Brasil briga por dois ouros na final da Copa do Mundo

Na última competição antes dos Jogos Olímpicos Rio 2016 em que a Equipe Brasileira de Vela está reunida, o Brasil garantiu representantes em cinco medal races na tradicional etapa de Hyères (França) da Copa do Mundo da Federação Internacional de Vela (ISAF). A disputa por um lugar no pódio será realizada neste domingo, a partir das 6h (horário de Brasília), com transmissão ao vivo pelo canal da World Sailing no YouTube (http://bit.ly/1Tcko9e). Dos 15 velejadores brasileiros classificados para o maior evento esportivo do planeta, 12 competiram na etapa francesa.

Campeãs em Hyères em 2013 e 2015 na classe 470 feminina, Fernanda Oliveira e Ana Luiza Barbachan se classificaram para a medal race na terceira posição, com 38 pontos perdidos. Elas ficaram apenas quatro pontos atrás das líderes, as francesas Camille Lecointre e Hélène Defrance. Em segundo, com 35, estão as britânicas Hannah Mills e Saskia Clark.

“Estamos muito felizes pela nossa última competição internacional antes dos Jogos Olímpicos. Vamos participar da regata da medalha com possibilidade de defender nosso título do ano passado”, afirmou Fernanda, medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Pequim-2008, na classe 470 feminina ao lado de Isabel Swan. Na atual temporada, ela e Ana foram ao pódio em quatro das cinco competições que disputaram até o momento.

Na 49erFX, Martine Grael e Kahena Kunze, campeãs em Hyères em 2014 e prata no ano passado, passaram em segundo para a regata da medalha, com 58 pontos perdidos. Em primeiro ficaram as suecas Lisa Ericson e Hanna Klinga, que também somaram 58 e levaram vantagem sobre as brasileiras no critério de desempate.

Jorge Zarif também se garantiu na regata da medalha. Na classe Finn, o campeão mundial em 2013 se classificou em sexto, com 43 pontos perdidos. Em primeiro está o australiano Jake Lilley, com 28 pontos perdidos, em segundo o norueguês Anders Pedersen, com 35, e em terceiro o croata Ivan Kljakovic Gaspic, com 36. Como a regata da medalha tem pontuação dobrada, o brasileiro tem chance de alcançar o pódio.

O Brasil também terá representantes em mais duas regatas da medalha. Na RS:X feminina, Patricia Freitas passou em oitavo, com 106 pontos perdidos. A líder é a polonesa Zofia Noceti-Klepacka, com 35. Na Nacra 17, Samuel Albrecht e Isabel Swan ficaram em nono, com 118 pontos perdidos. Em primeiro passaram os britânicos Ben Saxton e Nicola Groves, com 73. Esta será a primeira vez que a dupla brasileira encerrará um campeonato internacional no Top10.

Não disputam a regata da medalha Marco Grael e Gabriel Borges, que terminaram a 49er em 13º, com 153.20 pontos perdidos; Ricardo Winicki, o Bimba, que ficou em 14º na RS:X masculina, com 118 pontos perdidos; Fernanda Decnop, 28ª colocada na Laser Radial, com 159 pontos perdidos; e Bruna Martinelli, que terminou em 40ª na RS:X feminina, com 293 pontos perdidos.

Bicampeão olímpico, Robert Scheidt optou por não disputar a etapa de Hyères para focar na preparação para o Mundial de Laser, entre os dias 12 e 18 de maio, no México. Na 470 masculina, Henrique Haddad e Bruno Bethlem também não competiram. A dupla preferiu ficar no Rio de Janeiro treinando na Baía de Guanabara, palco da vela nos Jogos Olímpicos.

No total em etapas da Copa do Mundo (desde 2009), o Brasil soma 37 medalhas, sendo 19 de ouro, nove de prata e nove de bronze.

Fonte: Assessoria

Brasil chega no último dia do Mundial Master de Laser na briga pelo ouro

13087134_779937755439671_1410327033224577083_o.jpg

Neste sábado termina em Puerto Vallarta, no México, o Mundial Master de Laser Radial. Nem Wanderley, que liderou a categoria Master durante toda a competição, está com quatro pontos de vantagem para o segundo colocado, o neozelandês Richard Blakey.A competição termina neste sábado.

“As condições estavam diferentes dos outros dias. O dia amanheceu nublado e com uma bruma no horizonte. Aos poucos ele foi abrindo e ao chegarmos na raia o vento ia aumento constantemente”, disse Nem.

Quem também está na briga por medalhas é Luis Castro, que aparece em terceiro na Grand Master. Também na Master, Marcia Macdonald é a primeira entre as mulheres e deverá subir no pódio no final do dia. Fabio Ramos, em quarto na Aprediz, tem mais duas regatas para tentar diminuir a diferença para o terceiro colocado, que é de apenas cinco pontos.

Confira os resultados completos aqui.

Confira o relato de Nem:

“A primeira regata começou com uns 10 nós e durante o primeiro contravento chegou a uns 12, mas depois caiu para uns 10 nós novamente, com muita onda. Bem difícil a tocada. Larguei bem a sotavento e cambei assim que possível para a direita, com o italiano a barlavento e um americano na retranca, que estava bem mais rápido e logo abriu uma boa vantagem. Montei a boia em 3º, o que mantive no través, mas no popa perdi uma posição para a Márcia. No segundo contravento não velejei bem e perdi mais uma posição. No popa seguinte e través consegui encostar no quarto mas terminei em quinto. Seguramente não consigo ter velocidade com este vento de uns 10 nós com onda

A segunda regata largou com uns 14-15 nós, favorecendo na comissão, mas não tive uma boa largada. Optei pela direita que é o lado que mais prevalece, mas com algumas viradas leves para a esquerda. Montei em 4º, mantive no través e no início do popa consegui encostar logo no 2º e 3º, mas do meio para frente o vento perde pressão e não consegui passar ninguém. No contravento não velejei muito bem e mantive a quarta posição. No popa seguinte, novamente iniciei bem, encostei no 3º, mas do meio até a boia perdi rendimento. O vento diminui e fica difícil descer as ondas e nunca fui bom nesta condição. Perdi para o americano e cheguei na boia lado a lado com o italiano. Consegui montar na frente dele, mantendo no través e chegando um pouco no americano. No último contravento, que é bem curto, o americano deu chance e mesmo cambando na cara do italiano, consegui passar o americano colocando ele entre eu e o italiano. No final acabei em 3º com a desclassificação do argentino que tinha terminado em 2º. Na real não velejei bem, mas deu para manter, mas diminuindo a diferença.”