernambucano havia conseguido tal feito. Para completar, ele é o único nordestino a disputar o Mundial de Optimist por três vezes (2014, 2015 e 2016). Continuar lendo “​​Tiago Monteiro é tetracampeão do N.NE de Optimist​​”

Rio Sail Tech é campeão brasileiro de HPE25; Rex/Pajero fica com o título de Timoneiro-proprietário

Depois de uma segunda-feira frustrante de muita chuva e nenhum vento, o espírito da República encarnou nos deuses do tempo e do mar e, sob um belo sol, a flotilha de HPEs 25 correu três regatas com ventos de S-SE de 8 a 12 nós e muita adrenalina na água. A forte corrente de maré de (super)lua desempenhou papel preponderante nas decisões táticas.

Com regatas previstas para às 12h e adiadas pela falta do principal, o vento, parecia que a terça-feira, feriado da proclamação da República, seria também de muita espera como no dia anterior. No entanto, um bom vento de quadrante sul entrou na baía de Guanabara e o numero máximo de três regatas possíveis para o dia foi completado. Totalizando nove das dez previstas inicialmente para o campeonato.

Com uma vitória consistente na primeira regata do dia, o ilhabelense Beto de Jesus, no Fit To Fly, mostrou que estava querendo subir na súmula e alcançar o pódio. Os líderes cariocas, com apenas um oitavo, se mantiveram à frente, assim como o Top5 da classificação geral que não mudou, mas com diferenças bem menores que antes.

Na segunda regata do dia, novamente o Fit To Fly andou nas cabeças, mas desta vez com um companheiro de respeito na ponto, o Rio Sail Tech. No final, Victinho Demaison e companhia (Gui Hamelmann, Mario Tinoco e Alexandre Muto) vencerem, com Beto de Jesus em segundo e os rivais mais próximos ocupando da 9ª a 14ª posição. Como resultado, os “meninos” do ICRJ abriram 16 pontos de Clinio de Freitas e como descartavam um 15º da primeira regata nem precisaram completar a última prova para botar a mão no caneco.

Só que a terceira e última prova do dia e do torneio ainda reservaria muitas emoções na briga pelas outras posições do pódio. Eduardo de Souza Ramos, que começou o campeonato com um frustrante 14º no primeiro dia, foi galgando posições e coroou sua ascensão com uma bela vitória que lhe garantiu o vice-campeonato geral e a taça na categoria timoneiro-proprietário.

A niteroiense família do medalhista olímpico Clinio Freitas, que sempre esteve no topo da tabela, terminou a prova em 8º lugar, mas foi o suficiente para garantir o bronze e ainda levar o vice-campeonato na timoneiro-proprietário. Com o quarto na última regata, o Carioca Fiote, de Roberto Martins, garantiu o terceiro lugar entre os timoneiros-proprietários e o sétimo lugar geral.

“Sem dúvida foi um excelente campeonato, com muitas disputas, como sempre acontece no HPE, e briga até o fim. No próximo ano esperamos todos os barcos em Ilhabela para mais um Brasileiro de alto nível técnico”, comentou o reeleito conselheiro da classe, Carlos Henrique Wanderley, o Rique.

O Campeonato Brasileiro da classe HPE 25 terminou hoje (15/11) no Iate Clube do Rio de Janeiro. Para mais informações, replays da transmissão ao vivo em vídeo, entrevistas, fotos, etc. visite a página do FaceBook do campeonato (http://bit.ly/2016_HPE_FB ). No site oficial do ICRJ estão os documentos do campeonato e os resultados oficiais: http://bit.ly/2016_HPE.