Diaz/Prada seguem na liderança do Mundial de Star; Grael/Gonçalves sobem para 4

12961340_1052075511521101_5710869154109771957_o

O terceiro dia do Mundial de Star começou com vento mais fraco, mas ainda assim, na proa do americano Augie Diaz, o brasileiro Bruno Prada soube ler bem as condições da raia de Miami e venceu a única regata do dia. Com isso os dois seguem na liderança da competição, com oito pontos perdidos.

Atuais campeões mundiais, Lars Grael e Samuel Gonçalves também tiveram um bom dia e, ao terminar a regata na quinta colocação, subiram para quarto geral, com 26 pontos perdidos, segundo como melhor dupla brasileira na competição.

Dino Pascolato e Henry Boening subiram de 18º para 14º geral. Torben Grael e Guilherme Almeida, que haviam conquistado um segundo lugar na regata desta segunda-feira, ficaram em 16º hoje e subiram para 28º. Admar Gonzaga e Xandi Freitas caíram para a 35ª colocação geral, enquanto Frederico Viegas e Tinha Moura caíram para 60º.

A competição segue até o dia 17 com uma regata por dia. O resultado completo você vê aqui.

 

Réplica da escuna America fará tour pelos EUA

america

 

Em uma tarde com muita névoa, lá em 1851, a rainha Victoria estava assistindo uma regata no Royal Yacht Squadron quando uma escuna de projeto bem peculiar e de nome America cruzou a linha de chegada entre a ilha de Wight e a costa da Inglaterra. A rainha então perguntou a um de seus empregados quem era o segundo colocado e ele respondeu: “Majestade, não existe segundo colocado”!

Em agosto do mesmo ano, esta mesma escuna, representando o jovem New York Yacht Club, velejou contra o Aurora, melhor barco britânico, para levar para casa a Royal Yacht Squadron 100 Pound Cup. A vitória americana na época simbolizou também a vitória do novo continente sobre o velho, em uma disputa de poder marítimo.

Logo após a disputa da 100 Guinea Cup, em 1951, o Comodoro do NYYC John Cox Stevens vendeu a escuna e, junto com sua equipe, voltou para os EUA como herói. O troféu, que foi chamado chamado de America como forma de homenagem ao barco, foi doado ao NYYC sob um deed of gift, documento que diz que ele tem que ser “um desafio perpétuo de competição amistosa entre nações”. Desde então, foram necessárias 25 disputas em mais de cem anos para que ele saísse dos EUA pela primeira vez, quando em 1983 o Australia II venceu o Liberty.

Com mais de 150 anos de história, a America´s Cup é o troféu mais antigo ainda em disputa no mundo e existem muitas pessoas ao redor do mundo que são simplesmente apaixonadas pela sua história.

É o caso do empresário Troy Sears, que resolveu fazer um tour pelos EUA (e por que não pelo mundo) com uma réplica da escuna América. A viagem começou nesta terça-feira pela costa leste e passará por diversos iate clubes até chegar em Bermuda, onde será disputada, em 2017, a 35ª AC. Serão mais de 100 paradas pela costa leste e pelo Golfo entre o dia 7 de maio e o dia de ação de graças. Depois de passar pelo Canal do Panamá, ele deverá chegar em Nova Iorque a tempo da America´s Cup World Series, que será disputada entre 7 e 8 de maio. O final do tour de 2016 será na Ernest Hemingway Marina, em Havana, Cuba. De lá ele seguirá para o Caribe, terminando a viagem nas Bermudas, a tempo da disputa da America’s Cup, entre os dias 26 de maio e 27 de junho de 2017.

Sears é um aficionado pela AC e possui uma empresa que aluga para charter alguns barcos antigos da competição. No ano passado ele fez toda a costa oeste americana com a réplica da escuna America, passando por mais de 30 clubes.

“Aprendi que existe uma geração antiga que não conhece nada sobre o evento e uma geração de baby-boomers que tem emoções diferenciadas em relação a ele, que variam desde uma super empolgação com os catamarãs de hoje em dia, até uma certa nostalgia em querer ver a Copa exatamente como ela era no início”, disse ele.

 

YCSA domina o pódio na Taça Almirante Tamandaré

12973190_1068820859830803_6846895375003270549_o

Neste final de semana o YCSA promoveu a Taça Almirante Tamandaré para as classes 420 e Optimist. O evento foi válido como primeira etapa do Campeonato Paulista para ambas as classes e contou pontos para o ranking da Copa Optimist SP. 38 velejadores da Flotilha da Garoa (YCSA), Flotilha Borrachudo (EVI), Flotilha Vento Sul (CCSP), Flotilha Flovor (YCP) e Flotilha Bombordo estiveram presentes.

Foram realizadas quatro regatas com ventos variando entre 5 e 10 nós nos dois dias. Repetindo o feito do ano passado, Nicolas Bernal, do YCSA, fez um belo campeonato e levou novamente o ouro na classe Optimist. O segundo colocado foi Theo Chao também do YCSA, que vem evoluindo constantemente com a prática dos campeonatos. Lars Kunath (YCSA) foi o terceiro colocado. Na categoria feminina, Marina Heinke (YCSA), Gabriela Vassel (CCSP) e Nicole Joop (YCSA) foram as três primeiras colocadas respectivamente.

Na 420, a dupla André Fiuza e Marcelo Peek mais uma vez subiu no lugar mais alto do pódio. Olívia Belda e Marina Arndt mais uma vez provaram a força das meninas, ficando com a segunda colocação geral e primeira na categoria feminina. Os recém chegados Martin Chao e Marco Peek também fizeram bonito e conquistaram a terceira colocação.

Confira a súmula completa:

420

Optimist

 

 

Fernanda Oliveira e Ana Barbachan são bronze no Europeu de 470

12967292_1310746958952156_955964209286313658_o.jpg

As gaúchas Fernanda Oliveira e Ana Barbachan conquistaram nesta terça-feira mais uma medalha para a coleção. O bronze no Europeu de 470 veio após a segunda colocação na medal race. O ouro ficou com as austríacas Lara Vadlau e Jolanta Ogar e a prata com as holandesas Afrodite Kyranakou e Anneloes Van Veen. A competição foi realizada em Palma de Maiorca e contou com 57 duplas.

Esta é a segunda medalha que as meninas conquistam em 15 dias. Na semana passada elas ficaram com a prata no concorrido Trofeo Princesa Sofia. Fernanda e Ana estão se preparando para a disputa da segunda olimpíada juntas. Fernanda tem, ao lado de Isabel Swan, o bronze nos Jogos de Pequim, única medalha da vela feminina brasileira.

O resultado completo do Europeu pode ser visto aqui.