Conheça os favoritos das classes olímpicas que estarão na água hoje, estreia da Vela

estreia_vela

Quatro velejadores brasileiros estreiam hoje nos Jogos Olímpicos do Rio para o início da jornada em busca de medalhas. Muitos atletas já chegam aos Jogos como favoritos. Eles são avaliados por suas histórias em Olimpíadas e outras competições, como campeonatos mundiais e seletivas olímpicas. Confira os principais adversários dos brasileiros hoje.

Laser – Robert Scheidt, de 43 anos, vai enfrentar ou 45 atletas na raia hoje. A Laser é a classe olímpica mais numerosa na raia e não será diferente na Rio-2016. Scheidt que tem 5 medalhas olímpicas, 3 delas na classe Laser. Ele também já venceu 11 vezes o campeonato mundial da classe, o último título foi em 2013. Três atletas se destacam na disputa contra ele: Pavlos Kontides e atleta do Chipre e medalhista de prata da classe Laser nos Jogos de Londres-2012; Francesco Marrai, da Itália, é outro com boas chances de medalha após vencer o último evento teste do Rio de Janeiro; Nick Thompson é da Grã-Bretanha e bicampeão mundial Laser (2015 e 2016).

Laser Radial – Fernanda Decnop, estreante em Olimpíadas, foi bronze nos Jogos Pan-Americanos e vai velejar com outras 36 atletas na raia. Ela terá que bater o pódio completo de Londres-2012 como a chinesa Lijia Xu, ouro em Londres-2012, Marit Bouwmeester, dos Países Baixos, medalha de prata em Londres-2012, e a belga Evi Van Acker, medalha de bronze de Londres-2012.

RS:X Masculina – Ricardo Winick, nossa Bimba, também tem uma dura batalha pela frente. Dono de quatro medalhas de ouro e uma prata em Jogos Pan-Americanos, esta é a sua quarta participação em Jogos Olímpicos. Ele terá dois medalhistas de Londres na raia, o medalhista de ouro Dorian Van Rijsselberg, dos Países Baixos e o medalhista de prata Nick Dempsey, da Grã-Bretanha.

RS:X Feminina – Patricia Freitas, nossa representante na classe, está em sua terceira olímpiada e terá de bater a espanhola Marina Alabau, medalha de ouro em Londres-2012. Bryony Shaw, da Grã-Bretanha, e Charline Picon, da França, também são atuais nomes fortes da classe de Patricia.

As regatas começam daqui a pouco na Baía de Guanabara.

Cerimônia de abertura da Rio-2016 emociona e não esquece a vela brasileira

robert_jura torben_band

Quem viu ainda se emociona ao lembrar da belíssima cerimônia de abertura da Rio-2016. Chamando a atenção para a conservação da natureza e para a cultura brasileira, a cerimônia encantou quem estava no Maracanã ou mesmo quem assistiu apenas pela televisão. Os velejadores compareceram em peso no desfile das delegações, com o início das competições marcado para hoje, na Baía de Guanabara, os atletas da Equipe Brasileira de Vela aproveitaram a noite de festa.

Mais especial ainda foi ver Torben Grael, coordenador técnico da Equipe Brasileira de Vela e  dono de cinco medalhas olímpicas (duas de ouro, duas de bronze e uma de prata), conduzindo a bandeira olímpica junto a outros grandes atletas e figuras nacionais. Robert Scheidt, outro multimedalhista da vela nacional, fez o juramento olímpico em nome de todos os atletas desta Olimpíada.

Para quem acompanha a vela, sabe que o esporte foi o que mais deu medalhas de ouro para o Brasil, foram 6 no total, quatro destas medalhas foram conquistadas por Torben e Robert – um feito a ser reconhecido por qualquer cidadão brasileiro. No total, a vela foi responsável por 17 medalhas em Olimpíadas e só perde para o Judô que tem 19 medalhas.

Hoje a vela brasileira estreia na Rio-2016 com Robert Scheidt, Fernanda Decnop, Ricardo Winick e Patricia Freitas. Toda sorte para o Brasil e que os bons ventos soprem em nossas velas.

Fotos Worl Sailing e Rio-2016

Equipe Brasileira de Vela começa, hoje, a batalha por medalhas na Rio 2016

rio2016

A Equipe Brasileira de Vela disputa a partir do dia 8 de agosto os Jogos Olímpicos Rio 2016, na Baía de Guanabara. Robert Scheidt, na classe Laser; Fernanda Decnop, na Laser Radial; Patricia Freitas, na RS:X feminina; e Ricardo Winicki, o Bimba, na RS:X masculina, serão os primeiros a levar seus barcos da Marina da Glória para a água. As regatas têm previsão de início às 13h, dependendo das condições de vento.

“A Equipe Brasileira é bem heterogênea, com velejadores muito experientes como o Robert Scheidt, o Bimba e a Fernanda Oliveira. E vários jovens com muito talento. Acho muito boa essa convivência dentro do grupo, principalmente com o Robert, um atleta com resultados expressivos e que passa muita confiança para a garotada”, disse o coordenador técnico da Equipe Brasileira de Vela, Torben Grael, dono de cinco medalhas olímpicas, entre elas dois ouros.

Robert Scheidt é o principal nome da equipe. Também com cinco medalhas olímpicas no currículo, sendo duas de ouro, o paulista de 43 anos vai para sua sexta participação nos Jogos com a chance de se tornar o primeiro atleta brasileiro tricampeão olímpico.

“Vou ficar satisfeito se conseguir chegar ao resultado que é o meu objetivo: uma medalha, não importa a cor. A medalha depende muito das circunstâncias, das adversidades da raia, de conseguir manter uma regularidade. São várias coisas que podem acontecer. O que você pode fazer é treinar da melhor forma possível”, afirma.

Medalha de bronze nos Jogos Pan-Americanos de Toronto-2015, Fernanda Decnop é uma estreante no maior evento esportivo do mundo. Já Bimba é um veterano, indo para sua quinta participação olímpica após ser campeão mundial em 2007 e tetracampeão pan-americano. Bicampeã pan-americana, Patricia Freitas compete pela terceira vez nos Jogos.

No dia 9, Jorge Zarif, campeão mundial na Finn em 2013, inicia sua segunda experiência olímpica. No dia seguinte, a Nacra 17 faz sua primeira aparição nos Jogos e o Brasil será representado por Samuel Albrecht, em sua segunda presença olímpica, e Isabel Swan, também em sua segunda disputa nos Jogos. Ela, ao lado de Fernanda Oliveira, se tornou a primeira mulher brasileira a conquistar uma medalha na vela, com o bronze na 470 feminina, em Pequim-2008.

Ainda no dia 10, estreiam as duplas da 470. Entre as mulheres, Fernanda Oliveira e Ana Luiza Barbachan competem juntas pela segunda vez. Fernanda, no entanto, já é uma veterana, indo para sua quinta participação olímpica. A dupla vem em uma excelente temporada, com pódio em cinco das sete competições disputadas em 2016. Entre os homens, Henrique Haddad e Bruno Bethlem fazem sua estreia no evento esportivo.

No dia 12, entram na água as duas classes restantes. Na 49erFX, uma dupla estreante, mas com grandes resultados no ciclo olímpico: Martine Grael e Kahena Kunze foram campeãs mundiais em 2014 e frequentaram o pódio constantemente nas principais competições internacionais. Na 49er, Marco Grael e Gabriel Borges competem nos Jogos Olímpicos pela primeira vez.

Foto World Sailing/Divulgação