Seletiva para Mundial da Juventude, Copa da Juventude chega ao fim no Rio de Janeiro

Terminou nesta sexta-feira (dia 14) a edição 2016 da Copa da Juventude, competição importante no calendário da Vela Jovem, iniciativa da Confederação Brasileira de Vela (CBVela) para o desenvolvimento do esporte entre os jovens. Realizada na Baía de Guanabara após os Jogos Rio-2016, e com sede no Iate Clube do Rio de Janeiro, a competição foi seletiva para o Mundial da Juventude, que será disputado em Auckland, na Nova Zelândia, em dezembro. Além disso, a entidade organizou diversas palestras ao longo da semana com a participação de nomes como Martine Grael e Robert Scheidt.

“Estamos sempre buscando a evolução e não fazer apenas do campeonato uma eliminatória para o Mundial da Juventude. Buscamos trazer mais conhecimento técnico e inspiração para estes jovens velejadores. Para isso, trouxemos este ano alguns dos nossos medalhistas olímpicos e treinadores para conversarem com a garotada. Também contamos com o apoio dos clubes para ajudar neste momento de transição entre a vela de iniciação e o alto rendimento”, afirmou o Secretário Geral da CBVela, Ricardo Lobato.

A edição 2016 da Copa da Juventude contou com 95 velejadores de 7 estados. Na classe 29er, os vencedores foram Lucas Cazale/Lucas Mirow e Helena De Marchi/Nicole Buuck; na classe 420, os campeões foram Gustavo Abdulklech/Pietro Geromini e Olivia Belda/Marina Arndt; na Hobie Cat 16 a dupla Carlos Eduardo Monteiro Lopes e Rafael Rizzato terminou em primeiro; na Laser Radial os vencedores foram João Emilio Vasconcellos e Natascha Boddener; e na RS:X os campeões foram Daniel Pereira e Larissa Schenker.

Os vencedores em cada classe na Copa da Juventude ingressam no Programa de Desenvolvimento Individual de Atletas da CBVela. Nele, o Conselho Técnico de Vela Jovem e a diretoria da entidade avaliam os atletas para a formação da Equipe Brasileira de Vela Jovem que irá representar o país no Mundial da Juventude.

Na edição 2015 do Mundial da Juventude, em Langkawi, na Malásia, o Brasil conquistou duas medalhas. Na classe 420 masculina, Leonardo Lombardi e Rodrigo Luz faturaram a prata. Na RS:X masculina, Brenno Francioli ficou com o bronze.

Palestras

Ao longo dos cinco dias de competição, os jovens velejadores assistiram à palestras diariamente no fim do dia. Foram palestrantes a campeã olímpica Martine Grael, o bicampeão olímpico Robert Scheidt além dos atletas olímpicos Gabriel Borges e Patricia Freitas. Também conversaram com a garotada os técnicos Javier Torres, Alexandre Saldanha e Bruno Di Bernardi. O treinador espanhol também ministrou clínicas para técnicos da Vela Jovem.

Para ver o resultado completo da competição, clique aqui.

Para mais fotos de Fred Hoffmann, clique aqui.

Italiano tenta quebrar recorde de volta ao mundo em solitário

O italiano Gaetano Mura, de 48 anos, partirá neste sábado de Cagliari, na Sardenha, para a maior aventura da sua vida: a volta ao mundo em solitário a bordo de um Classe 40. Seu objetivo é completar as 25 mil milhas em menos de 137 dias, 20h, 1min e 57 segundos, atual recorde mundial, estabelecido pelo chinês Guo Chuan em abril de 2013.

A partida de Mura, que estava programada para o dia 12, foi atrasada em três dias por conta do tempo ruim ao sul do Mediterrâneo, com ventos de até 50 nós e ondas de seis metros. Após a partida, quando cruzar o estreito de Gibraltar, ele passará ao sul do Cabo da Boa Esperança e Cabo Leeuwin, velejando no sentido horário do globo.

Sem assistência, ele deverá usar uma técnica chamada de micro-sleep, que consiste em dormir 20 minutos a cada 2 horas. Seu sono e sua saúde mental serão monitoradas por uma equipe da Universidade de Cagliari. A comida seguirá uma dieta especial, incluindo alimentos orgânicos da Sardenha, local com uma das maiores taxas de longevidade do planeta.

Para acompanhar a aventura de Gaetano, clique aqui.

 

 

 

Vendée Globe: Vila da regata será aberta ao público neste sábado

Vinte e oito dos 29 barcos que disputarão a Vendée Globe, regata em solitário mais dura do mundo, já estão em Les Sables d’Ollone, onde será dada a largada da competição no dia 6 de novembro. A vila da regata abrirá neste sábado, a partir das 10h, horário local. Até lá serão três semanas de eventos e o público poderá ver de perto os barcos e os skippers. Apenas o francês Sébastien Destremau, que quebrou o mastro, ainda não está ancorado no local, mas espera-se que ele chegue até o dia 20 de outubro. Para acompanhar a regata, clique aqui.

 

Volvo Ocean Race usará catamarãs M32 para regatas de relacionamento com clientes de patrocinadores

m43844_wmrt16sweden0707dl-3000-edit.jpg

O quinto anúncio da Volvo Ocean Race tem a ver com a experiência que convidados poderão ter na água durante as paradas da competição. Em ao menos oito das 11 etapas serão usados catamarãs da classe M32 para as famosas regatas Pro-Am (que juntam amadores com profissionais) e para as regatas com convidados. A ideia é que os times possam focar mais na preparação dos VO65 entre uma perna e outra e peguem os barcos já prontos para estas regatas de relacionamento.

“O desafio que encontramos foi que a preparação dos barcos e da tripulação para a perna seguinte da competição limitava a oportunidade dos convidados velejarem a bordo dos VO65, especialmente com as regatas inport um dia antes do dia da largada. Então, este é o principal objetivo de introduzir os M32 nas paradas. Queremos que mais pessoas possam ter esta experiência única na água, com mais diversão para o público e ainda mais valor para os patrocinadores nas cidades”, disse Phil Lawrence, que foi diretor da Extreme Sailing Series antes de integrar o time da VOR no início deste ano.

Cada equipe receberá da organização um barco M32 – que pesa apenas 510 kg e é facilmente montado e desmontado – mais um bote para o traslado dos convidados. As regatas serão disputadas em formato de estádio, bem próximas do público. Na edição 2014/15 mais de 2.400 pessoas puderam sentir o gostinho de como é velejar ao lado dos melhores do mundo e, com esta mudança, este número deverá chegar em torno de 10 mil.

Para mais informações sobre os catamarãs M32, acesse: www.m32world.com

 

Duas duplas da vela jovem recebem barco das mãos de medalhistas olímpicos Scheidt, Grael e Kunze

Duas duplas da Vela Jovem brasileira receberam, na manhã desta sexta-feira (dia 14), dois barcos da classe 470 das mãos de quatro campeões olímpicos. Na cerimônia de entrega realizada no Iate Clube do Rio de Janeiro, no último dia de disputa da Copa da Juventude, Martine Grael, Kahena Kunze, Robert Scheidt e Torben Grael entregaram as embarcações para a parceria feminina Juliana Duque e Amanda Sento-Sé e para a dupla masculina Leonardo Lombardi e Rodrigo Luz.

Campeãs mundiais na classe Snipe este ano, as baianas Juliana, de 21 anos, e Amanda, de 15, receberam o 470 medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Pequim-2008 com Fernanda Oliveira e Isabel Swan. As duas jovens atletas receberam o barco das mãos de Martine Grael, ouro na 49erFX na Rio-2016, e Robert Scheidt, campeão olímpico na Laser em Atlanta-1996 e Atenas-2004.

“É muito emocionante, um bom incentivo para podermos fazer a campanha olímpica. É o barco das medalhistas de bronze em Pequim-2008. Vamos fazer de tudo, treinar muito, dobrado, para aproveitar esta oportunidade que nos foi dada”, disse Juliana.

Medalhistas de prata no último Mundial da Juventude na classe 420, os velejadores do Rio de Janeiro Leonardo e Rodrigo, ambos de 19 anos, ficaram com outro 470. Os jovens atletas receberam o barco das mãos de Kahena Kunze, ouro na 49erFX na Rio-2016, e Torben Grael, campeão olímpico na Star ao lado de Marcelo Ferreira, em Atlanta-1996 e Atenas-2004.

“É uma honra muito grande. Velejo desde os 7 anos e sonho em poder ir para os Jogos Olímpicos. Isso sempre foi algo distante, mas temos conseguido bons resultados e isso nos motiva. Conseguir esse barco é um primeiro passo para realizar um sonho de vida”, afirmou Leonardo.

A solenidade de assinatura do convênio contou com a participação do Secretário-Geral da Confederação Brasileira de Vela (CBVela), Ricardo Lobato; do Diretor de Vela do Yatch Clube da Bahia e presidente eleito da Federação de Esportes Náuticos do Estado da Bahia (Feneb), Marcio Cruz; do Vice-Presidente Técnico da Federação de Vela do Estado do Rio de Janeiro (Feverj), Flavio Gama; do Contra-Comodoro do Iate Clube do Rio de Janeiro, Vicente Arruda; do Presidente do Grupo Energisa, Ricardo Botelho; e do Gerente Geral de Performance Esportiva do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Jorge Bichara.

“Desde que assumimos a CBVela temos o compromisso de investir na Vela Jovem. Fazer a transição do período de aprendizado para o alto nível é algo bem difícil. Nós queremos sempre ajudar ao máximo nessa transição”, disse Ricardo Lobato. “A Energisa é privilegiada em apoiar a Vela Jovem brasileira. Temos um histórico de presença na vela e estamos satisfeitos em poder contribuir para o desenvolvimento desse grande projeto da CBVela”, afirmou Ricardo Botelho

Coordenador Técnico da Equipe Brasileira de Vela, Torben Grael falou da importância de se disponibilizar estes barcos para os jovens velejadores. “Na vela olímpica hoje em dia temos uma renovação constante do equipamento. Alguns barcos estão em ótimo estado, mas não para competir no top da vela olímpica. Porém, para quem está começando, são perfeitos. Entregar estes barcos dá aos jovens atletas uma grande oportunidade de aperfeiçoamento e treinamento”.