Grandes nomes da vela participam da chegada da chama olímpica ao Rio de Janeiro

13681090_10154543275320757_817978798167494116_n

A vela virou estrela nacional na condução da tocha olímpica pelo Rio de Janeiro. Após a participação de Lars Grael e Clínico Freitas na condução da tocha, ontem, em Niterói, hoje foi o dia da chama olímpica atravessar a Baía de Guanabara e chegar ao Rio de Janeiro. O trajeto foi feito em um barco a remo da Escola Naval e os irmãos Lars e Torben Grael foram os responsáveis por conduzir a chama durante a travessia. Lars, dono de duas medalhas olímpicas, foi quem entregou a chama ao prefeito Eduardo Paes. Torben Grael, dono de cinco medalhas olímpicas e maior estrela da vela nacional, também participou da cerimônia de entrega da chama ao prefeito.

Além dos irmãos Grael, outros grandes velejadores participaram da festa da chegada da tocha à cidade sede do maior evento multiesportivo do mundo. Clínio Freitas, Isabel Swan, Nelson Falcão, Marcelo Ferreira e Ronnie Senff  não esconderam a alegria de conduzirem a tocha olímpica durante o trajeto.

A jornada prestou homenagem ao primeiros velejadores brasileiros e à tradição da vela nas Olimpíadas já que o esporte é responsável pela conquista de 17 medalhas.

Confira as fotos da grande festa:

Fernanda Oliveira e Ana Barbachan representam o Brasil na classe 470 da vela

Olympische klassen

A dupla do Clube dos Jangadeiros já está no Rio de Janeiro para o começo do maior evento esportivo do planeta. Os treinos encerraram na última semana e agora as atletas se preparam para o primeiro desafio, que já está com data marcada. As regatas da Classe 470 são na Marina da Glória nos dias 10, 11,12, 14, 15 e no dia 17, quando acontece a regata de medalha na categoria. Por motivos de logística, as velejadoras optaram por não ficar na Vila Olímpica e escolheram a Escola de Educação Física do Exército (EsEFEx) para a hospedagem.

Fernanda é veterana em Jogos Olímpicos: esta é a sua quinta participação (2000, 2004, 2008, 2012 e 2016). Em 2008, nos jogos de Pequim, a velejadora conquistou o bronze junto com Isabel Swan, e a dupla entrou para a história da vela como as primeiras brasileiras a conquistarem uma medalha no esporte.

A atleta compete na Classe 470 com Ana Barbachan, que está em sua segunda Olimpíada (2012, 2016). Entre janeiro e maio deste ano, as velejadoras trouxeram para o País seis títulos internacionais:

– Campeãs do Campeonato Norte-Americano de 470, em Miami;
– Prata no Trofeo Princesa Sofía, em Palma de Mallorca, na Espanha;
– Prata na etapa de Hyères da Copa do Mundo de Vela, na França;
– Bronze da Etapa da Copa do Mundo de Miami;
– Bronze no Campeonato Europeu de 470, em Palma de Mallorca, Espanha;
– 4º lugar no Campeonato Mundial de 470, em San Isidro, na Argentina;
– 6º lugar no Campeonato Sulamericano na Argentina.

Informações assessoria de imprensa

Medalhista nos Jogos de Seul e Atlanta, Lars Grael acende Pira Olímpica em Niterói (RJ)

Revezamento da Tocha Olímpica Rio2016 - Lars Grael, condutor Bradesco durante o Revezamento da Tocha Olímpica em Niterói (RJ) - 02.08.16 - Revezamento da Tocha Olímpica Rio2016. foto: BRADESCO/William Lucas - Brasil - rj - Niterói - - - www.inovafoto.com.br - id:113814Revezamento da Tocha Olímpica Rio2016 - Lars Grael (d) e Clínio Neto, condutor Bradesco durante o Revezamento da Tocha Olímpica em Niterói (RJ) - 02.08.16 - Revezamento da Tocha Olímpica Rio2016. foto: BRADESCO/William Lucas - Brasil - rj - Niterói - - - www.inovafoto.com.br - id:113811

 

A três dias da Cerimônia de Abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016, o clima para o maior evento multiesportivo do mundo aumenta por conta do revezamento da tocha olímpica. Nesta terça-feira (2), Saquarema, Rio Bonito, Tanguá, Itaboraí, São Gonçalo e Niterói foram palco da passagem da chama olímpica durante o dia, nesta ordem. Neste momento histórico, 26 condutores indicados pelo Bradesco carregaram a tocha nos seis municípios fluminenses, entre eles, dois medalhistas olímpicos da vela: Lars Grael e Clínio Freitas.

Dono de grande história de superação, Lars coleciona inúmeras vitórias dentro e fora das águas. Mesmo depois de sofrer grave acidente, que culminou na mutilação de uma de suas pernas, Grael não se afastou dos esportes e voltou a velejar. A sua determinação o tornou em um atleta medalhista olímpico. Ele faturou duas medalhas de bronze (Seul, em 1988, e Atlanta, em 1996).
>Em Niterói (RJ), cidade que o acolheu e faz parte da sua trajetória vencedora, Lars Grael teve o privilégio de conduzir a tocha olímpica e a honra de acender a pira olímpica. Emocionado, o atleta recobra o seu passado e enaltece o momento especial no maior evento multiesportivo do mundo.

“Eu represento todas as pessoas que tiveram um ideal na vida, um sonho e, hoje, após participar de seis Olimpíadas, sendo quatro como atleta, eu me sinto representando toda uma nação brasileira, mostrando uma imagem de superação e otimismo. Nada melhor do que a referência do esporte. Para todos aqueles que impactaram em minha vida, a minha família, a herança que tivemos na paixão pelo mar, da cumplicidade do vento, chegar neste momento mágico de carregar a chama olímpica e acender a pira em Niterói é um motivo de orgulho muito grande”, comentou Lars.

Lars, convidado pelo Bradesco, coroou a sua participação com a presença do também medalhista olímpico Clínio Freitas, indicado por Grael para conduzir o símbolo olímpico na campanha do Banco. Amigos e velejadores há mais de 30 anos, reúnem grandes histórias juntos e acrescentaram o revezamento da tocha olímpica no currículo.

Medalhistas de bronze em Seul, ambos também recordam de uma passagem marcante na vida. Em 1998, quando Lars foi atropelado por um barco, Clínio foi quem o resgatou do mar. Presente em Olimpíadas como atleta, técnico e dirigente, teve a oportunidade de conduzir o símbolo da chama olímpica.

Em dia de grandes histórias da vela, Walmir das Neves foi outro condutor Bradesco na cidade de Niterói. Neves tem grande ligação com a família Schmidt Grael, sendo amigo de Preben Schmidt, avô de Lars Grael.

A chama olímpica volta às ruas do Rio de Janeiro na quarta-feira (3), quando Duque de Caxias, São João de Meriti, Nilópolis, Belford Roxo e Nova Iguaçu recebem os condutores do Revezamento da Tocha Olímpica Rio 2016.

Sobre o Revezamento da Tocha Olímpica

O Revezamento da Tocha começou em 3 de maio de 2016. Durante 95 dias, vai percorrer mais de 300 cidades, em todos os estados. Cerca de 12 mil pessoas irão participar, até a chegada da tocha ao Maracanã, no dia 5 de agosto, para o acendimento da pira olímpica na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016.

Fotos e informações assessoria de imprensa

Começa a tradicional Copa Del Rey na Espanha

resize1_28107864954_ab4558d578_b_arr

Com 116 barcos, divididos em sete classes, e vento que demorou para entrar na baía de Palma, começou a 35ª edição da Copa Del Rey, na Espanha. O vento, que  variaram entre 12 e 15 nós, proporcionou belas regatas, principalmente entre os Maxi 72, que correrão o Campeonato Mundial da classe no próximo mês. São quatro barcos disputando a Classe Monblanc Maxi 72 e o americano Bella Mente está na liderança com 8 pontos perdidos.

Entre os J80, outra classe de grande prestígio na competição, é espanhol Les Roches-Puente Romano Marbella quem lidera com 7 pontos perdidos. O Azurra, famoso veleiro italiano, lidera a classe IRC 1.

Confira os líderes das outras classes que correm a Copa Del Rey:
Maserati – ORC 1
Movistar -ORC 2
Earlybird – Swan 45
Red Eléctrica de España – X-35

Esta edição ainda aguarda a estreia dos catamarãs GC32 que devem ir para a água hoje.

Acompanhe os resultados completos aqui.

Alexandre Paradeda ministra clínica de vela jovem da Classe Optimist

imagem_release_166248blog

Diretor de Vela Jovem da Confederação Brasileira de Vela (CBVela), Alexandre Paradeda vai comandar a Clínica Energisa de Vela Jovem da Classe Optimist, marcada para os dias 24, 25 e 26 de agosto, no Iate Clube Espírito Santo, a partir das 13 horas. O evento serve como preparação para o Campeonato Brasileiro da Classe Optimist, a ser realizado em janeiro de 2017, também na capital capixaba.

Na Clínica Energisa, cerca de 30 velejadores com menos de 15 anos terão a oportunidade de conhecer os segredos da Classe Optimist, com as orientações de um dos grandes velejadores do Brasil. Xandi Paradeda é ex-atleta olímpico (disputou os Jogos de Sydney-2000 e Atenas-2004 na classe 470), além de ter conquistado a medalha de prata nos Jogos Pan-Americanos de Winnipeg-1999 e a de ouro no Pan do Rio de Janeiro-2007, ambos na classe Snipe.

Paralelamente, a CBVela vai promover a Clínica Energisa para Gerentes de Regata, também no Iate Clube Espírito Santo, nos dias 25, 26 e 27 de agosto. Neste evento, cerca de 20 oficiais serão selecionados para auxiliar na organização técnica do evento esportivo mais importante da Classe Optimist no próximo ano, que servirá como seletiva para os eventos internacionais da classe.

As Clínicas Energisa de Vela Jovem fazem parte do trabalho que a Confederação Brasileira de Vela (CBVela) faz voltada para o desenvolvimento de novos velejadores, com apoio da Energisa, parceiro oficial e patrocinador oficial da Vela Jovem.

SERVIÇO:
Local: Iate Clube Espírito Santo,
Endereço: Praça do Iaté, 200 – Praça do Canto – Vitória/ES
Datas e horários: 24, 25 e 26 de agosto de 2016, a partir de 13h