Francês que tentava recorde de volta ao mundo de leste a oeste é resgatado no Horn

O francês Yves le Blevec teve que ser resgatado pela Marinha Chilena nesta quinta-feira após capotar o maxitrimarã Nigel Irens, de 31 metros, no Cabo Horn. Yves estava tentando quebrar o recorde de volta ao mundo de leste a oeste quando ventos de 30 a 40 nós, com ondas de mais de 6 metros o surpreenderam. Ele estava no mar desde o dia 24 de novembro. O tempo a ser batido é de 122 dias, 14h, 3 min e 49s e foi estabelecido em 2004 por Jean Luc Van Den Heede em um monocasco de 85 pés.

Confira o vídeo do resgate: http://bit.ly/2ARqwHl

 

 

AkzoNobel quebra, mas segue velejando na Volvo Ocean Race

Esta quinta-feira, ao dar um jibe nos mares do sul, o barco do Team Akzonobel, que tem Martine Grael a bordo, acabou quebrando o trilho que prende a vela grande ao mastro. O velejador Brad Farrand rapidamente foi içado e resolveu o problema de forma que eles pudessem seguir velejando um pouco mais a norte da flotilha, com ventos mais brandos que os 60 nós de onde estavam mais ao sul.

A etapa partiu da África do Sul e tem como destino a Austrália. A flotilha ainda tem pela frente cerca de 4 mil milhas a serem navegadas.

 

Brasil encerra Mundial da Juventude com dois barcos no top 10

Olivia Belda e Marina Arndt 01_Crédito Jesus Renedo_Sailing Energy.jpg

O Brasil encerrou nesta sexta-feira a participação no Mundial da Juventude em Sanya, na China, com dois barcos no top 10. Na classe Laser Radial masculina, Tiago Quevedo terminou na sétima colocação, com 81 pontos perdidos. Na 420 feminina, Olivia Belda e Marina Arndt acabaram na décima posição (85 p.p.). Com uma média de idade relativamente baixa até mesmo para os padrões de um campeonato de Vela Jovem, a delegação brasileira terminou o evento com uma projeção positiva de evolução no futuro.

“As condições aqui em Sanya estavam difíceis, com ventos muito rondados. Mais do que o resultado, a experiência de viver um campeonato como esse é muito importante para os atletas jovens. Foi bom para eles terem a dimensão de um evento neste nível, que é uma versão miniatura da competição de vela dos Jogos Olímpicos, com só um barco por país em cada classe”, analisou o técnico Alexandre Saldanha, chefe da Equipe Brasileira na China.  Continuar lendo “Brasil encerra Mundial da Juventude com dois barcos no top 10”

Fevesp larga na frente e lança primeiro aplicativo da vela brasileira

APVela logo new3

A Fevesp (Federação de Vela do Estado de São Paulo) lançou na última semana o primeiro aplicativo da vela brasileira. Nele é possível encontrar, a um toque na cela do celular, o calendário completo de 2018 e 19, contatos dos coordenadores de classe, dos clubes e das escolas de vela do estado, além de poder se filiar à entidade.

Para baixar o app é simples, basta clicar aqui se for iOS e aqui se o seu celular for Android.

 

Copa Brasil de Vela começa com ventos fortes após um dia de atraso

Dia 01_Carlos Robles e Marco Grael_Dante Bianchi e Thomas Lowbeer_Credito Ana Catarina.png

Com ventos fortes e ondulações constantes no mar, a V Copa Brasil de Vela teve suas primeiras regatas nesta terça-feira, dia 13, em Ilhabela — assim como a III Copa Brasil de Vela Jovem. A disputa mobilizou alguns dos principais velejadores do país, como Jorge Zarif (classe Finn), Patrícia Freitas (RS:X), Bruno Fontes (Laser) e Carlos Robles e Marco Grael (49er), entre outros. Tudo sob o olhar cuidadoso do coordenador técnico da Equipe Brasileira de Vela, Torben Grael, que destacou a importância da competição.

“Temos um país continental e nem todos os atletas são da mesma região. Temos velejadores desde Salvador a Porto Alegre. Juntá-los todos aqui é uma troca de experiências importante para a vela brasileira. A gente reúne neste evento basicamente todas as classes olímpicas, valendo classificação para a Equipe Brasileira para o próximo ano”, explicou. Continuar lendo “Copa Brasil de Vela começa com ventos fortes após um dia de atraso”

Circuito Niterói reúne classes BRA RGS, ORC, IRC E HPE30

24959100_1762662930441682_8397141704224787897_o.jpg

O Circuito Niterói foi a última grande competição para os velejadores de oceano do Rio de Janeiro. Foram três dias e cinco regatas disputadas com todas as condições possíveis: vento forte, fraco, muita maré… A competição teve como sede o Clube Naval Charitas e foi aberta às classes ORC, IRC, BRA-RGS e HPE30.

Na IRC A o título ficou com o Cherne, de Caio Oliveira, seguido pelo Saravah, de Pierre Joullié. Na IRC B o campeão foi o Esculacho, de Walcles Osório, com Avanti, de Otto de Assis, sem segundo, e Super Pimpo 2, de Claudio Gomes, em terceiro. O Esculacho levou também o título geral.

Na ORC o grande vencedor da categoria A foi o Miragem, do ex-Comodoro da ABVO Paulo Freire, seguido por Maximus, de Ralph Rosa, e Dourado, de David Guadagnino. Na ORC B, quem levou o caneco para casa foi o Santa Fé V, de Nelson Thomé, com Maestrale Log Sub, do Comodoro da ABVO Adalberto Casaes, e Troyan, de David Fasberg em segundo e terceiro respectivamente. O campeão geral foi o Santa Fé V.

Na BRA-RGS A o pódio foi formado por Albatroz, de Guilherme Jr, Manos Chopp, de Guilherme Winter, e Sargaço, de Mateus Crhsipin. Na BRA-RGS B Nativo, de Eduardo harabedian, Cangrejo, de Pedro Trouche, e Roberto Schanarddorf foram os três primeiros colocados. O título ficou com o Nativo.

Entre os HPE30, o pódio ficou assim: The Punisher, de Gual Naldi, Carioca Jr, de Daniel Wilcox, e Manga Wiki, de Claudio Kunze.

Neste próximo final de semana as tradicionais regatas Preben Schimidt (no sábado) e Neptunos (no domingo) encerram o calendário oceânico carioca de 2017.

Confira os resultados completos abaixo:

RGS
RGS A
RGS B

ORC
ORC A
ORC B

IRC
IRC A
IRC B

HPE30

 

Vento forte e mar agitado preocupam equipes da Volvo Ocean Race

m108434_13-03-171211-azn-jsb-00027.jpg

A terceira etapa da Volvo Ocean Race – percurso entre a Cidade do Cabo e Melbourne – já começa a assustar os tripulantes dos sete times inscritos na competição. Ondas de 13 metros e ventos de 60 nós = 110 km/h são esperados nas próximas horas nos mares do sul. A meteorologia indica que o tempo ruim vai entrar a partir da madrugada desta quarta-feira (13). A etapa deve durar 15 dias e largou da África do Sul no domingo (10).

E os navegadores precisam prestar atenção em um fator importante! Assumir o risco de andar rápido mais próximo do gelo do sul ou encarar as tempestades. A organização da Volvo Ocean Race mantém uma zona de exclusão virtual para manter a flotilha a uma distância segura do gelo da Antártica.

Nenhum dos sete barcos disparou na ponta. Os líderes do campeonato MAPFRE e Dongfeng Race Team estão mais próximos ao sul. Com eles estão team AkzoNobel – da campeã olímpica Martine Grael – e Team Brunel. Mais ao norte estão Team Sun Hung Kai / Scallywag, Vestas 11th Hour Racing e Turn the Tide on Plastic.  Continuar lendo “Vento forte e mar agitado preocupam equipes da Volvo Ocean Race”

Françoise Gabart segue quebrando recordes na volta ao mundo em solitário

Quando partiu de Ouessant, na França, há 38 dias, o francês François Gabart tinha um objetivo: ser o cara mais rápido a dar a volta ao mundo em solitário. O tempo a ser batido é de 49 dias, 3 horas, 4 minutos e 28 segundos e foi estabelecido por Thomas Coville. Só que Gabbart não só está bem à frente do recorde de volta ao mundo (na manhã desta terça-feira a distância era de 2443,97 milhas), como também quebrou outros recordes.

Com uma média de 27,4 nós, ele foi o mais rápido da história da vela mundial no trecho entre o Cabo Horn e o Equador, com 06 dias, 22 horas e 15 minutos de velejada. O antigo tempo pertencia a à tripulação do Banque Populaire e era de 7 dias, 4 horas e 27 minutos.

Ele também fez o segundo melhor tempo da história entre Ouessant e o Equador, com 41 dias, 14 horas e 53 minutos. O melhor tempo é do Idec Sport (com seis tripulantes) de 35 dias, 4 horas e 09 minutos.

No tempo entre Equador e Equador, ele conquistou uma nova marca: baixou o tempo de Thomas Coville de 35 dias, 21 horas e 39 minutos para 30 dias, 4 horas e 45 minutos.

Ainda faltam pouco mais de 2200 milhas para a chegada, mas tudo indica que vem novo recorde por aí!

Acompanhe a aventura de Gabart em: http://bit.ly/2yyrDu9

Presidente da ISCYRA, Lars Grael comenta o ano brasileiro na classe Star

image1 (1)

Lars Grael está deixando o cargo de presidente da ISCYRA, entidade máxima da classe Star, a qual esteve à frente durante quatro anos. Ele faz um balanço dos resultados dos velejadores brasileiros em 2017 tanto no país quanto no exterior. Confira:

“Chegamos ao final da temporada de 2017, aonde nossos velejadores estiveram atuantes nas regatas de flotilhas regionais, nos eventos nacionais do 7º Distrito e nas inúmeras conquistas em águas internacionais.  

Conquistas nas raias internacionais: 

Bruno Prada: em dupla com o americano Augie Diaz, Bruno foi Campeão Norte-Americano (USA); Bronze no Campeonato Europeu (Sanremo/ITA); 5º na Bacardi Cup (Miami/USA); 7º no Campeonato Mundial (Svendborg/DEN); 1º no Star Fall (Oxford/USA). Com o campeão olímpico Freddy Loof, Bruno foi 13º na SSL Finals, e, é o brasileiro mais bem colocado no ranking de proeiros da SSL #3. 

Lars Grael / Samuel Gonçalves: Vice-Campeões Mundiais (Svendborg/DEN) {1º Master; 4º na Bacardi Cup (Miami/USA); 4º no Campeonato Europeu (Sanremo/ITA); Campeões Brasileiros (Brasília/DF); Campeões do 7º Distrito (Rio/RJ); Campeões Estaduais (Búzios/RJ). Encerraram a temporada num modesto 12º na SSL Finals. Lars passou a ocupar a #3 colocação no ranking da SSL. Samuel em #4 entre os proeiros.  Continuar lendo “Presidente da ISCYRA, Lars Grael comenta o ano brasileiro na classe Star”

Regatas da Copa Brasil de Vela começam nesta terça em Ilhabela

Mundial de Finn_Jorge Zarif 02_Crédito Cserta Gabor (1).jpg

O cenário icônico de Ilhabela vai ser o palco da disputa, a partir desta terça-feira, dia 12, do mais importante campeonato nacional da vela, a Copa Brasil 2017. Os principais velejadores do país entram na água para as primeiras regatas, com início previsto para 13h (de Brasília). A competição serve para a formação da Equipe Brasileira de Vela em 2018 e terá disputa nas classes: RS:X (Masc e Fem.), Laser Standard, Laser Radial (Fem.), Finn, 470 (Masc e Fem.), 49er, 49er FX, Snipe, Kitesurf Hidrofoil e Kite Race (Masc e Fem).

Quarto colocado na classe Finn nos Jogos Rio 2016, Jorge Zarif é um dos velejadores que está em ritmo de campanha para o ciclo olímpico Tóquio 2020 e é um dos nomes de peso da Copa Brasil 2017. Continuar lendo “Regatas da Copa Brasil de Vela começam nesta terça em Ilhabela”