Classic Sailing Festival recebe medalhistas olímpicos na Guarapiranga

285952_612794_ycp_pinguim_web_

Às vésperas do Jogos Rio 2016, o Yacht Club Paulista (YCP) realizará no próximo fim de semana (18 e 19) o primeiro Classic Sailing Festival, com entrada gratuita, incluindo-se o também inédito Campeonato Brasileiro de Clássicos para monotipos na Represa Guarapiranga. Os medalhistas olímpicos Lars Grael e Bruno Prada estarão presentes. O campeão mundial Jorge Zarif, representante da classe Finn na olimpíada brasileira, participará da homenagem especial ao seu pai, Jorge Zarif Neto, o Guga, também velejador olímpico e que deixou relevante legado ao YCP e aos atuais velejadores.

Tetracampeão mundial da classe Star e ganhador de duas medalhas olímpicas, o diretor de Relações Institucionais do YCP, Bruno Prada, lembra com carinho do amigo e rival Guga. “Comecei a velejar em 1979. Nos Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1984, Guga foi o único paulista na delegação da vela e se tornou um dos meus ídolos. Aos 17 anos, em 1989, ganhei meu primeiro Campeonato Paulista de Finn velejando contra ele. Começava assim, uma longa historia de saudável rivalidade. Éramos muito amigos em terra, mas adversários “mortais” na água”.

Além de Guga Zarif, outros campeões serão lembrados nas homenagens com a presença da Marinha do Brasil, como o tri mundial de Finn, Joerg Bruder, ex-sócio benemérito do YCP. “O reconhecimento aos grandes atletas é muito raro em nossa sociedade. Sem a figura do ídolo ou do herói fica difícil para as crianças que estão iniciando no esporte criarem suas referencias de sucesso. Uma homenagem desse porte motiva a todos os envolvidos”, afirma Bruno Prada.

Guga Zarif faleceu em 2008, aos 50 anos. Três anos antes conquistou a tradicional Semana de Vela de Ilhabela com barco Áries IV, com seu filho Jorginho entre os tripulantes. Joerg Bruder foi uma das vítimas do acidente aéreo de Orly, em 1973, quando viajava para a França onde brigaria pelo tetra mundial consecutivo na classe Finn.

São esperados mais de 60 barcos de Star, Lightning, FD, Pinguim, Finn, Snipe, Sharpie e Iole Olímpica. O Classic Sailing Festival tem os apoios de: North Sails, Regatta Náutica, Luiz Náutica, MagicEzy Brasil, Pier 22, Carretas Náuticas Gagliotti, Jornal Almanáutica, Mercedes Benz Classic Car Clube do Brasil, Fevesp – Federação de Vela do Estado de São Paulo e CBVela – Confederação Brasileira de Vela. Confira o Aviso de Regata (AR):http://ClassicSailing.ar.RaceFinder.net

Copa Yacht Club Paulista – A quinta etapa da Copa YCP levou 45 barcos à raia nos dias 11 e 12 apesar do frio desafiador que chegou à mínima de 5°C na Represa Guarapiranga. A equipe YCP Sailing Team Pajero ganhou a HPE 25, com três vitórias em três regatas. Entre as classes mais numerosas, Enrico Francavilla (YCSA) venceu na Snipe, enquanto Martin Lowy (YCSA) foi o primeiro colocado na Laser Radial. A sexta das nove etapas da temporada será em 20 e 21 de agosto.

Programação do Classic Sailing Festival

Sábado (18/6)
09h00 – Exibição de barcos clássicos
11h00 – Cerimônia de abertura
11h30 – Avaliação “Joia Clássica”
14h00 – Regatas do Brasileiro de Clássicos

Domingo (19/6)
10h00 – Homenagem ao velejador Guga Zarif
12h00 – Almoço comemorativo
14h00 – Regata Homenagem aos Campeões (todas as classes)
14h05 – Medal Race – Brasileiro de Clássicos
18h00 – Vernissage livro “São Paulo como me lembro” (Roberto da Rocha Azevedo)
18h00 – Premiação das regatas

Fonte: assessoria

Adrenalina da classe C30 espanta o frio em Ilhabela

285853_612263_c30_warm_largada_edu_web_

A segunda etapa do Circuito Ilhabela de Oceano, considerada o Wam Up para a Semana de Vela, transformou-se literalmente em aquecimento para a classe C30 apesar de a temperatura não ter ultrapassado os 15°C neste fim de semana (11 e 12). Com as tripulações muito bem preparadas, e agasalhadas, o líder geral Caballo Loco venceu duas das cinco regatas, enquanto o vice +Realizado obteve um primeiro lugar, contra dois do Caiçara, terceiro na parcial da temporada.

Entre 30 embarcações, Kaikias e Barracuda completaram a flotilha da C30. Após nove regatas o equilíbrio é extremo. Caballo Loco e +Realizado somam 20 pontos perdidos contra 21 do Caiçara, considerando-se um descarte. “Foi um fim de semana intenso com regatas difíceis, repletas de manobras. A movimentação e a concentração exigidas a bordo fizeram com que o frio passasse quase despercebidamente”, contou o proeiro do Caiçara, Gabriel de Capitani.

O vento sul com intensidade de até 15 nós (27 km/h) predominou durante as regatas com sede no Yacht Club de Ilhabela. O comandante do Caiçara, Marcos de Oliveira Cesar, ficou empolgado com o nível técnico apresentado pelas tripulações da C30. “Percebi que estão todos muito bem preparados, tanto para o Campeonato Brasileiro quanto para a Semana de Vela, ambos na primeira semana de julho, também em Ilhabela. Estamos animados com o desempenho do Caiçara”.

O comandante Marcos está ciente de que a igualdade entre os barcos deve se estender às duas próximas competições. “Este fim de semana foi muito mais frio do que é costume. A massa de ar polar trouxe também bons ventos que permitiram grandes disputas. O Caballo Loco mostrou entrosamento, o +Realizado foi muito regular e o Kaikias está evoluindo. O Warm Up foi importante para mostrar os pontos a serem melhorados nas regulagens e manobras das equipes”.

A Copa Suzuki – Circuito Ilhabela de Oceano – voltará a ser disputada em sua terceira etapa nos dias 10 e 11 de setembro. Antes, a classe C30 terá como foco as regatas da Semana de Vela de e do Campeonato Brasileiro, entre 2 e 9 de julho e que contarão com o retorno à raia do barco Loyal na defesa dos dois títulos conquistados em 2015.

Classificação após duas etapas e nove regatas (um descarte)

1. Caballo Loco (Mauro Dottori) – 5, 4, 1, 2, (6-DNF), 1, 4, 1, 2 = 20 pp
2. +Realizado (José Luiz Apud) – 1, 3, 4, 1, 3, (5), 1, 4, 3 = 20 pp
3. Caiçara (Marcos de Oliveira Cesar) – 4, (5), 2, 3, 1, 4, 3, 3, 1 = 21 pp
4. Kaikias (Felipe Echenique) – 3, 1, 3, 4, 4, 2, 2, (5), 4 = 23 pp
5. Barracuda (Humberto Diniz) – 2, 2, (5), 5, 2, 3, 5, 2, 5 = 26 pp

Fonte: assessoria

ICJG promove regata em homenagem a Chico Mendes

No dia 9 de julho o Iate Clube Jardim Guanabara vai promover a XXVIII Regata Chico Mendes. São elegíveis barcos da Classe Ranger 22, Oceano Cruzeiro, Multicascos, Veleiros Clássicos e demais classes que formarem no mínimo três embarcações. As inscrições deverão ser entregues na Secretaria de Náutica do ICJG até as 13:00 do dia 09/07/2016 ou na embarcação da CR até o sinal de preparação. A regata será disputada em águas da Baía de Guanabara, entre as ilhas do Governador e Paquetá, com largada em frente ao ICJG. Para ver o AR completo, clique aqui.

Quem foi Chico Mendes:

Francisco Antonio Mendes Filho, carioca do Zumbí, Ilha do Governador, nasceu em 15 de junho de 1934. Marinheiro desde a infância, explorou como poucos as praias e as águas da Baía de Guanabara. Esportista, praticou várias modalidades federadas, com destaque para o basquetebol onde foi Campeão Brasileiro das Forças Armadas pela Aeronáutica. Defendeu ainda as cores do Jequiá e Vasco da Gama (basquete e vôlei) e do Fluminense (natação).

Velejador, competiu por anos ativamente nas classes Sharpie 12m² (com o irmão mais velho Milton, no Curare), Guanabara (com o Meia Noite) e Ranger 22’ (com o Meia Noite II) e, como proeiro, velejou desde Pinguins até Lightnings, Solings e Oceanos. Teve vários títulos nas diversas classes em que competiu.

Na Ranger 22’ seus principais títulos foram o de vice-campeão brasileiro e de campeão estadual em 1984, como proeiro do Meia Noite II. Retirou-se da primeira linha das competições após sofrer um infarto durante a primeira regata do campeonato estadual de 1985. Sempre que as limitações físicas permitiam, porém, participava de regatas e a sua última prova importante foi a Francisco Mendes de 2002, quando tripulou o seu barco em companhia do filho, do neto e da nora.

Dirigente esportivo, iniciou sua carreira no Jequiá Iate Clube como Conselheiro e Diretor; sócio do Iate Clube Jardim Guanabara desde 1973 foi Conselheiro, Diretor de diversos departamentos e Vice-Comodoro. Era Sócio Benemérito do ICJG desde 1992 e seu último trabalho no Clube foi o de Assessor do Conselho Deliberativo. Foi também Conselheiro e Diretor Técnico, árbitro de Regatas e Juiz de Protestos do quadro da FEVERJ. Foi agraciado com várias comendas, entre as quais a de Amigo da Marinha e das Ordens dos Veleiros da Escola Naval e da EFOMM.

Bancário, foi funcionário do Banco do Estado de Minas Gerais desde 1955. Aposentou-se em 1983, após 16 anos de Gerência. Morava na Ilha do Governador, próximo ao Iate Clube Jardim Guanabara. Casado desde 1961 com Yolanda, deixou dois filhos: Francisco Eduardo e Raquel, ambos casados, e um neto, Francisco André. E muitos amigos. Chico deixou-nos em busca de melhores ventos em novembro de 2002.

Regata em homenagem à Batalha do Riachuelo reúne mais de 40 barcos em Santos

No último sábado o Clube Internacional de Regatas promoveu em Santos mais uma edição da regata comemorativa da Batalha do Riachuelo. Neste ano o evento reuniu mais de 40 barcos nas classes de oceano e monotipo. A premiação foi feita na sede náutica do clube, no Guarujá, e contou com a presença do Capitão dos Portos de Santos, diretoria da SOAMAR e do CIR, convidados e a presença de mais de uma centena de velejadores que curtiram uma animada tarde festiva. O resultado completo pode ser visto aqui.

Cabanga e CPPE premiam campeões da Regata Batalha Naval do Riachuelo

IMG_4968.JPG

O Cabanga Iate Clube de Pernambuco e a Capitania dos Portos de Pernambuco premiaram, neste domingo (12), os campeões da regata que homenageou os 151 anos da Batalha Naval do Riachuelo, considerado um dos maiores triunfos da História das Forças Armadas do Brasil.

A solenidade, realizada na sede do Cabanga no Recife/PE, contou com a presença do comodoro do Cabanga, Jaime Monteiro Jr., e do capitão dos Portos, Marcelo Petrille Pacheco.

Na água, uma bonita disputa movimentou a raia da Bacia do Pina (Snipe, Optimist e Oceano) e de Marinha Farinha (Dingue). Destaque para Ted Monteiro/Rafael Monteiro (Snipe), Luciana Raposo/André Verona (Dingue), Patoruzu (Oceano) e Ludmila Lira (Optimist) que conquistaram o primeiro lugar nas suas respectivas classes. 

SNIPE A
1º Ted Monteiro/Rafael Monteiro
2º Ítalo Silva/Amauri Guedes
3º Letícia Lira/Luísa Vasconcelos
4º Rodrigo Vilarroel/Clara
5º Ludmila Lira/Marina da Fonte/Júlia Ollivier

SNIPE B
1º Ítalo Silva/Amauri Guedes

SNIPE VELA JOVEM
1º Letícia Lira/Luísa Vasconcelos
2º Rodrigo Vilarroel/Clara
3º Ludmila Lira/Marina da Fonte/Júlia Ollivier

DINGUE
1º – Luciana Raposo/André Verona
2º – Amadeu Palha/Renata Palha
3º – Alexsandro Bispo/Leonardo Almeida
4º – Roberto Araújo/Alexandre Mercanti
5º – Henrique Mousinho/José Araújo

OCEANO
Fita Azul
Patoruzu

RGS – A  

1º Lavienrose
2º Lampião
3º Morning breese

RGS B
1º Zuada
2º Vovô

MOCRA –  CRUZEIRO
1º Algo +

MOCRA REGATA
1º Patoruzu
2º Centauro

OPTIMIST
Geral
1º Ludmila Lira
2º Júlia Ollivier
3º Júlio César

Feminino
1º Ludmila Lira
2º Júlia Ollivier
3º Letícia Lira

Estreante
1º Miguel
2º Martina
3º Leone

Fonte: assessoria

Artemis Racing vence a etapa de Chicago da ACWS

O final de semana foi agitado em Chicago com a disputa da America´s Cup World Series. O evento teve recorde de público com mais de 200 mil pessoas durante os três dias e mais de mil barcos na água na final, e vitória do Artemis Racing.

A ação começou na sexta-feira com duas capotagens nos treinos com ETNZ e Oracle Team USA. Rapidamente as equipes colocaram seus barcos na posição normal, recolheram os tripulantes que caíram na água e as regatas puderam recomeçar. Como manda a regra, o resultado da última regata treino do dia  pode ser computado caso não seja possível realizar regatas no dia seguinte.

E foi isso que aconteceu. O vento bom que apareceu na sexta, com rajadas de até 20 nós, simplesmente desapareceu no sábado. Bom para o SoftBank Team Japan, que venceu a última regata de sexta e computou sua primeira vitória na competição.

No domingo “Super Sunday”, que teve três regatas com pontuação dobrada, mais de mil barcos estiveram na água acompanhando a disputa acirrada entre os seis competidores. Na primeira regata do dia, o Land Rover BAR liderou de ponta a ponta. Na segunda, quem largou na frente foi o Groupama Team France, porém foi o Artemis que cruzou a linha de chegada na frente, com o Oracle Team USA bem na cola. Na última regata do dia, cinco dos seis barcos largaram colados e no final, quem se deu melhor, foi o SoftBank Team Japan.

“Para ser sincero, estou um pouco aliviado. Finalmente tivemos um dia com tempo bom que soubemos aproveitar. Andamos em quarto a semana toda e ficaríamos contente em terminar no top 3 em todas as regatas”, disse nathan Outteridge, skipper do Artemis.

Resultado da etapa de Chicago:

Artemis Racing – 9, 18, 20, 14 – 61
Land Rover BAR – 6, 20, 14, 18 – 58
SoftBank Team Japan – 10, 16, 10, 20 – 56
Emirates Team New Zealand – 7, 12, 16, 16 – 53
ORACLE TEAM USA – 5, 14, 18, 12 – 49
Groupama Team France – 8, 10, 12, 10 – 40

Com mais esta etapa concluída, o resultado acumulado é o seguinte:

Emirates Team New Zealand – 295
Land Rover BAR – 285
ORACLE TEAM USA – 285
Artemis Racing – 262
SoftBank Team Japan – 259
Groupama Team France – 234

 

Classe C30 deverá ter disputa acirrada no final do Warm Up da SVI

O vencedor da equilibrada classe C30 na segunda etapa do Circuito Ilhabela de vela oceânica será conhecido neste domingo (12) em Ilhabela após as regatas complementares da disputa iniciada no fim de semana anterior na Capital Nacional da Vela. A definição da etapa considerada como Warm Up para a Semana de Vela, em julho, está em aberto. O barco +Realizado (nove pontos perdidos) lidera com dois pontos de vantagem sobre o Kaikias (11pp), que está apenas um ponto à frente do terceiro colocado, Caballo Loco (12pp), após quatro regatas.

O trimmer (regulador) da vela balão do +Realizado, Ricardo Apud, sabe que a tripulação terá de lutar para manter a liderança. “Neste fim de semana deveremos ter vento parecido com o do último domingo e a disputa seguirá acirrada. Porém, segundo as previsões, as condições do mar devem estar mais difíceis o que impõe mais riscos e desafios. Vamos manter a concentração e aproveitar a vantagem que possuímos”. No domingo anterior (5) as rajadas de sudoeste atingiram 22 nós (40 km/h), com forte correnteza sul no Canal de São Sebastião, além do frio, que estará ainda mais intenso nas regatas decisivas.

A primeira etapa, em março, registrou o mesmo equilíbrio. O Caballo Loco venceu o Caiçara por um ponto, que ficou à frente do Barracuda com igual vantagem. “Na C30, pequenos detalhes fazem muita diferença. É por isso que adoramos essa classe”, define Apud. O comandante do Caballo Loco, Mauro Dottori, destaca a importância do Warm Up. “É uma fase muito esperada da Copa Suzuki, porque além de fazer parte do campeonato que mais aponta a qualidade das tripulações da C30, é um treino especial para a Semana de Vela”, também com sede no Yacht Club de Ilhabela (YCI).

Na visão de Dottori, o principal fator da C30 é a possibilidade de vitória aberta a todas as tripulações, o que mantém a motivação sempre elevada para se velejar. “A equipe mais bem treinada é a do Caiçara, do comandante Marcos Cesar, por isso é merecidamente a atual campeã do Circuito Ilhabela. Nós os vencemos por um ponto na primeira fase dessa deliciosa disputa, mas como diz a velha máxima do esporte: o jogo só acaba quando termina”, alerta Dottori.

Frio e “suduca” – As regatas deste fim de semana exigirão “roupas de tempo” para que os velejadores suportem temperaturas que não devem ir além de 15°C em Ilhabela. Conforme o Windguru, deve predominar o vento sudoeste, o chamado suduca, entre 11 e 13 nós no início das duas tardes. Ao contrário da abertura do Warm Up, pelo menos não há previsão de chuva. As largadas serão dadas ao meio-dia.

Fonte: assessoria

Jérémie Beyou vence a edição inaugural da NY Vendée Race

image

O francês Jérémie Beyou, a bordo do Maître CoQ venceu a edição inaugural da regata New York Vendée, que partiu de Les Sables d’Olonne no dia 1 de junho. Ele levou 9 dias, 16 horas, 57 minutos e 52 segundos para cobrir as 3460 milhas do percurso.

A disputa foi bastante acirrada com outros dois barcos. O segundo colocado foi Sébastien Josse, do Edmond de Rothschild, que chegou às 17h06min49seg, seguido por Alex Thompson, do Hugo Boss, que concluiu a prova às 18h43min33seg.

O próximo encontro dos três será na Vendée Globe, em novembro.

Yacht Club Paulista realiza inédito Classic Sailing Festival

285422_610907_ycp___clAssico_1_web_.jpg

A primeira edição do Classic Sailing Festival terá como principal objetivo resgatar a história da vela brasileira e reverenciar seus campeões. Jorge Zarif Neto, o Guga, receberá homenagem especial do Yacht Club Paulista (YCP) em 18 e 19 de junho. O velejador olímpico e de oceano deixou legado relevante aos demais associados do YCP, entre eles, seu filho Jorginho Zarif, mais jovem campeão mundial de Finn e representante brasileiro da classe Finn nos Jogos Rio 2016.

O Classic Sailing Festival terá ampla programação para o fim de semana, incluindo-se o primeiro Campeonato Brasileiro de Clássicos para Star, Lightning, FD, Pinguim, Finn, Snipe, Sharpie e outras classes. Domingo (19) será disputada a Regata dos Campeões, em homenagem a Guga Zarif, aberta a todas as classes envolvidas, com as participações de Jorginho Zarif e do também associado do YCP e medalhista olímpico, Bruno Prada. São esperados mais de 60 barcos e a entrada será franca. Confira o AR: http://ClassicSailing.ar.RaceFinder.net

A intenção do Comodoro José Agostini Roxo é de que o YCP possa contribuir de forma efetiva com a evolução da vela nacional e ao mesmo tempo preservar as conquistas históricas de nossos velejadores. “Pretendemos organizar o Classic Sailing Festival para resgatar não apenas a história do YCP, mas dos demais clubes náuticos do Brasil, agrupando-se veleiros monotipos clássicos construídos a partir de 1930. Não há nada melhor do que reunir amigos e relembrar casos de aventuras do passado que rendam boas risadas”.

Hora de tirar o pó – Roxo espera que o evento aproveite o romantismo da vela de décadas passadas para criar um clima de confraternização entre as gerações e motivar o retorno dos clássicos à raia. “No momento em que promovemos uma exposição de embarcações e o Campeonato Brasileiro de Clássicos, incentivamos seus proprietários a ‘tirar o pó’ de seus veleiros e a se dedicar à manutenção adequada, preservando-os por mais algumas décadas, quem sabe”, deseja e recomenda o Comodoro do YCP.

“O diretor de Vela do YCP, Alberto Hackerott, ressalta que os dois eventos, Classic Sailing Festival e Regata dos Campeões, serão unificados para atrair públicos da vela de todas as idades. “Queremos impulsionar a vela na Guarapiranga de forma contundente. Acreditamos que muita gente em São Paulo não tem ideia da maravilha de lugar que temos à disposição para velejar, bem mais próximo de nossas casas do que imaginamos. Muitos amigos meus não sabem velejar, mas estarão presentes pela oportunidade de conhecer velejadores olímpicos e apreciar de perto as relíquias clássicas”, convida Beto.

O Classic Sailing Festival tem os apoios de: North Sails, Regatta Náutica, Luiz Náutica, MagicEzy Brasil, Pier 22, Carretas Náuticas Gagliotti, Jornal Almanáutica, Mercedes Benz Classic Car Clube do Brasil, Fevesp – Federação de Vela do Estado de São Paulo e CBVela – Confederação Brasileira de Vela.

5ª Etapa da Copa YCP – O fim de semana (11 e 12/6) que antecede o Classic Sailing Festival será dedicado à quinta etapa da Copa Yacht Club Paulista, que tem levado de 50 a 60 barcos de várias classes à Represa Guarapiranga. Nove etapas da Copa YCP estão previstas para a temporada de 2016. A cada uma, há sorteio de vários brindes aos velejadores inscritos e no final do ano serão sorteadas velas e lonas novas da North Sails para as três classes que mais levarem barcos à raia ao longo do ano. Somando-se as etapas, mais de 130 barcos correram neste ano.

“O coordenador da classe mais numerosa após as nove etapas receberá o troféu de posse transitória Joerg Bruder”, lembra Beto Hackerott. Até a quarta etapa a liderança pertencia à classe Laser, seguida de perto pela Snipe. Uma das atrações é o velejador olímpico André Fonseca, o Bochecha, líder da classe HPE 25 com o YCP Sailing Team Pajero. Neste sábado (11), antes da primeira largada, prevista para 14h00, será realizada a premiação da última etapa. No domingo, as regatas começam às 13h00. Confira AR e IR :http://CopaYCP.ar.RaceFinder.net/ Inscrições pelo site: www.CopaYCP.RaceFinder.net

Fonte: assessoria

AC world Series segue para Chicago neste final de semana

ORACLE TEAM USA training in Bermuda with the AC45S
15/02/16 – Hamilton (BDA) – 35th America’s Cup Bermuda 2017 – ORACLE TEAM USA – AC45S training

E neste final de semana do dia dos namorados no Brasil, os velejadores da America´s Cup estarão em Chicago para a disputa da sexta etapa da AC World Series. Seis regatas estão programadas, sendo três no sábado e três no domingo. Espera-se que a área de regatas de Chicago seja bem diferente do que os velejadores encontraram em Nova Iorque no mês passado. A previsão indica ventos mais constantes, com uma área de regatas longe dos grandes edifícios, como foi em NY. Se o vento sudeste se confirmar, a água deverá estar bem lisa, favorecendo as disputas acirradas. O Emirates Team New Zealand chega em primeiro, com 244 pontos acumulados, porém tudo pode acontecer. O Oracle Team USA, em segundo, está na cola, com 235 pontos, seguidos pelo Land Rover BAR, com 227.