Brasil segue no top 5 do Mundial de Star; Prada lidera

12973384_1052079408187378_1931143809296607725_o

Depois de um merecido dia de descanso com direito a passeio para um clube flutuante no meio do mar, os velejadores que estão disputando o Mundial de Star voltaram para a água nesta quinta-feira em Miami. Com mais um terceiro lugar, Bruno Prada , que está correndo na proa do americano Augie Diaz, segue na liderança da competição e caminha para o quarto título mundial. Lars Grael e Samuel Gonçalves, atuais campeões, também tiveram um bom dia e, com o quarto lugar na regata, seguem na quarta colocação geral.

Torben Grael e Guilherme Almeida, que começaram a competição sendo desclassificados por uma bandeira preta, foram sextos na regata e estão em 21º. Os outros brasileiros na competição são: Dino Pascolato e Henry Boening (12º), Admar Gonzaga e Xandi Freitas (33º) e Frederico Viegas e Tinha Moura (59º).

O resultado completo pode ser visto aqui.

Quantum Sails abre no Brasil primeira fábrica terceirizada

 

 

A veleria americana Quantum Sails anunciou na última semana uma nova operação no Brasil. Os gaúchos da Pro Nautic são os parceiros oficiais e irão distribuir todo o equipamento para a América Latina. Esta será a primeira vez que as velas serão produzidas fora das fábricas da Quantum no Sri Lanka e Malásia.

“O mercado sul-americano sempre foi um problema para a Quantum, pois é muito complicado trabalhar com a importação daqui. É muita burocracia e demora muito. Hoje nós temos uma fábrica que atende as necessidades da Quantum para este mercado. Então, nós entramos com a experiência e eles com uma marca forte, reconhecida mundialmente”, disse José Adolfo Paradeda, sócio da Pro Nautic ao lado de Xandi e Beto Paradeda.

Ao fechar esta nova parceria, a Quantum encontrou em Porto Alegre, sede da Pro Nautic, uma fábrica muito bem estruturada, com mil metros quadrados de área, equipada com a única laminadora da América do Sul, além de uma estrutura de distribuição e venda já consolidada. Hoje a Pro Nautic possui representantes em Florianópolis, Salvador, Ilhabela e Rio de Janeiro, sendo que nestes dois últimos existe também uma pequena sede, com espaço para reparo das velas. A venda na América Latina continuará a cargo doargentino Alejandro Irigoyen, cabendo à Pro Nautic a fabricação e distribuição das velas.

Antes de trabalhar com a Quantum, a família Paradeda era a representante brasileira da italiana Olimpic Sails. Mesmo fazendo, na sua grande maioria, velas para barcos de oceano, o segmento de monotipos é sempre muito importante, especialmente na Snipe, classe na qual Xandi foi campeão mundial e pan-americano. O desenvolvimento de produto é muito presente na atividade da Pro Nautic desde a sua fundação, vale lembrar que os últimos três últimos campões mundiais de Snipe utilizaram velas desenvolvidas em Porto Alegre.

“Nós temos uma estrutura que está pronta para crescer e já atendemos o mercado nacional em um nível muito bom. A Olimpic sempre foi uma parceira excelente, mas seria mais difícil crescer no mercado externo com eles, pois é uma marca regional. Para isto teríamos que investir muito dinheiro e não daria para fazer sozinho. A saída seria um parceiro global, e a Quantum foi a opção perfeita”, completou.

A vela de monotipo continuará sendo atendida por eles, com um diferencial: a Quantum já tem prontos os modelos para as mais diversas classes no mundo, como Star ou os barcos da classe J, por exemplo. Ou seja, não será preciso desenvolver os layouts, o que demanda muito tempo e dinheiro, bastará fabricar as velas e entregar. Na Snipe, no entanto, José acredita que seus filhos Beto e Xandi irão, em algum momento, acabar desenvolvendo modelos brasileiros, já que possuem grande experiência na classe.

Eles também continuarão no segmento de velas de regata, mas darão uma atenção maior também aos velejadores de cruzeiro, com as velas de dacron. Os spinnakers também serão produzidos na fábrica gaúcha, especialmente os de regata, que terão projetos americanos.

Para os barcos maiores, o grande diferencial serão as velas laminadas. A Pro Nautic é a única veleria a produzir laminado localmente na américa latina, neste casos haverá uma adaptação para o processo de produção da Quantum Sails.

 

Marco Grael e Gabriel Borges disputam flotilha prata no Europeu de 49er

12967936_10154806233989972_5635281491550573317_o.jpg

O Europeu de 49er chega a sua fase final nesta quinta-feira em Barcelona, na Espanha. Apesar de terem vindo de bons resultados nas últimas competições, Marco Grael e Gabriel Borges não tiveram um desempenho tão bom, e disputam a flotilha prata nesta quinta-feira. Na sexta, apenas os dez melhores disputam a medal race. Os líderes são os neozelandeses Peter Burling e Blair Tuke.

Marco e Gabriel tiveram com melhor resultado um oitavo lugar na última regata de quarta-feira, a nona da série e com isso ocupam a 41ª colocação dentre 72 participantes.

Para ver o resultado completo, clique aqui.