Fukuoka, no Japão, será a primeira cidade a sediar uma etapa da LVWS

m1647_fukuokarendering

Pela primeira vez em 165 anos de história a America’s Cup será disputada na Ásia. A cidade escolhida foi Fukuoka, no Japão, e a etapa da America´s Cup World Series vai ser disputada de 18 a 20 de novembro.

“Esta será uma oportunidade incrível para mostrar o nosso esporte para novas audiências, não só para o Japão, como para toda a Ásia”, disse Russell Coutss, CEO da 35ª AC.

O Japão estará representado na competição pelo SoftBank Team Japan, o quarto time do país a disputar a competição.

Itajaí Sailing Team tenta vitória na Regata Tripulação neste sábado

IMG_8800.JPG

O velejador Marcelo Gusmão vai comandar a tripulação do Itajaí Sailing Team – time de vela que representa Itajaí em competições oficiais – na luta pelo troféu da Regata Tripulação, que faz parte da Copa Flotilha de Oceano, em Florianópolis. A competição, com largada ao meio-dia do dia 4 de junho, será disputada em Jurerê, na capital catarinense. Na regata, que tem organização do Iate Clube de Santa Catarina, a equipe terá o reforço do velejador André Fonseca, o Bochecha.

Apesar de ser o treinador do time itajaiense, Bochecha nem sempre está a bordo do veleiro Itajaí Sailing Team – um Soto 40, considerado um dos mais rápidos da classe Oceano. O currículo de Bochecha é extenso na modalidade com participações em Olimpíadas, mundiais e regatas oceânicas pelo mundo. Foram três campanhas na Volvo Ocean Race. Em 2005-2006, o velejador esteve no inédito barco Brasil 1. Anos depois, em 2008-2009, fez parte do holandês Delta Lloyd e em 2014-2015, integrou o time espanhol da Mapfre.

Desde o começo do ano, o time do Itajaí Sailing Team está disputando o circuito nacional de vela na categoria IRC. A IRC é uma regra de classificação que permite que diferentes projetos de barcos de oceano possam participar da mesma regata. O “rating” de cada barco é calculado levando-se em conta as medidas do barco, seu comprimento, peso, calado e área de vela. O corretor de tempo resultante, o chamado “TCC”, é o handicap do barco. Depois da regata, o tempo real decorrido para completar o percurso de cada veleiro é multiplicado pelo seu TCC, resultando no tempo corrigido. O barco com o menor tempo corrigido é o vencedor da regata.

De acordo com Marcelo Gusmão, como o time está treinando há dois meses, chegou a hora de participar de uma competição e colocar em prática o que aprenderam durante os treinamentos. Além disso, a participação na competição faz parte dos preparativos para a disputa da 1ª etapa do Catarinense de Vela que será disputado nos dias 18 e 19 de junho, também em Florianópolis.