Regata Tripulação encerra a Copa Flotilha em Floripa

Após a realização das Regatas Solitário e Ele e Ela, ambas no mês de maio, a tradicional Copa Flotilha chega a sua terceira e derradeira etapa nesse sábado, 2. Valendo também como quarto evento da temporada 2016 da Copa Veleiros de Oceano, a Regata Tripulação reúne a flotilha oceânica do Iate Clube de Santa Catarina com largada na Baía Sul, às 12h.

Assim como nas demais etapas, a Regata Tripulação será composta por embarcações das classes C30, RGS, ORC e Início/Retorno. No entanto, nessa etapa dois percursos contemplam a disputa. Os barcos mais velozes (C30 e ORC) cumprem o trajeto barla-sota saindo da Baía Sul rumo a primeira boia na Ponta de Coqueiros, seguindo para a primeira das quatro pernas entre Coqueiros e São José, onde haverá outra boia. Após cumprir a última etapa em Coqueiros, as embarcações seguem para a linha de chegada entre CR e boia, próximo à Sede Central do ICSC.

Para as embarcações menores (RGS A, RGS B, RGS Cruzeiro e Início/Retorno), o percurso será o mesmo, mas com apenas duas pernas de barla-sota entre Coqueiros e São José. A chegada será no mesmo local. Após a Regata acontece a premiação de todas as etapas da Copa Flotilha seguida pela premiação geral do torneio.

Em 2015 o Zeus Team, da classe C30, foi o Fita Azul da Regata (primeira embarcação a cruzar a linha de chegada)

Aviso Urgente: homem qo mar

Nesta quinta-feira, 02/06, por volta das 18h, um marinheiro do NPHo de nome Vital de Oliveira, da Marinha do Brasil, caiu do navio a 15 milhas ao sul da Ilha Montão de Trigo, no litoral norte paulista.

As buscas estão sendo realizadas pelo navio e uma aeronave também  está auxiliando. Quem tiver alguma informação deverá entrar em contato com a Delegacia da Capitania dos Portos em São Sebastião qualquer fato relevante, pelo telefone (12) 3892-1550/1555 ou (12) 99726-4618.

Velejador olímpico chileno é novidade na classe C30

image

O barco Kaikias será um dos destaques da flotilha de C30 nesta temporada a partir do Circuito Ilhabela de vela oceânica, incluindo-se a Semana de Vela e o Campeonato Brasileiro da classe, ambos também na Capital Nacional da Vela. O barco do litoral norte paulista terá como timoneiro o velejador olímpico Felipe Echenique, representante chileno da classe Laser nos Jogos Olímpicos de Atlanta (EUA), em 1996. A segunda etapa do circuito será disputada nos dois próximos finais de semana (4 e 5, 11 e 12/6) no Canal de São Sebastião.

Felipe comandará tripulação formada por maioria de amigos que migraram dos monotipos para a vela oceânica. “Estamos superanimados porque o barco é fantástico, um dos mais legais que já velejei. O C30 é muito rápido e você sente que tem o equipamento ‘nas mãos’, o que dá mais vontade de competir”, afirma o chileno campeão sul-americano de Laser. “Quem vem do monotipo traz muita sensibilidade para conduzir a embarcação. É também o caso do Iago Whately, excelente velejador, nosso trimmer (regulador) da vela mestra”.

A tripulação do Kaikias utiliza o Circuito Ilhabela para compreender o barco e desenvolver o aprendizado. “Ainda estamos adquirindo experiência na classe que é sem dúvida uma das mais competitivas. A tendência é de evoluirmos a cada regata”, prevê Felipe. Na abertura da temporada, o equilíbrio da flotilha garantiu a emoção na C30. O barco Caballo Loco venceu a etapa com apenas um ponto de vantagem sobre o Caiçara, que também ficou um ponto à frente do terceiro colocado Barracuda.

O experiente Mauro Dottori, comandante do Caballo Loco, líder do Circuito Ilhabela após a primeira etapa, aproveita para elogiar o amigo e agora também rival na C30. “Felipe Echenique é uma excelente aquisição para a classe. Vai favorecer a evolução da flotilha e elevar ainda mais o nível técnico das regatas nesta sequência que teremos pela frente em Ilhabela nos próximos meses, a partir deste fim de semana com a Copa Suzuki “, acredita Mauro.

Jogos Olímpicos Rio 2016 – Associado do Yacht Club de Santo Amaro (YCSA), Felipe é também campeão brasileiro de Optimist e tricampeão paulista de Laser. Nos Jogos Rio 2016, a torcida será a favor do parceiro de clube e de classe, Robert Scheidt. “As raias do Rio exigem conhecimento, devido ao complexo sistema de ventos e de correntes. Por isso o Robert tem reais chances de medalha”, considera Felipe.

Robert conquistou seu primeiro ouro olímpico na Laser, em 1996, quando Felipe correu pelo Chile na mesma classe. Também “quarentão”, o chileno tem consciência da força física exigida na Laser e espera que as condições colaborem para que Robert chegue à sexta medalha em seis olimpíadas. “Na época dos Jogos, a tendência é de que os ventos estejam mais fracos ou moderados no Rio, o que também pode contribuir taticamente com o Robert, evitando excessivo desgaste físico, apesar de sua excelente preparação”, confia o comandante do C30 Kaikias, que largará para a primeira regata do Warm Up neste sábado (4), ao meio-dia em Ilhabela.

Fonte : assessoria

Copa Dutch Bar de Snipe abre calendário da classe em Pernambuco

A Copa Dutch Bar de Snipe, que será realizada no próximo domingo (5), a partir das 14h, na bacia do Pina, abrirá oficialmente o calendário da classe em Pernambuco. A competição, que contará com o apoio do recém-inaugurado Dutch Bar, deverá reunir mais de 15 duplas divididas em três categorias – Geral A (veteranos em atividades), Geral B (veteranos que estão voltando a velejar) e Vela Jovem (duplas até 20 anos).

O torneio marca o início da gestão de Edival Júnior, técnico de vela do Cabanga, como capitão da Flotilha de Snipe. “Nossa intenção é movimentar a classe ao longo de todo ano visando o Norte-Nordeste de Snipe, que será disputado em novembro no Cabanga de Maria Farinha”, concluiu Edival Júnior, que faz dupla com Mateus Pinheiro e é o atual campeão estadual da classe.

A cerimônia de premiação será realizada após as regatas no Dutch Bar.