Torben Grael é eleito vice-presidente da Federação Internacional World Sailing

torben-grael-2_credito-laura-carrau_world-sailing

Um dos maiores medalhistas olímpicos do esporte brasileiro, Torben Grael foi eleito neste domingo, dia 13, para o cargo de vice-presidente da Federação Internacional de Vela (World Sailing), na Assembleia Geral da entidade, realizada em Barcelona, na Espanha. Num marco emblemático para a vela brasileira, Torben ocupará o posto pelos próximos quatro anos.

“É uma honra para mim ser escolhido para uma função tão importante no meu esporte. Espero poder contribuir da melhor forma para o desenvolvimento da vela. Temos um desafio pela frente, de fortalecer a modalidade e engajar cada vez mais praticantes e fãs. Não apenas no que se refere às classes olímpicas, mas à vela como um todo”, afirmou.

Aos 56 anos, Torben Grael acumula no currículo títulos impressionantes. Já conquistou cinco medalhas olímpicas, sendo duas de ouro (Atlanta-1996 e Atenas-2004, na classe Star), uma de prata (Los Angeles-1984, na Soling) e duas de bronze (Seul-1988 e Sydney-2000, na Star). Em 2015, tornou-se o primeiro brasileiro indicado para o Hall da Fama da World Sailing.

Em Mundiais, Torben é dono de seis títulos. Além disso, na Volvo Ocean Race, a famosa regata de volta ao mundo, levou o Brasil ao terceiro lugar na edição 2005-2006 com o barco Brasil 1. Na competição seguinte, em 2008-2009, foi o comandante do veleiro campeão, o sueco Ericsson 4. Para completar, é Coordenador Técnico da Equipe Brasileira de Vela.

Presente à Assembleia Geral da World Sailing como representante do Brasil, o presidente da Confederação Brasileira de Vela (CBVela), Marco Aurélio de Sá Ribeiro, exaltou a importância da eleição de Torben Grael.

“Não consigo imaginar um nome melhor para representar o nosso país dentro da Federação Internacional. Como velejador, o Torben conquistou tudo o que poderia, seja em classes olímpicas, não olímpicas e vela oceânica. Com toda a experiência e o conhecimento que ele tem, com certeza vai contribuir muito para o desenvolvimento do nosso esporte”, disse o presidente Marco Aurélio.

A Assembleia Geral, que teve a participação de representantes de 99 países, também elegeu o novo presidente da Federação Internacional de Vela neste dia 13. O dinamarquês Kim Andersen vai comandar a modalidade no ciclo olímpico dos Jogos de Tóquio 2020. Além de Torben Grael, a Federação também terá outros seis vice-presidentes, eleitos neste domingo: Jan Dawson (Nova Zelândia), Gary Jobson (Estados Unidos), Quanhai Li (China), W Scott Perry (Uruguai), Ana Sanchez (Espanha) e Nadine Stegenwalner (Alemanha).

Itajaí Sailing Team conquista o Catarinense de Vela 2016 vencendo a Regata Marejada

Regata Marejada 6.jpg

O veleiro Itajaí Saling Team, do comandante Marcelo Gusmão Reitz, foi o primeiro a chegar a Itajaí e é o campeão da 12ª edição da Regata Marejada, disputada sábado, que teve largada em Jurerê Internacional, em Florianópolis. A primeira colocação também garantiu à equipe o título de campeão da Copa Veleiros de Oceano de Santa Catarina. A tripulação vencedora contou com a participação especial do diretor-superintendente da Portonave, Osmari de Castilho Ribas, convidado a disputar a prova. As boas condições do mar e os ventos favoráveis fizeram com que o veleiro concluísse o percurso em pouco mais de três horas de navegação.

No ano passado, os itajaienses já haviam sido os primeiros a chegar, garantindo o Troféu Fita Azul, mas não ficaram com o título de campeão da regata no tempo corrigido. A competição, organizada pelo Iate Clube de Santa Catarina e Associação Náutica Itajaí (ANI), é uma das mais tradicionais do Calendário de Santa Catarina. A Regata Marejada é um evento com percurso livre entre Jurerê e Itajaí, que exige uma boa tática das equipes.

De acordo com o comandante Marcelo Gusmão Reitz, as boas condições dos ventos favoreceram as condições da regata e, em alguns pontos, o veleiro chegou a atingir 20 nós (cerca de 37,04 quilômetros por hora). “Tudo saiu de acordo com o planejamento. A prova, mais uma vez, foi muito bem organizada”, acrescentou  o coordenador do projeto Itajai Sailing Team  Alexandre dos Santos.

Pela primeira vez a bordo de um veleiro de alta performance para disputar uma regata, o diretor-superintendente da Portonave, Osmari de Castilho Ribas, destacou a competência da equipe e a importância de ter um time de vela na cidade para estimular os esportes náuticos. Castilho pontuou que a equipe da é fundamental para o fortalecimento das atividades náuticas em Itajaí e região e para o resgate de uma vocação que está inserida nas tradições locais.

Castilho explica que, com um time de vela como o do Itajaí Saling Team, até arriscava a participar de competições mais longas. O projeto Itajaí Sailing Team tem o patrocínio da Portonave, APM Terminals Itajaí, Multilog, JBS, Brasfrigo, Poly Terminais e apoio da Anasol,  Molim e Clindex.

Rio Sail Tech abre 11 pontos na liderança do Brasileiro de HPE25

Um domingo de frio e muita chuva, contrariando a imagem tropical do Rio de Janeiro, marcou o segundo dia de provas do Campeonato Brasileiro de HPE 25. Os ventos de quadrante sul (175º), de 8 a 12 nós, proporcionaram regatas de muita disputa na baía de Guanabara. Novamente a forte corrente de maré, proporcionada pela lua cheia desta próxima segunda-feira, a maior do ano, pregou algumas peças nos velejadores e deixou as regatas ainda mais acirradas. No fim, todos saíram satisfeitos com o dia de competição.

Para Maurício Santa Cruz, vencedor da primeira regata do dia, “a grande dúvida de todos os velejadores era se você ia para o lado de Niterói, já que o vento estava mais torcido de leste, ou se se protegia da maré mais na esquerda. No primeiro contravento acabou entrando uma pressão na direita, onde a maré era mais fraca. Mas durante todo o dia foi assim. Só na terceira regata já com a maré vazando com força que ficou mais claro o melhor lado”, explicou o experiente velejador carioca.

Outra tripulação que comemorou muito o desempenho neste domingo foi a do Rio Sail Tech, do comandante Victor Demaison. Com um quarto lugar e duas vitórias hoje, e já descartando um 15º da primeira regata ontem, eles somam onze pontos perdidos e abriram outros onze pontos do segundo colocado Maurício Santa Cruz (22pp). “Eu estava há algum tempo sem velejar e quando decidimos correr este campeonato chamei três amigos, o Gui Hamelmann, o Mario Tinoco e o Leleco (Alexandre Muto), que estão velejando muito. Se estamos indo bem devo muito a eles. O dia foi difícil com a maré de lua, muitas nuvens e rajadas, mas nosso barco está rápido e acertamos bem a tática. Daqui pra frente é continuar assim. Não sou de marcar ninguém e vamos continuar velejando pra frente”, afirmou o jovem líder do campeonato.

Em terceiro está a família Freitas, pai, mãe e dois filhos de Niterói que, com 23 pontos, está na cola do vice-líder e na disputa pelo troféu. Só que os Freitas não são família qualquer, o pai Clínio é medalhista olímpico, a mãe Cacau foi campeã mundial feminina de A-Cat e os meninos já tem diversos títulos na vela. Família que veleja unida permanece unida é o lema a bordo.

Na velha rivalidade Rio x São Paulo, no top10 está tudo empatado. São cinco barcos paulistas e cinco fluminenses. O ilhabelense Ginga, que consistentemente ocupa as primeiras posições nos torneios da classe, continuou andando fortre e aparece em quarto geral com 27 pontos. No entanto, a grande recuperação do dia foi de Eduardo de Souza Ramos no Rex/Pajero. Depois de um primeiro dia de resultados ruins, o barco, que tem como tático André “Bochecha” Fonseca, fez um quinto, um segundo e um quarto lugares para ficar em quinto geral com 29 pontos e entrar na briga.

“Ontem cometi alguns erros na leitura do vento e da corrente e isso nos custou algumas posições. Hoje velejamos mais concentrados, acertamos algumas regulagens do barco e deu resultado. Amanhã e terça vamos para a água com vontade de melhorar ainda mais”, anima-se o tático Bochecha, um dos velejadores mais experientes do Brasil e ídolo de muitos que estão dividindo a raia com ele.

O Campeonato Brasileiro de HPE 25 continua nesta segunda-feira (14/11) com duas regatas programadas e prossegue até terça-feira (15/11) sempre com largadas às 13h. Ao todo estão previstas dez regatas. Para quem quiser acompanhar, teremos a página do FaceBook (http://bit.ly/2016_HPE_FB ) do campeonato sempre que possível atualizando e transmitindo ao vivo em vídeo parte da regatas. No site oficial do ICRJ estão os documentos do campeonato e os resultados oficiais: http://bit.ly/2016_HPE. Para aqueles que quiserem acompanhar o tracking em tempo real basta clicar nos links abaixo.

PELO MAPA: http://www.taticsports.com.br/DashMap/DashMap.html?IdClass=0&refresh=10

PELO RANKING: http://www.taticsports.com.br/Dash/DataTable.html?IdClass=0&Page=1&Amount=99&Refresh=10

Seu Alcir é fita-azul da Volta do Avião em Pernambuco

IMG_9041.JPG

A embarcação Seu Alcir, comandada pelos velejadores Pedro Lima e Bruno Dourado, está com tudo! Depois de conquistar o Campeonato Pernambucano de Day Sailer, no último final de semana, a dupla levou para casa o troféu Fita Azul da tradicional Regata Volta do Avião, que foi disputada neste domingo (13), no Litoral Norte do Estado. As embarcações Théo & Céu e Odisseu, comandadas pelos velejadores Fernando Carvalho e Alfredão; e Antônio Antunes e Tadeu Lira, terminaram a competição de Day Sailer ocupando o segundo e terceiro lugar, respectivamente.

Na classe Dingue, o destaque do dia foi para a dupla Evelyn Luza e Emir Falangola, a bordo do barco Moana. Apesar de ter largado mal, depois de ser atrapalhada por um cabo de âncora de uma lancha, a dupla campeã realizou uma regata de recuperação eficaz. Em segundo colocado durante praticamente toda regata, Evelyn Luza e Emir Falangola só assumiram a liderança na última parte da prova, após a montagem da boia fixada na parte leste da Coroa do Avião.

A embarcação Moana ultrapassou Renata Gama e Jaques Saraiva (Nuclear) e cruzou a linha de chegada na primeira colocação. Outro ponto positivo da edição 2016 da Volta do Avião foi o retorno da experiente velejadora Renata Gama, campeã brasileira feminina de Optimist em 1994, que passou 20 anos longe das competições náuticas em Pernambuco. A terceira colocação, de ponta a ponta, ficou com José Araújo e Jhonas Gomes, do veleiro Gudino. Na classe aberta, venceu o título ficou com o veleiro Frank, comandado por Erisson Luiz.

Após a regata, o Cabanga Iate Clube de Pernambuco ofereceu uma deliciosa feijoada para todos os participantes. O próximo desafio das duas classes será a Regata Benedito César – Ponta de Pedras – Recife, dia 11 dezembro.

CLASSIFICAÇÃO FINAL

Day Sailer

1°Pedro Lima e Bruno Dourado (Seu Alcir)
2° Fernando Carvalho e Alfredão (Théo e Céu)
3° Antônio Antunes e Tadeu Lira (Odisseu)
4° João Limeira/Francisco Limeira e Lúcia Helena (Lady Lu)

Dingue

1° Evelyn Luza e Emir Falangola (Moana)
2° Renata Gama e Jaques Saraiva (Nuclear)
3° José Araújo e Jhonas Gomes (Gudino)
4° Théo Gouveia/ Cássia Yoko e Marcelo Nunes (Moleque)
5° Henrique Mourinho e Flávio Albuquerque (Javali)
6° Guilherme Limeira e Mário Marzuca (Xibill)
7° Alexandre e Roberto Araújo (Energia)
8° Alexandre Motta e Danilo (Pegasus)
9° Roberto Falcão e Hellane Santiago (Gaivota)

Aberta

1º Erisson Luiz (Frank)