Flotilha da Vendée Globe está mais rápida do que na última edição

A flotilha da Vendée Globe já está há quatro dias no mar e, apesar de ser pouco tempo se comparado aos três meses que eles devem levar para concluir a volta ao mundo, tem gente acreditando que vem recorde por aí. Isto por que os líderes estão passando pela ilha da Madeira, na costa portuguesa, um dia antes do que na última edição. Os barcos que possuem foil estão fazendo uma média de 450 milhas por dia, o que deverá deixar a passagem pelos Doldrums também mais rápida do que na última edição. Armel Le Cléac’h é o líder, com Vincet Riou a menos de 10 milhas de distância. Alex Thomson, que largou na frente e optou por velejar mais próximo à costa portuguesa caiu para a 7ª colocação.

Enquanto a flotilha segue rumo sul, Didac Costa, que havia voltado para terra por conta de problemas elétricos a bordo, partiu novamente para o desafio de volta ao mundo.Ele está a 1200 milhas do líder.

Acompanhe a regata em: http://bit.ly/vendeetracking

Classes olímpicas da Rio 2016 deverão ser confirmadas para Tóquio 2020 diz Federação Internacional

160812_RIO2016_mc_18707.jpg

Carlo Croce, presidente da World Sailing, divulgou um comunicado nesta quinta-feira confirmando que as 10 classes que fazem parte do programa olímpico serão indicadas para Tóquio 2020. O COI colocou a vela em uma lista de esportes que deveria sofrer alguma mudança no número de atletas, porém, após a conferência anual da Federação Internacional, a decisão foi de manter as classes e ainda adicionar uma 11ª, mantendo o número de atletas em 380. Esta decisão permitirá que sejam mantidos os projetos criados em torno destas classes para o último ciclo olímpico. Além disso, a World Sailing também quer apresentar uma outra classe como demonstração, o que faria com que o número de atletas ficasse acima da cota.

Em relação à igualdade de gêneros, o número de homens e mulheres poderá ser alterado para 2020 e só poderá ser igual em 2024.

Regata Marejada chega a 12ª edição com percurso entre Florianópolis e Itajaí

unnamed (5).jpg

O ano está chegando ao fim, assim como a competição de vela em Florianópolis. Com isso, a competição tende a ficar mais acirrada e um dos grandes motivos está no fato de duas das principais competições serem justamente as últimas do calendário: Regata Marejada e a Volta à Ilha.

Chegando a sua 12ª edição, a Regata Marejada, marcada para esse sábado (11), é um evento com percurso livre entre Jurerê e Itajaí, porém que exige uma boa tática das equipes. Além disso, outro ponto que engrandece muito esse evento é justamente o local da chegada das embarcações. Nos últimos anos, Itajaí se caracterizou como uma das principais cidades náuticas do mundo, recebendo não só a Marejada, mas eventos globais como a Volvo Ocean Race e a Transat Jacuqes Vabre, considerada duas das maiores competições de vela oceânica do mundo.

Com presença das classes C30, ORC, RGS e Início/Retorno, a largada da 12ª Regata Marejada acontece na Sede Oceânica do Iate Clube de Jurerê, em dois horários. A partir das 10h largam os barcos mais lentos, enquanto os mais velozes iniciam o trajeto às 11h. Conforme consta no Aviso de Regatas, o percurso é livre e a chegada acontece próximo à Ponta das Cabeçudas.

Ponto alto do final de semana, a chegada dos velejadores também merece destaque, uma vez que as tripulações são recebidas por milhares de pessoas que prestigiam a tradicional festa de Itajaí. Em 2015, a equipe da casa – Itajaí Sailing Team – foi o Fita Azul da Regata Marejada, sendo ovacionada pelo público que lotou o espaço na Vila da Regata.

Além disso, a Regata Marejada é o nono e penúltimo evento da temporada 2016, sendo a etapa que antecede a Volta à Ilha, maior competição de vela oceânica de Santa Catarina. Sendo assim, a competição entre Florianópolis e Itajaí é a última oportunidade para as tripulações fazerem os ajustes finais para a grande competição do ano, que acontece no dia 10 de dezembro.