Leonardo Almeida e Miguel Andrade vencem o Pernambucano de Dingue

A dupla do Cabanga Iate Clube de Pernambuco, atual campeã brasileira de Dingue, Leonardo Almeida|Miguel Andrade, levou a melhor no duelo dos campeões que marcou a terceira e última etapa do Campeonato Pernambucano de Dingue, realizada no último domingo (16), na praia de Maria Farinha, Litoral Norte de Pernambuco.

A bordo da embarcação Kamikaze, Leonardo e Miguel terminaram as três etapas do Estadual com quatro pontos perdidos (PPs) tornando-se campeões. Com o título, Leonardo Almeida sagrou-se tetracampeão do torneio.

A forte dupla Hans e Karina Hutzler ficaram com a segunda posição, com sete PPs. É importante destacar que Hans e sua filha, Marina Hutzler, conquistaram este ano a Campeonato Norte-Nordeste de Dingue, realizada na Bahia. O terceiro lugar geral foi ocupado por René Hutzle e Alan Coutinho, na embarcação Black, que terminaram a competição com 12 PPs.

TERCEIRA ETAPA
A terceira e última etapa do Pernambucano foi marcada pelo equilíbrio entre as duas principais duplas do Estadual de Dingue 2016. Nas duas provas realizadas com ventos variando entre 10 e 15 nós sudeste, Hans, que teve Helena Granja como proeira nesta etapa, venceu a primeira e Leonardo Almeida e Miguel Andrade venceu a segunda. Como já havia conquistado o título das duas etapas iniciais, Leonardo e Miguel sagram-se campeões geral e na classe Sênior.

Além do segundo lugar, Hans Hutzler e Karina Hutzler conquistaram na categoria Dupla Mista. No feminino, Marina Hutzler e Helena Granja ficaram com o primeiro lugar, seguidas por Luciana Raposo e Ana Lúcia Monteiro. Amadeu Palha e Renata Palha venceram na classe Master/Clássico; Paulo Andrade e Francisco Andrade na Master; André Verona e Emir Falangola, na 1.5 e Marcelo Souza e Théo Gouveia na Estreante.

Confira a classificação completa do Campeonato Pernambucano 2016:

Geral:
1o Lugar – KAMIKAZE – Leonardo Almeida / Miguel Andrade
2o Lugar – CASO SÉRIO – Hans Hutzler / Karina Hutzler
3o Lugar – BLACK – René Hutzler / Alan Coutinho
4o Lugar – BEAUTIFUL KILLER – Marina Hutzler / Helena Granja
5o Lugar – INTRÉPIDO – Luciana Raposo / Ana Lúcia Monteiro

Clássicos:
1o Lugar – FORT-ÁLAMO (Amadeu Palha / Renata Palha)
2o Lugar – JAVALI (Henrique Mousinho / Flávio Albuquerque)
3o Lugar – PEGASUS (Alexandre Motta / Alexsandro Bispo)

Estreante:
1o Lugar: MOLEQUE (Marcelo Souza / Theo Gouveia)

Dupla Mista:
1o Lugar: CASO SÉRIO (Hans Hutzler / Karina Hutzler)

Feminino:
1o Lugar: BEAUTIFUL KILLER (Marina Hutzler / Helena Granja)

1.5:
1o Lugar: MUNGANGA (Clóvis Holanda/Jorge Fabrício)

G. Master:
1o Lugar: PAPA-VENTO (Roberto Araújo / Erisson Luiz)

Master:
1o Lugar: FORT-ÁLAMO (Amadeu Palha / Renata Palha)

Senior:
1o Lugar: KAMIKAZE (Leonardo Almeida/Miguel Andrade)

Fastnet Race será regata obrigatória para participantes da Volvo Ocean Race

m22514_vor120702_roman_4952.jpg

E a semana começa com mais um anúncio da Volvo Ocean Race, o sexto de um total de dez. Desta vez o assunto é classificação para a disputa da regata. Para correr a Volvo Ocean Race, não basta ter dinheiro e montar uma equipe, é necessário cumprir com alguns requisitos, como quantidade mínima de milhas navegadas. Para poder participar da edição 2017/18 os velejadores terão, obrigatoriamente, que disputar a Fastnet Race, uma das regatas de percurso mais duras do mundo, além de correrem a nova Lisboa to Alicante, que levará a flotilha do local de treino para o local de largada da regata.

A chamada “Perna 0” terá a largada em Cowes, na Inglaterra, passando pelo English Channel, cruzando Land’s End e seguindo para o Mar Celta. Depois de rondar o farol de Fastnet, na costa sudoeste da Irlanda, a flotilha seguirá para Plymouth, na Inglaterra, em um percurso de 600 milhas. De lá, seguirão em uma regata particular até Lisboa, completando a “Perna 0”. A regata seguinte, de Lisboa para Alicante, será chamada de Prólogo.

“Já disputei algumas Fastnet Races, algumas com muito vento, outras sem vento algum. É um percurso muito bom e é interessante velejar pela costa, com os efeitos das correntes. É um excelente teste, uma regata dinâmica, com tempo interessante. Em dois ou três dias é preciso tomar inúmeras decisões, então é bom não só para testar a velocidade dos concorrentes como também a tomada de decisão sob pressão!” disse Charles Caudrelier, skipper do Dongfeng na última edição.

Ter barcos da Volvo Ocean Race na regata, no entanto, não é novidade. Os times têm usado a competição como treino há muitos anos, como foi o caso do maxiyacht Drum, que capotou na Fastnet enquanto se preparava para a edição 1985/86 da VOR.

 

 

Quantum Race é tricampeão do Circuito de TP52

14714852_1400168449993640_3775893097602873725_o.jpg

O Quantum Racing conquistou no último sábado o terceiro título do Circuito de TP52, chamado de 52 Super Series. A equipe de Doug DeVos, que veleja sob a bandeira dos Estados Unidos, venceu nada menos que quatro das cinco etapas do circuito. Eles já haviam conquistado o título máximo da competição em 2013 e 2014. A última etapa foi disputada em Cascais, Portugal, e o Quantum nem precisou correr os dois últimos dias de regata para garantir o título.

Resultado final da etapa portuguesa após cinco dias (8 regatas):

  1. Azzurra, ITA (Pablo/Alberto Roemmers ARG) 19 pontos
    2. Quantum Racing, USA (Doug DeVos USA) 27
    3. Sled, USA (Takashi Okura USA) 31
    4. Platoon, GER (Harm Muller-Spreer GER) 38
    5. Bronenosec, RUS (Vladimir Liubomirov RUS) 41
    6. Ran Racing, SWE (Niklas Zennstrom SWE) 50
    7. Provezza, TUR (Ergin Imre TUR) 52
    8. Alegre, GBR (Andres Soriano USA) 58
    9. Gladiator, GBR (Tony Langley GBR) 59
    10. Phoenix, USA (Richard Cohen USA) 65

Resultado final acumulado do 52 SUPER SERIES 2016 após cinco etapas:

  1. Quantum Racing, 140 pontos
    2. Azzurra, 199
    3. Ran Racing, 241
    4. Platoon, 245
    5. Provezza, 248
    6. Bronenosec Gazprom, 251
    7. Sled, 275
    8. Alegre, 283
    9. Gladiator, 342