Regatas eliminatórias garantem adrenalina na Star Sailors League

280509_594011_ssl_gslam_cl_web_ (1)

A Star Sailors League (SSL) é um circuito internacional destinado a promover os velejadores por meio de uma forma de disputa inovadora e simples. Os campeonatos oficiais da classe disputados ao longo do ano em todo o mundo somam pontos no ranking da SSL conforme a importância do evento (regional, nacional, continental e mundial). As ações nos eventos da SSL preveem três dias de regatas para qualificação das tripulações. O objetivo da fase preliminar é definir as equipes que seguirão para as quartas de final.

As três regatas reservadas para o dia decisivo, divididas em quartas de final, semifinal e final são adrenalina pura, da largada à linha de chegada devido ao sistema eliminatório. Dez barcos alinham para as quartas de final, do segundo ao 11º colocados. O líder da primeira fase passa direto à semi, juntando-se aos seis primeiros barcos das quartas. Entre as sete duplas da semifinal, as quatro primeiras seguem para a regata decisiva que irá definir ouro, prata e bronze. As três provas têm largadas em sequência e os classificados têm apenas alguns minutos para se reorganizarem entre a chegada e uma nova partida.

Velejadores olímpicos como Lars Grael, Diego Negri e Augie Diaz estão em Miami (EUA) disputando até domingo (17/4) o Mundial de Star e na primeira semana de maio deverão correr o inédito City Grand Slam da SSL entre os dias 3 e 7 no Lago de Alster em Hamburgo, Alemanha. São esperadas cerca de 80 duplas de 20 países. Os três atletas, posicionados entre os líderes no ranking de timoneiros da SSL, consideraram as diferenças entre as provas disputadas em campeonatos tradicionais e a fórmula dramática de regatas eliminatórias da Star Sailors League.

Apoio dos líderes – O presidente internacional da classe Star, o brasileiro Lars Grael, atual campeão mundial ao lado de Samuel Gonçalves, analisou as duas formas de disputa. “Eu prefiro o estilo tradicional, com uma regata mais longa por dia. Prevalecem os ajustes do barco e da vela, assim como a estratégia. Por outro lado, a SSL trouxe sangue novo e ideias muito positivas, não apenas para a Star, mas para a vela em geral. O formato de muitas regatas por dia com fase de classificação e eliminatórias é muito bom para a mídia e promove a classe. Admiro muito o trabalho da SSL”, afirma Lars, duas vezes medalhista olímpico.

O italiano Diego Negri, líder do ranking dos timoneiros da SSL entre julho de 2014 e junho de 2015, está entre os favoritos com presença assegurada em Hamburgo. “O mais importante na fase de classificação, durante as regatas de flotilha, é manter a regularidade e adquirir o máximo de conhecimento da raia. Nas provas eliminatórias há mais espaço entre os barcos, o que permite assumir alguns riscos. Antes da final, porém, a prioridade não é cruzar a linha de chegada em primeiro, mas evitar a eliminação. Eu vim da classe Laser, o que me dá muita agilidade no leme da Star”, considera Negri.

Para o norte-americano Augie Diaz, vice-campeão europeu de Star, as competições da SSL exigem que o velejador altere sua tática e trabalhe com diferentes estratégias na medida em que a tripulação evolui. “Estou mais acostumado às grandes flotilhas, mas na SSL o desafio é mais intenso devido ao risco de eliminação. Às vezes é preciso ser mais conservador para se alcançar um objetivo por vez. Primeiro ficar entre os onze mais bem classificados, depois se manter entre os sete e finalmente partir para a regata decisiva entre os quatro melhores”. Augie está correndo o Mundial de Star em Miami ao lado de Bruno Prada, líder no ranking dos proeiros e também confirmado no SSL City Grand Slam em Hamburgo, evento com premiação total de 100 mil dólares.

Fonte: SSL

Fernanda Decnop disputa flotilha ouro do Mundial de Laser Radial

13041408_774804182619695_8606630702246410026_o

Faltando três dias para o final do Mundial de Laser Radial Feminino, o Brasil ocupa a 36ª colocação geral com a niteroiense Fernanda Decnop. A competição está sendo realizada no México e reúne 72 velejadoras. Até o momento foram disputadas 7 das 14 regatas previstas. Para esta segunda-feira estão programadas duas regatas da fase final, com a flotilha dividida em ouro e prata. Fernanda está na flotilha ouro.

Para ver o resultado completo, clique aqui.

Brasil encerra Europeu de 49er na 35ª colocação

12973176_10154814002174972_3790605939982167811_o

A dupla Marco Grael e Gabriel Borges sofreu no Europeu de 49er, disputado entre os dias 11 e 16 de abril em Barcelona, na Espanha. Já classificados para as Olimpíadas, os meninos tiveram um começo ruim, se recuperando apenas a partir da 11ª regata, quando conquistaram um terceiro, dois segundos e dois quartos lugares. Com estes resultados, eles encerraram a participação na 35ª colocação geral. Os campeões foram, mais uma vez, os neozelandeses Peter Burling e Blair Tuke. Esta foi a 25ª vitória consecutiva dos dois.

Os resultados completos podem ser vistos aqui.

Vento forte marca Regata Fortalezas em Floripa

unnamed (38).jpg

Em um lindo dia de sol e ventos nordeste de 10-12 nós (entre 20 e 25km/h) dezenove embarcações da flotilha de vela oceânica do Iate Clube de Santa Catarina se reuniram neste sábado para a realização da 3ª etapa da Copa Veleiros de Oceano. A Regata Fortalezas, considerara uma das mais técnicas do calendário náutico, foi concluída com êxito após um excelente dia de velejo.

Com largada na Baía Norte, próximo ao Trapiche da Avenida Beira Mar, as tripulações iniciaram a regata com contravento rumo ao norte da Ilha, passando por Ilha de Ratones, Forte de São José de Ponta Grossa, Ilha de Anhatomirim, retornando a Ilha de Ratones antes da chegada.

Campeão brasileiro na classe ORC, o Catuana Kim manteve a ótima fase e após o tempo corrigido superou o Melody 5 em pouco mais de três minutos para conquistar mais uma vitória na temporada. Em terceiro lugar ficou o Força 12.

Entre os C30 a disputa foi bem apertada e a forte tripulação do Zeus Team acabou na frente com apenas um minuto e doze segundos de vantagem para o vice-campeão da etapa, o Corta Vento.

Classe com maior número de embarcações a RGS A teve como grande vencedor a embarcação Plancton, seguido por Bruxo e pelo campeão brasileiro da categoria, o Zephyrus, terceiro colocado.

Na RGS B, o Tintiun levou a melhor sobre o Vingador, enquanto na RGS C o Carino foi o vitorioso, com uma excelente velejada. Em segundo lugar ficou o Quival, seguido pelo Klymmp.

Na Classe Início/Retorno, a expedição Volta à América, que durou seis anos e terminou em março/2016 parece ter feito muito bem ao veleiro Guga Buy, grande campeão da etapa. Em sua primeira participação na temporada, a tripulação fechou na frente, com o Ataw em segundo.

Copa Veleiros de Oceano:

Com dez etapas programadas para o ano de 2016, a Copa Veleiros de Oceano é um dos mais tradicionais circuitos do gênero no país. Após as disputas da Centro-Jurerê e da Regata Cidade de Florianópolis, além da Regata Fortalezas que aconteceu neste sábado, estão programadas as seguintes provas: Regata Tripulação (Junho), Regata Lineares (Junho), Regata Baía Sul (Agosto), Regata Arquipélago (Setembro), Regata Mormaii (Outubro), Regata Marejada (Novembro) e a tradicional Volta à Ilha de Santa Catarina, que encerra o ano no mês dezembro.

Fonte: ICSC